SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue3Population ecology of Paepalanthus polyanthus: predispersal hazards and seed productionPhenology of Psychotria nuda and P. brasiliensis (Rubiaceae) in an area of the Atlantic Forest, Southeast of Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306On-line version ISSN 1677-941X

Acta Bot. Bras. vol.14 no.3 São Paulo Sept./Dec. 2000

https://doi.org/10.1590/S0102-33062000000300009 

NOTAS ETNOBOTÂNICAS DE ESPÉCIES DE SAPINDACEAE JUSSIEU

 

Germano Guarim Neto1
Santina Rodrigues Santana2
Josefa Valdete Bezerra da Silva3

 

Recebido em 12/01/1999. Aceito em 25/05/2000

 

 

RESUMO ¾ (Notas etnobotânicas de espécies de Sapindaceae Jussieu). Os autores apresentam o repertório etnobotânico referente a 52 espécies da família Sapindaceae Jussieu, compilando dados da sua utilização, procurando evidenciar a importância econômica para as populações humanas e os usos que fazem das diferentes espécies.

Palavras-chave ¾ Sapindaceae, etnobotânica, utilização econômica

 

ABSTRACT ¾ (Ethnobotanical notes of species of the Sapindaceae Jussieu family). The authors present ethnobotanical notes on 52 species of the Sapindaceae Jussieu family with data of uses and economic importance for human populations, and the uses they make of different plant parts.

Key words ¾ Sapindaceae, ethnobotany, economic utilization

 

 

Introdução

Nas últimas décadas, estudos em etnobiologia têm sido intensificados, procurando conhecer e divulgar as estratégias usadas pelos seres humanos e suas relações com os recursos biológicos, assim como para fortalecer conceitos e metodologias de trabalhos na área (Ford 1978; Posey & Overal 1990; Berlin 1992; Balick & Cox 1996).

Dessa forma, é através da etnobotânica que se busca o conhecimento e o resgate do saber botânico tradicional, particularmente relacionado ao uso dos recursos da flora, conforme já salientado e demonstrado em diferentes aspectos por autores como Siqueira (1981); Xolocotzy (1983); Gomez-Pompa (1986), Toledo (1986), Arenas (1986), Joyal (1987), Levi-Strauss (1987), Jain (1989), Martin (1995), Guarim Neto (1985a; 1996), Alexiades (1996), Amorozo (1996) e Begossi (1998).

O uso dos recursos vegetais está fortemente presente na cultura popular que é transmitida de pais para filhos no decorrer da existência humana. Este conhecimento é encontrado junto a populações tradicionais (Diegues 1996) e/ou contemporâneas, e pelo que se tem observado, tende à redução ou mesmo ao desaparecimento, quando sofre a ação inexorável da modernidade.

Segundo Jacomassi & Piedade (1994), admirável é a perpetuação do conjunto de conhecimentos acumulados que englobam a domesticação e a cultura das plantas, salientando que no Brasil os povos indígenas, antes mesmo do descobrimento, utilizavam espécies medicinais na cura de doenças.

Nesse contexto, vale salientar que o potencial econômico da flora é altamente significativo e, particularizando, na família Sapindaceae, este potencial é muito extenso, principalmente analisando as espécies componentes sob as mais diferentes formas de utilização (Guarim Neto 1978; 1985a; 1985b).

Apesar dos estudos já realizados com a família Sapindaceae (Guarim Neto 1978; 1985a; 1985b), a sua importância etnobotânica ainda não foi devidamente salientada, especialmente por ser família de ampla distribuição e ter espécies com usos diferenciados.

Portanto, este estudo objetiva recuperar e registrar o conhecimento etnobotânico sobre as espécies de Sapindaceae, principalmente através do referencial bibliográfico e regional mato-grossense, compilando dados sobre a diversificação de uso dessas espécies entre as populações humanas.

