O moderno e o contemporâneo: reflexões sobre os conceitos de indivíduo, tempo e morte

Modern and contemporary: reflections on the concepts of individual, time and death

MARIA HELENA OLIVA AUGUSTO Sobre o autor

Resumos

As relações que os homens compartilham na sociedade, entre elas a própria forma como percebem o tempo, permitem-lhes atribuir significados específicos a várias dimensões de sua existência. O que se pretende nesta comunicação é refletir sobre o sentido que a morte adquire para os indivíduos na sociedade contemporânea e, através dessa reflexão, discutir o próprio significado que atribuem à vida. Com essa finalidade, discorrer-seá sobre alguns traços da vida social na modernidade, principalmente sobre a emergência do indivíduo livre e sobre as alterações que se fizeram sentir na noção de tempo. Em seguida, os mesmos traços serão identificados no mundo contemporâneo. A percepção das alterações de significado que a vida e a morte sofreram na vivência contemporânea das pessoas emergirá, espera-se, da comparação entre os dois momentos.

Indivíduo; tempo; morte; modernidade; liberdade


The relations that bind members of a society together and allow them to formulate shared ideas about the world, such as the ways in which the nature of time is perceived, also permit them to attribute specific meanings to the various dimensions of their existence. This paper deals with the meaning of death for members of contemporary society and with the related issue of the meaning of life. To accomplish this, I will discuss certain aspects of modern social life, as conceived of in the late 18th and early 19th centuries. Principally, I will deal with the emergence of the individual, the idea of freedom and changes in the notion of time - features which will then be identified in the contemporary world. Changes in the meaning of life and death as perceived in people's contemporary experience will hopefully become clear by comparing these two moments.

Individual; time; death; modernity freedom


Texto completo disponível em PDF.

  • Esta é uma versão um pouco ampliada de texto a ser publicado na Revista PSICOLOGIA-USP vol. IV, nº 2 de 1993 (que será editada em junho de 1995), com o título Tempo e indivíduo no mundo contemporâneo: o sentido da morte. Trata-se de comunicação apresentada no XIII Congresso Mundial de Sociologia, organizado pela International Sociological Association e realizado em Bielefeld, Alemanha, no período de 18 a 23 de julho de 1994.
  • 1
    "(...) Sens qui concerne l'autoreprésentation de la société; sens participable par les individus; sens leur permettant de monnayer pour leur compte personnel un sens du monde, un sens de la vie et, finalement, un sens de leur mort (...)".
  • 2
    "the human mastery of the natural world".
  • 3
    "largely from the nineteenth century, we have inherited a romanticist view of the self, one that attributes to each person characteristics of personal depth: passion, soul, creativity, and moral fiber. (...) But since the rise of modernist world view beginning in the early twentieth century, the romantic vocabulary has been threatened. For modernists the chief characteristics of the self reside not in the domain of depth, but rather in our ability to reason (...)".
  • 4
    "The universe of future events is open to be shaped by human intervention".
  • 5
    "the 'openness' of things to come expresses the malleability of the social world and the capability of human beings to shape the physical settings of our existence".
  • 6
    "bodily discipline is intrinsic to the competent social agent; it is transcultural rather than specifically connected with modernity (...)".
  • 7
    "(...) where both the romantic and the modernist conceptions of identifiable selves begin to fray, the result may be something more than a void, an absence of self. Instead, if this tracing of the trajectory is plausible, we may be entering a new era of self-conception. In this era the self is redefined as no longer an essence in itself, but relational. In the postmodern world, selves may become the manifestations of relationship, thus placing relationships in the central position occupied by the individual self for the last several hundred years of Western history." Assim "(...) one's sense of individual autonomy gives way to a reality of immersed interdependence, in which it is relationship that constructs the self" (Gergen, 1991GERGEN, Kenneth J. (1991) The saturated self: dilemmas of identity in contemporary life. New York, Basic Books., p. 146-147). Embora achando sugestiva a discussão desenvolvida por Gergen, discordo em dois pontos de sua interpretação: em primeiro lugar, de meu ponto de vista, em todos os momentos socio-históricos e não apenas no momento contemporâneo, "it is the individual as socially constructed that finally informs people's patterns of action" (Gergen, 1991GERGEN, Kenneth J. (1991) The saturated self: dilemmas of identity in contemporary life. New York, Basic Books., p. 146); em segundo lugar, ainda não estou convencida de que vivemos num mundo "pós-moderno"; entendo que a modernidade permanece vigente e que os aspectos paradoxais apresentados pela contemporaneidade são resultantes da explicitação de algumas de suas virtualidades, não muito ressaltadas quando de sua emergência.
  • 8
    Este traço deve ser destacado, à medida que significa uma reorientação na forma como o passado é considerado. O pensamento iluminista apresentava como um sinal de progresso o rompimento de quaisquer vínculos com o passado, o que vai ser extremamente criticado pelo pensamento conservador, que encara o passado como fonte de vida e de sabedoria. A exigência da utilização do passado como referencial para novas experiências, expressa por autores que, certamente, não podem ser identificados com o pensamento conservador, é algo que merece análise mais atenta.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • CASTORIADIS, Cornelius. (1982) A instituição imaginária da sociedade Rio de Janeiro, Paz e Terra.
  • ______ . (1990) La crise du processus identificatoire. Connexions 55, Malaise dans l'identification Toulouse, Ed. Erès, 1990-1.
  • CHESNAUX, Jean. (1983) De la modernité. Paris, La Découverte/Maspero.
  • ELIAS, Norbert. (1989a) Sobre el tiempo México, Fondo de Cultura Económica.
  • ______ . (1989b) La soledad de los moribundos México, Fondo de Cultura Económica.
  • FOUCAULT, Michel. (1977) Vigiar e Punir: nascimento da prisão Petrópolis, Vozes.
  • GERGEN, Kenneth J. (1991) The saturated self: dilemmas of identity in contemporary life New York, Basic Books.
  • GIDDENS, Anthony. (1991) Modernity and self-identity: self and society in the late modern age Stanford, Stanford University Press.
  • HELLER, Agnes. (1982) O homem do Renascimento Lisboa, Editorial Presença.
  • ______ . (1987) Sociología de la vida cotidiana Barcelona, Península.
  • HORKHEIMER, Max. (1976) Eclipse da razão Rio de Janeiro, Editorial Labor do Brasil.
  • LIPOVETSKY, Gilles. (1988) La era del vacío Barcelona, Anagrama.
  • MARTINS, José de Souza (org.). (1983) A morte e os mortos na sociedade brasileira São Paulo, Hucitec.
  • RIESMAN, Davidet alii (1964) La muchedumbre solitaria Buenos Aires, Paidos.
  • SANCHES, Valéria. (1994) As representações sociais da morte na sociedade brasileira São Paulo, projeto de mestrado. Departamento de Sociologia, FFLCH-USP.
  • SIMMEL, Georg. (1986) El individuo y la libertad: ensayos de crítica de la cultura Barcelona, Editores Península.
  • WEBER, Max. (1958) Science as a Vocation. In: GERTH, H. H. & WRIGHT MILLS, C. (orgs.). From Max Weber: essays in sociology New York, Oxford University Press.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jan-Dec 1994

Histórico

  • Recebido
    Abr 1995
Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo Av. Prof. Luciano Gualberto, 315, 05508-010, São Paulo - SP, Brasil - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: temposoc@edu.usp.br