Influência de fatores biológicos e de manejo sobre o leitão na fase de maternidade

Cristina Satie Hideshima Geraldo Camilo Alberton Sergio Rodrigo Fernandes Daiane Güllich Donin Ray Nascimento Gonsalves Ana Paula Backes Félix Daniel Martins Mentges Alex Junior dos Santos Silva Altair Silveira de Farias JúniorSobre os autores

Abstract

The goal of this study was to assess the effects of uniformization management, birth order (BO), birth weight (BiW) and their interactions on the performance of piglets in the maternity phase. Sows (n = 25) and their litters (n = 388 piglets) were distributed into two treatments, namely: UNIF - uniformization of piglets between different litters right after birth; and BIOM - piglets kept up to 12 hours after birth with their biological mothers. In both treatments, the effect of BO was assessed in three groups characterised by BO of 1-6, 7-12, and ≥13. The effect of BiW was assessed in four groups defined as ‘very light’, ‘light’, ‘medium’, and ‘heavy’. The design was completely randomised in a 2×3×4 factorial scheme, totalling 24 treatments with 16 piglets/treatment, on average. Weight gain from birth to 72 hours after birth (WG72h) was greater in the BIOM treatment. The colostrum intake (CI) was lower in piglets with BO ≥13. In general, piglet performance increased in response to the increase in BiW. There was interaction between uniformization management and BiW with respect to CI related to body weight (CIBW), which was greater in very light piglets in the UNIF treatment (27.48% BW), and lower in heavy piglets in the BIOM treatment (16.82% BW). It was possible to obtain satisfactory piglet performance by keeping the litters with their biological mothers until 12 hours after birth. The CI expressed on an absolute basis (g) was greater; however, CI expressed on relative basis with respect to body weight (% BW) was lower in heavy piglets.

Keywords:
birth weight; colostrum; hyperprolificity; pig farming; uniformization management; weaning

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos de manejo de uniformização, ordem de nascimento (ON), peso ao nascimento (PN) e suas interações no desempenho de leitões na fase de maternidade. Porcas (n = 25) e suas leitegadas (n = 388 leitões) foram distribuídas em dois tratamentos: UNIF - uniformização de leitões entre leitegadas distintas logo após o nascimento; MBIO - leitões mantidos até 12 horas pós-parto com a mãe biológica. Nos dois tratamentos o efeito da ON foi avaliado em três grupos caracterizados pela ON de 1-6, 7-12 e ≥ 13; o efeito de PN foi avaliado em quatro grupos definidos como Muito leve, Leve, Médio e Pesado. O delineamento foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 × 3 × 4, totalizando 24 tratamentos com 16 leitões/tratamento, em média. O ganho de peso do nascimento até 72 horas de vida (GP72h) foi maior em MBIO. A quantidade de colostro ingerida (QCI) foi menor em leitões de ON ≥ 13. Em geral, o desempenho dos leitões aumentou em resposta ao aumento do PN. Houve interação entre manejo de uniformização e PN para QCI em relação ao peso corporal (QCIPC), que foi maior em leitões Muito leves em UNIF (27,48% PC) e menor em leitões Pesados em MBIO (16,82% PC). É possível obter bom desempenho de leitões mantendo a leitegada com a mãe biológica até 12 horas pós-parto. A quantidade de colostro ingerida em base absoluta (g) é maior, mas relativa ao peso corporal (% PC) é menor em leitões pesados.

Palavras-chave:
colostro; desmame; hiperprolificidade; manejo de uniformização; peso ao nascimento; suinocultura

Introdução

O intenso melhoramento genético e o aprimoramento das linhagens hiperprolíficas ocasionaram aumento no número de leitões nascidos por fêmea. Entretanto, algumas características como capacidade uterina, eficiência placentária e número de tetos não foram melhoradas na mesma intensidade. Assim, o desenvolvimento fetal é prejudicado, o que acarreta a diminuição do peso ao nascimento e o aumento na variabilidade de peso nos leitões nascidos, afetando o desempenho dos animais na fase da maternidade(11 Beaulieu AD, Aalhus JL, Williams NH, Patience JF. Impact of piglet birth weight, birth order, and litter size on subsequent growth performance, carcass quality, muscle composition, and eating quality of pork. Journal of Animal Science [Internet]. 2010 Aug [cited 2020 Dec 05]; 88(8): 2767-2778. Available from: https://doi.org/10.2527/jas.2009-2222
https://doi.org/10.2527/jas.2009-2222...

2 Rutherford KMD, Baxter EM, D’eath RB, Turner SP, Arnott G, Roehe R, et al. The welfare implications of large litter size in the domestic pig I: biological factors. Animal Welfare [Internet]. 2013 May [cited 2020 Dec 05]; 22(2): 199-218. Available from: https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.199
https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.19...
-33 Baxter EM, Rutherford KMD, D’eath RB, Arnott G, Turner SP, Sandoe P, et al. The welfare implications of large litter size in the domestic pig II: management factors. Animal Welfare [Internet]. 2013 May [cited 2020 Dec 05]; 22(2): 219-238. Available from: https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.219
https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.21...
).