 

Material e métodos

Para a coleta dos dados etnobotânicos foi feita revisão bibliográfica para se detectar o uso diferenciado das espécies da família Sapindaceae, em nível geral, à semelhança da metodologia empregada por Motley (1994) em seus estudos na família Araceae e com base nos pressupostos de Martin (1995) e Alexiades (1996). Com referência à obtenção de dados para Mato Grosso, foram ainda realizadas excursões em áreas de cerrado, pantanal e floresta para o registro dos dados etnobotânicos (em alguns casos através do contato com moradores dessas áreas) e as coletas inerentes. Foram feitas anotações de dados referentes aos nomes vulgares, ocorrência, utilização regional, aspectos ecológicos das espécies catalogadas e distribuição geográfica.

 

Resultados e discussão

Foram catalogadas 52 espécies distribuídas em 17 gêneros, com formas de usos diferenciadas. Dentre os gêneros, os mais representativos, enquanto potencial de uso, foram Talisia Aublet, Cupania L. e Paullinia L. (Tab. 1).

Os dados obtidos com as 52 espécies catalogadas mostram diversificada utilização, incluindo as plantas com potencial ornamental, além da madeira, raízes, cascas do caule e dos ramos, folhas, frutos, sementes e a seiva. Entre as formas de uso, deve-se mencionar as propriedades medicinais e ictiotóxicas, uma vez que se destacam nas informações obtidas.

Percebe-se que a ocorrência e a distribuição das espécies são amplas, atingindo áreas distintas no mundo, nas mais diferenciadas regiões biogeográficas.

Por outro lado, a multiplicidade de usos de algumas das espécies catalogadas demonstra o etnoconhecimento de populações humanas distribuídas mundialmente e fornecem indícios da transmissão desse conhecimento através das gerações. O resgate desse conhecimento propicia elementos fundamentais para a conservação da biodiversidade, para as alternativas de subsistência e mesmo para a manutenção da diversidade cultural.

 

Agradecimentos

Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, pelas Bolsas de Iniciação Científica e Mestrado concedidas à segunda autora, e à CAPES, pela Bolsa de Doutorado concedida à terceira autora.

 

Referências bibliográficas

Alexiades, M. 1996. Selected guidelines for ethnobotanical research: a field manual. New York Botanical Garden, New York.         [ Links ]

Amorozo, M. C. M. 1996. Abordagem etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. Pp. 47-68. In: L. C. Di Stasi (Org.). Plantas medicinais: arte e ciência - um guia de estudo interdisciplinar. Ed. UNESP, São Paulo.         [ Links ]

Arenas, P. 1986. La etnobotânica en Gran Chaco. Anais do IV Congresso Latino Americano de Botânica. ICFES, Colômbia.         [ Links ]

Balick, M. J. & Cox, P. A. 1996. Plants, people and culture. Scientific American Library, New York.         [ Links ]

Begossi, A. 1998. Etnobotânica em comunidades caiçaras. Pp. 108-120. In: V. S. Fonseca; M. I. Silva & C. F. C. Sá (Orgs.). Etnobotânica: bases para a conservação. EDUR, Rio de Janeiro.         [ Links ]

Berlin, B. 1992. Ethnobiological classification: principles of categorization of plants and animals in traditional societies. Princeton University Press, New Jersey.         [ Links ]

Corrêa, M. P. 1926. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Imprensa Nacional. Vol. 1, Rio de Janeiro.         [ Links ]

Corrêa, M. P. 1978. Dicionário das plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Imprensa Nacional. Vol. 6, Rio de Janeiro.         [ Links ]

Diegues, A. C. S. 1996. O mito moderno da natureza intocada. HUCITEC, São Paulo.         [ Links ]

Donadio, L. C. 1984. A produção de lichia. Brasil Florestal 57: 65-67.         [ Links ]

Ford, R. I. 1978. An ethnobiology source book - the use of plants and animals by American indians. Garland Publishing Inc, New York.         [ Links ]

Gomez-Pompa, A. 1986. Introduccion. Anais do IV Congresso Latinoamericano de Botânica. ICFES, Colômbia.         [ Links ]

