SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 issue7Explosion in mortality in the Amazonian epicenter of the COVID-19 epidemic 19Mental health in children and adolescents and disasters: a global overview of research and interventions author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Cadernos de Saúde Pública

Print version ISSN 0102-311XOn-line version ISSN 1678-4464

Cad. Saúde Pública vol.36 no.7 Rio de Janeiro  2020  Epub July 03, 2020

https://doi.org/10.1590/0102-311x00046120 

RESENHA

Trabalho e sofrimento psíquico: histórias que contam essa História

Work and psychological distress: stories that make History

Trabajo y sufrimiento psíquico: historias que cuentan esa Historia

1 Universidade Federal do Vale do São Francisco, Petrolina, Brasil.

TRABALHO E SOFRIMENTO PSÍQUICO: HISTÓRIAS QUE CONTAM ESSA HISTÓRIA. Cappellano, T; Carramenha, B. São Paulo: Haikai Editora, 2019. 173p. ISBN: 978-65-80188-49-9.


O trabalho como instituição social é uma categoria que desperta o interesse de diversas áreas que se ocupam em examiná-lo e entendê-lo como parte fundamental do engendramento das relações político-sociais, como a História, a Sociologia e a Antropologia do Trabalho, até o seu papel na formação humana com as concepções filosóficas, abordagens psicológicas e médicas ou mesmo as investigações psicanalíticas a respeito da relação sujeito-trabalho. Além disso, não deixa de ser um tema central das políticas institucionais e públicas, como também dispositivo que baseia as relações de poder entre os indivíduos.

Neste aspecto, o livro Trabalho e Sofrimento Psíquico: Histórias que Contam essa História, lançado pela Haikai Editora, trata-se de uma pesquisa que passa a fazer parte das controvérsias a respeito do que este significa e sua relação com os sujeitos individual e coletivo, a fim de “compreender o sofrimento psíquico oriundo do trabalho (ou da sua ausência)” (p. 15). O campo de reflexão sobre a relação entre trabalho e subjetividade não é novo, pontuado desde o início do século XX com as demandas do taylorismo, passando pelas contribuições das áreas que alimentaram os estudos da Psicopatologia, sobretudo a psicanálise que, por sinal, influencia uma área mais específica criada na década de 1980, a saber, a Psicodinâmica do Trabalho, com Christophe Dejours - pilar teórico das análises desse estudo.

No entanto, o que faz com que a obra seja de suma importância nesse debate é que ela pode ser lida dialeticamente sob três perspectivas: a primeira, como uma análise sociológica da relação entre o sistema capitalista e sujeitos inseridos nesse modo de produção, mediados pelo trabalho; a segunda, como uma contribuição às ciências psicológicas no que refere ao adoecimento psíquico atual causado não só pelas demandas de trabalho, mas inclusive pela falta dele - essa segunda parte é central dada moral social partilhada em torno do trabalho; e a terceira, em síntese, como uma lente psicossociológica que enxerga o trabalho como um nexo causal posto entre o sistema neoliberal e o adoecimento mental contemporâneo e as estratégias defensivas adotadas pelos sujeitos que procuram se proteger do sofrimento.

O livro inicia-se com o prefácio do sociólogo Ruy Braga que começa suas considerações com uma análise histórica e de conjuntura sobre a falência do sistema neoliberal, sobretudo na América Latina, e mostra como os conflitos entre acumulação do capital e legitimação política, assim como o acúmulo de contradições da última década, seria uma chave de leitura para entender a ascensão da extrema direita no Brasil. O sociólogo relaciona essas radicalizações com as transformações nas facetas do trabalho no interior das novas estruturas políticas e introduz a importância da leitura de obras como a pesquisa Trabalho e Sofrimento Psíquico, que desvela uma emergência maior de uma ruptura “a fim de fazer frente à ameaça representada pelo casamento monstruoso do ultraneoliberalismo econômico com o neofascismo político” (p. 33).

A pesquisa se construiu a partir da consonância entre as técnicas qualitativa, quantitativa e entrevistas com pessoas de diferentes camadas sociais (divididas no desenho metodológico em cinco grupos: feridos, sobreviventes, heróis, guerreiros e vencedores), cujos resultados se distribuíram em 5 capítulos: O Trabalho é Sempre Violência; O Mercado Não Sabe o que Quer; O Sofrimento Vem de Cima; Renda Importa, Acesso à Saúde Escraviza e o Ócio Liberta; e O (Não) Futuro do (Não) Trabalho”. Dois deles podem ser lidos como uma imagem geral dos demais achados. Em O Trabalho é Sempre Violência, a pesquisa mostra como violações, que vão das pequenas incivilidades à danos físicos e psicológicos, fazem parte do eixo trabalhista como motor de determinadas relações. São peças que fazem parte da história dos sujeitos desde a infância (conflitos basais na família), são as angústias causadas pela pressão de um trabalho constante, a autoviolência como presunção de “sucesso”, a degradação de relações afetivas pelo trabalho etc. Poderíamos pontuar que o que se apresenta neste capítulo é a forma como se constitui um amálgama entre a psicopatologia da violência e a psicopatologia da precarização.

