Editorial

Editorial

Profa. Dra. Fernanda Dreux M. Fernandes

Neste último fascículo de 2011 contamos com a publicação de dois artigos internacionais; o primeiro deles, escrito por Pava-Ripoll, Villamizar e Torres, da Escuela de Rehabilitación Humana de la Universidad del Valle (Cali, Colombia) descreve a produção intelectual do curso de Fonoaudiologia a respeito das deficiências no trabalho Aportes desde la investigación formativa a la producción en fonoaudiología: el caso de una universidad colombiana, que evidencia uma cultura direcionada aos modelos sociais de incapacidades.

Almeida, Behlau e Leite estudaram a Correlação entre ansiedade e performance comunicativa em um grupo de 24 adultos e concluíram que a ansiedade diferenciou o comportamento comunicativo, envolvendo modificações no corpo, na fala e na voz.

O outro artigo internacional envolve a Compreensão de expressões idiomáticas em pessoas com síndrome de Asperger/autismo de alto funcionamento e foi escrito por Vogindroukas e Zikopoulou do Centro Médico Psicopedagógico do Norte da Grécia (Thessaloniki, Grécia). Os autores estudaram 27 crianças com autismo de alto funcionamento e síndrome de Asperger e concluíram que as dificuldades com figuras idiomáticas não estão relacionadas com o desempenho em provas de inteligência.

Interferências de estímulos visuais na produção escrita de escolares ouvintes sem queixas de alterações na escrita é o título do estudo apresentado por Casemiro, Ribeiro, Matta, Soares e Cárnio. Os autores concluíram que os estímulos visuais apresentados não interferiram na produção escrita dos escolares do ensino fundamental em relação a suas competências comunicativas.

Chacon, Burgemeister, Rodrigues e Freitas estudaram O registro escrito da nasalidade em crianças de educação infantil em 19 crianças do nível Pré-III e concluíram que as crianças tendem a resgatar as características fonético-fonológicas semelhantes entre os grafemas nasais que elas substituem e aqueles pelos quais são substituídos.

Outro artigo referente à linguagem escrita é apresentado por Silva e Capellini, que estudaram a Correlação entre tempo, erro, velocidade e compreensão de leitura em escolares com distúrbio de aprendizagem em 40 escolares de 8 a 12 anos segundo as variáveis: número de erros, velocidade e compreensão de leitura e tempo total de leitura. As autoras concluíram que para os escolares com distúrbio de aprendizagem, o desempenho nas variáveis estudadas encontra-se alterado, interferindo no desenvolvimento em leitura e, consequentemente, na compreensão do texto lido.

Di Ninno, Moura, Raciff, Machado,Rocha, Norton, Martins e Britto estudaram o Aleitamento materno exclusivo em bebês com fissura de lábio e/ou palato a partir de 137 prontuários de primeira consulta em pediatria e concluíram que o aleitamento materno exclusivo ocorre em uma parte pequena da amostra de bebês com fissura de lábio e/ou palato, mas é frequente nos casos de fissura pré-forame incisivo.

O fonema /r/ e as alterações do sistema estomatognático, idade, gênero e gravidade no desvio fonológico é o título do artigo escrito por Marini, Brancalioni, Gubiani, Freitas, Keske-Soares e Cechella. Foram estudadas 113 crianças com desvio fonológico e os autores concluíram que não há relação entre as alterações do sistema fonológico e das estruturas e funções do sistema estomatognático em crianças com desvio fonológico, havendo relação deste apenas com a idade das crianças.

Do mesmo grupo de pesquisas da Universidade Federal de Santa Maria vem o artigo intitulado Média dos valores da frase em crianças com desvio fonológico evolutivo, de autoria de Albiero, Melo,Wiethan, Mezzomo e Mota, que estudaram 16 crianças com desvio fonológico e verificaram que elas podem apresentar prejuízos em outros subsistemas da lingua, especialmente no início do desenvolvimento.

A habilidade de atenção auditiva sustentada em crianças com fissura labiopalatina e transtorno fonológico foi pesquisada por Moraes, Maximino e Feniman. Após avaliar 16 crianças as autoras concluíram que a não há diferenças nessa habilidade entre crianças com e sem transtorno fonológico.

O Desempenho de escolares de 7 a 12 anos no teste Gaps-in-Noise foi estudado por Barreira, Silva, Branco-Barreiro e Samelli. As atoras concluíram que não houve diferença entre as diversas faixas-etárias, orelhas e gêneros, no que se refere aos limiares de detecção de gap avaliados pelo GIN.