Guarim Neto, G. 1978. Revisão taxonômica das espécies brasileiras do gênero Talisia Aublet (Sapindaceae). Dissertação de Mestrado. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônas/Fundação Universidade do Amazonas, Manaus.         [ Links ]

Guarim Neto, G. 1985a. Espécies frutíferas do cerrado mato-grossense (I). B. Fundação Brasileira para a Conservação da Natureza 20: 46-56.         [ Links ]

Guarim Neto, G. 1985b. Estudos taxonômicos em Cupania L. (Sapindaceae): as espécies brasileiras. Tese de Doutorado. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônas/Fundação Universidade do Amazonas, Manaus.         [ Links ]

Guarim Neto, G. 1996. Plantas medicinais do Estado de Mato Grosso. Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior, Brasília.         [ Links ]

Jacomassi, E. & Piedade, L. H. 1994. A importância das plantas com finalidades terapêuticas e suas aplicações na cidade de Goioerê - PR. Revista UNIMAR 16(2): 335-353.         [ Links ]

Jain, S. K. 1989. Methods and approaches in ethnobotany. Society of Ethnobiology, Lucknow, Índia.         [ Links ]

Joyal, E. 1987. Ethnobotanical fields notes from Ecuador: Camp, Prieto, Jorgensen and Giler. Economic Garden 41(2): 163-198.         [ Links ]

Levi-Strauss, C. 1987. O uso das plantas silvestres da América do Sul tropical. Suma Etnológica Brasileira 1: 91-94.         [ Links ]

Lorenzi, H. 1992. Árvores brasileiras. Ed. Plantarum, Nova Odessa.         [ Links ]

Martin, G. J. 1995. Ethnobotany: a methods manual. Chapman & Hall, London.         [ Links ]

Monteiro, M. Y.1965. Antropogeografia do guaraná. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônas, Manaus.         [ Links ]

Motley, T. J. 1994. The ethnobotany of sweet flag, Acorus calamus (Araceae). Economic Botany 48(4): 397-412.         [ Links ]

Posey, D. A. & Overal, W. L. (Orgs.). 1990. Ethnobiology: implications and aplications. Proceedings of the First International Congress of Ethnobiology. Belém. SCT/CNPq/Museu Paraense Emílio Goeldi. vol. 1 e vol. 2.         [ Links ]

Pott, A. & Pott, V. J. 1994. Plantas do pantanal. MAARA/ EMBRAPA/SPI/CPAP, Brasília.         [ Links ]

Prance, G. T. & Silva, M. F. 1975. Árvores de Manaus. CNPq/Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônas, Manaus. Manaus.         [ Links ]

Siqueira, J. C. 1981. Utilização popular das plantas do cerrado. Ed. Loyola, São Paulo.         [ Links ]

Toledo, V. M. 1986. La etnobotânica en Latinoamérica: vicissitudes e desafios. Pp. 35-52. Anais do IV Congresso Latinoamericano de Botânica. ICFES, Colômbia.         [ Links ]

Xolocotzy, E. H. 1983. El concepto de Etnobotanica. Pp. 13-18. In: A. Barrera (Ed.). La etnobotanica: tres puntos de vista y una perspectiva. Xalapa. Inst. Nac. de Investigaciones sobre Recursos Bióticos.         [ Links ]

 

1 Departamento de Botânica e Ecologia, IB, Universidade Federal de Mato Grosso, CEP 78060-900, Cuiabá, MT, Brasil

2 Bióloga. Mestranda em Saúde e Ambiente, área de Etnobotânica, Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal de Mato Grosso, CEP 78060-900, Cuiabá, MT, Brasil. Bolsista CNPq

3 Professora da Universidade Federal da Paraíba. Doutoranda em Saúde e Ambiente, área de Etnobotânica, Instituto de Saúde Coletiva, Universidade Federal de Mato Grosso, CEP 78060-900, Cuiabá, MT. Bolsista CAPES

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License