Já no capítulo O Sofrimento Vem de Cima enfrenta-se a dúvida sobre quem carrega a culpa dessas desolações. Dois pontos merecem destaque: o primeiro deles é que uma hierarquia existe (e nela se encontra a violência no exercício do poder), assim como “a responsabilização do sistema é um consenso entre todos, independentemente do tipo de relação de trabalho” (p. 99). O “capitalismo aparece como o indutor do modelo de gestão das empresas, cada dia mais desumano devido à competitividade que promove entre quem está dentro e fora do mercado formal” (p. 99), o que não deixa de ser confirmado principalmente pelas mais novas modificações nas estruturas desse sistema e o aumento subsequente da desigualdade, da flexibilização e da precarização 1. O segundo ponto, que se encontra no eixo de análise desse capítulo (“O gênero e a cor da precarização”), é que a mulher negra é a principal afetada nesse arcabouço, o que corrobora os resultados tanto da coleta quantitativa da própria pesquisa, como as várias outras pesquisas, relatórios e dossiês que constatam a mesma questão 2,3,4.

Os demais achados apresentam as incoerências do mercado no que se refere às altas exigências e a baixa remuneração, falta de oportunidade, fraudes na seleção, desrespeito e preconceito; além disso, discorre-se sobre o acesso a renda como precursor da precariedade do trabalho pelo terror que seria enfrentar o SUS e os desejos despertados pela ideologia do empreendedorismo fadados ao fracasso; e, por fim, apresenta-se como as questões sociais embutidas no trabalho não são pensadas, nem enfrentadas e o seu (não) futuro não faz parte da reflexão da maioria. Portanto, ao interpretarmos a obra como uma lente psicossociológica, podemos ainda acrescentar que ela transcende uma leitura da realidade do sistema neoliberal e sua relação com a psicologia dos sujeitos concretos que afirmaram sofrer pelo trabalho (78% dos entrevistados, sendo um dado que chega a 85% no caso das mulheres negras). Ela carrega um teor crítico-social que desvela os impasses contemporâneos do mundo do trabalho e seus desdobramentos, dos direitos básicos, das relações de gênero, raça e classe, do político, da economia e embasa a necessidade de rupturas reais contra um passado, um presente e um horizonte de mais obscuridades e mais violência. Não à toa, os resultados podem ser perfeitamente relacionados à outras pesquisas das ciências que se dedicam às questões ocupacionais que mostram como a precarização social e do trabalho no capitalismo é um novo e um velho fenômeno diretamente relacionado aos adoecimentos psíquicos 5,6.

Por fim, Trabalho e Sofrimento Psíquico carrega - de forma quase poética, inclusive, no subtítulo - a crença de que: as histórias dizem, mesmo sem dizer, algo sobre a nossa História. São as histórias reais, ouvidas e registradas, que de fato revelaram como vivenciamos a nossa História, que por sua vez é a biografia de milhares de pessoas silenciadas pela violência, marcadas pela exploração, regimes de acumulação, segregação e preconceitos. “Essa História” de contradições e crises é a que faz com que o mesmo significante, a saber, “trabalho”, carregue a ambiguidade de afetar à todos, mas com significados e sentidos diferentes a depender se você é uma mulher negra periférica ou ocupa um cargo de alto escalão - mostrando que a realidade da estratificação, inclusive na atividade laboral, é determinante de graus, inclusive, de vidas mais ou menos vivíveis, e que o silenciamento e a negação do sofrimento nas ocupações é, como bem pensou Dejours, a banalização das injustiças sociais.

Referências

1. Oliveira ENP, Moita DS, Aquino CAB. O empreendedor na era do trabalho precário: relações entre empreendedorismo e precarização laboral. Rev Psicol Polít 2016; 16:207-26. [ Links ]

2. Silva DL, Silva IT, Fernandes J, Nunes J, Balduino P, Faria S, et al. Festival da mulher afro-latino-americana e caribenha: mulheres negras no mercado de trabalho. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2012. [ Links ]

3. Vieira B. Mulheres negras no Brasil: trabalho, família e lugares sociais [Dissertação de Mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2018. [ Links ]

4. Marcondes MM, Pinheiro L, Queiroz C, Querino AC, Valverde D. Dossiê mulheres negras: retrato das condições de vida das mulheres negras no Brasil. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2013. [ Links ]

5. Druck G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH 2011; 24:37-57. [ Links ]

6. Franco T, Druck G, Seligmann-Silva E. As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Rev Bras Saúde Ocup 2010; 35:229-48. [ Links ]

Recebido: 11 de Março de 2020; Aceito: 31 de Março de 2020

emilllysaas@hotmail.com

Informação adicional

ORCID: Emilly Saas Alves (0000-0002-7962-112X).

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto sob uma licença Creative Commons