Vieira, Nishihata, Chiari e Pereira apresentam o estudo intitulado Percepção de limitações de atividades comunicativas, resolução temporal e figura-fundo em perda auditiva unilateral em que 38 indivíduos foram estudados. As autoras concluíram que indivíduos com perda auditiva unilateral apresentam limitações nas atividades comunicativas, principalmente em ambientes ruidosos.

Rodrigues, Carvalho, Lauris e Schochat são os autores do artigo Resultados de um programa de triagem auditiva neonatal em Cuiabá - Mato Grosso em que foram analisados os exames de 1964 recém-nascidos de baixo rico e de 123 recém-nascidos de alto risco. Os autores afirmam que os resultados obtidos pelo programa estão de acordo com as expectativas de órgãos internacionais e nacionais.

Weber e Périco apresentam pesquisa a respeito do Zumbido no trabalhador exposto ao ruído que estudou um total de 585 trabalhadores de uma indústria alimentícia. As autoras comentam que os resultados apontam para a possibilidade de que o efeito do ruído não seja limitado ao sistema auditivo periférico e para a necessidade de inclusão do zumbido nos programas de conservação auditiva.

Araujo, Mendes e Novaes estudaram o Pronto atendimento a usuários de dispositivos de amplificação sonora que determinou as características sócio-demográficas de 440 sujeitos. Os autores argumentam que conhecer as características de pacientes usuários de AASI, assim como os motivos do retorno e condutas geradas, contribui para melhor organização e qualidade do serviço prestado.

O Estudo de Caso Processo de indicação do implante coclear em uma criança com paralisia cerebral: estudo de caso foi escrito por Santos, Bevilacqua, Moret, Lamônica, Costa e Yamaguti que ressaltam a importância de uma etapa pré-cirúrgica ampla e estruturada para crianças com paralisia cerebral e candidatas ao IC.

O Estudo de Caso descrito por Vieira aborda a Fonoterapia em glossectomia total durante um período de dez meses de tratamento.

Berwig e Silva realizaram uma revisão de literatura envolvendo a Análise quantitativa do palato duro de respiradores orais e concluíram que os métodos de avaliação quantitativa podem contribuir para a precisão do diagnóstico fonoaudiológico.

Na seção Refletindo Sobre o Novo, Defense-Netrval, Pimentel, Amato e Fernandes discutem o artigo Using the Preschool Language Scale, Fourth Edition to characterize language in preschoolers with autism spectrum disorders publicado em 2011 no American Journal of Speech-Language Pathology.

Wertzner e Pagan-Neves apresentam a Resenha do artigo Differentiating speech delay from disorder: does it matter? publicado em 2011 no periódico Topics in Language Disorders.

Ruído no contexto hospitalar: impacto na saúde dos profissionais de enfermagem é o título do mestrado cujo resumo é apresentado por Costa no Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação da Universidade Tuiuti do Paraná, com a orientação de Adriana Bender Moreira de Lacerda.

Outro resumo de mestrado é apresentado por Brancalioni, com o título Proposta de classificação da gravidade do desvio fonológico por meio da Modelagem Fuzzy, segundo o Modelo Implicacional de Complexidade de Traços. A dissertação foi defendida no Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação Humana da Universidade Federal de Santa Maria sob orientação de Márcia Keske-Soares.

Mais uma vez temos um amplo painel da Fonoaudiologia brasileira. O fato de que 14 dos 19 artigos são de autoria de professores de pós-graduação strict-sensu e dois foram submetidos por pesquisadores estrangeiros (um deles também professor de pós-graduação) confirma o crescimento contínuo e o reconhecimento crescente deste periódico.

O prestígio da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia deve-se à sua qualidade e ambos são o resultado da participação de um grande número de pessoas. Entre eles destaca-se o trabalho cuidadoso, generoso e pontual dos revisores. É essencial também nomear e reconhecer a Dra. Juliana Perina Gândara, e a Fga. Érica de Cássia Ferraz pela seriedade e delicadeza com que conduzem seu trabalho.

A todos: autores, revisores, editores, assistentes técnicos, obrigada pela cooperação. Obrigada também pelas críticas e cobranças porque elas geram crescimento e aperfeiçoamento.

À SBFa, obrigada pela oportunidade e pela confiança.

Um ótimo final de ano e que em 2012 continuemos a participar do desenvolvimento da nossa ciência.

Fernanda Dreux

Editora científica da RSBF

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    24 Jan 2012
  • Data do Fascículo
    Dez 2011
Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Al. Jaú, 684 - 7º andar, 01420-001 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (55 11) 3873-4211 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@sbfa.org.br