A mortalidade neonatal é uma das principais causas de perdas no período lactacional e o momento mais crítico são as primeiras 24 horas de vida do leitão(44 Quesnel H, Farmer C, Devillers N. Colostrum intake: influence on piglet performance and factors of variation. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 05]; 146(2-3): 105-114. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03.010
https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03...
), sendo que leitões com baixo peso ao nascimento possuem menores chances de sobrevivência e menor desempenho até o abate(55 Quiniou N, Dagorn J, Gaudré D. Variation of piglets’ birth weight and consequences on subsequent performance. Livestock Production Science [Internet]. 2002 Nov 28 [cited 2020 Dec 05]; 78(1): 63-70. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00181-1
https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00...
,66 Fix JS, Cassady JP, Herring WO, Holl JW, Cullbertson MS, See MT. Effect of piglet birth weight on body weight growth, backfat, and longissimus muscle area of commercial market swine. Livestock Science [Internet]. 2010 Jan [cited 2020 Dec 05]; 127(1): 51-59. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1871141309002996
https://www.sciencedirect.com/science/ar...
). De acordo com Kilbride et al.(77 Kilbride AL, Mendl M, Statham P, Held S, Harris M, Cooper S, et al. A cohort study of preweaning piglet mortality and farrowing accommodation on 112 commercial pig farms in England. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 2012 May [cited 2020 Dec 06]; 104(3-4): 281-291. Available from: https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2011.11.011
https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2011...
), 84% da mortalidade pré-desmame ocorre na primeira semana de vida dos leitões, sendo que 28% dessas mortes ocorrem nas primeiras 24 horas de vida. Baixa viabilidade ao nascer, inanição, esmagamento de leitões doentes e diarreia estão entre as principais causas de morte na maternidade, representando 13,8%, 6,8%, 4,7% e 3,5% da mortalidade, respectivamente(66 Fix JS, Cassady JP, Herring WO, Holl JW, Cullbertson MS, See MT. Effect of piglet birth weight on body weight growth, backfat, and longissimus muscle area of commercial market swine. Livestock Science [Internet]. 2010 Jan [cited 2020 Dec 05]; 127(1): 51-59. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1871141309002996
https://www.sciencedirect.com/science/ar...
,77 Kilbride AL, Mendl M, Statham P, Held S, Harris M, Cooper S, et al. A cohort study of preweaning piglet mortality and farrowing accommodation on 112 commercial pig farms in England. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 2012 May [cited 2020 Dec 06]; 104(3-4): 281-291. Available from: https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2011.11.011
https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2011...
). A não ingestão ou o consumo de quantidade insuficiente de colostro leva à inanição, predispondo os leitões à hipotermia, ao esmagamento e à ocorrência de diarreia. Assim, a adequada ingestão de colostro reduz as mortes na maternidade e diminui as perdas no sistema produtivo.

O colostro fornece imunidade passiva, que é necessária para a proteção do leitão(88 Rooke JA, Bland IM. The acquisition of passive immunity in the new-born piglet. Livestock Production Science [Internet]. 2002 Nov 28 [cited 2020 Dec 06]; 78(1): 13-23. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00182-3
https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00...
), e fatores de crescimento que estimulam o desenvolvimento e a maturação intestinal(99 Xu RJ, Wang F, Zhang SH. Postnatal adaptation of the gastrointestinal tract in neonatal pigs: a possible role of milk-borne growth factors. Livestock Production Science [Internet]. 2000 Oct [cited 2020 Dec 07]; 66(2): 95-107. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(00)00217-7
https://doi.org/10.1016/S0301-6226(00)00...
). Dentre as imunoglobulinas presentes no colostro, a imunoglobulina G (IgG) encontra-se em maior quantidade, representando cerca de 75% do total de imunoglobulinas(1010 Klobasa F, Werhahn E, Butler JE. Composition of sow milk during lactation. Journal of Animal Science [Internet]. 1987 May [cited 2020 Dec 07]; 64(5): 1458-1466. Available from: https://doi.org/10.2527/jas1987.6451458x
https://doi.org/10.2527/jas1987.6451458x...
). Porém, a quantidade de IgG no colostro diminui rapidamente nas primeiras 24 horas após o parto, o que indica que o leitão deve mamar o colostro logo após o nascimento para que não fique muito tempo exposto à microbiota ambiental sem a devida proteção. De acordo com Devillers et al.(1111 Devillers N, Le Dividich J, Prunier A. Influence of colostrum intake on piglet survival and immunity. Animal [Internet]. 2011 [cited 2020 Dec 07]; 5(10): 1605-1612. Available from: https://doi.org/10.1017/S175173111100067X
https://doi.org/10.1017/S175173111100067...
), a ingestão de 200 g de colostro até 24 horas após o nascimento é a quantidade mínima para fornecer imunidade passiva, reduzir o risco de morte antes do desmame e permitir um bom crescimento dos leitões. Já Quesnel et al.(44 Quesnel H, Farmer C, Devillers N. Colostrum intake: influence on piglet performance and factors of variation. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 05]; 146(2-3): 105-114. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03.010
https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03...
) afirmaram que a ingestão de aproximadamente 180g colostro/kg de peso corporal (PC) é necessária para prover energia e imunoglobulinas suficientes para garantir a sobrevivência dos leitões, demonstrando que há controvérsias com relação à quantidade de colostro a ser ingerida para garantir a sobrevivência e promover o desempenho dos leitões.

A ingestão de colostro contribui no processo de termorregulação corporal por intermédio do fornecimento de energia. Por isso, quanto mais rápido o leitão mamar após o nascimento, melhor será sua capacidade de manter a homeotermia. Entretanto, leitões com baixo peso ao nascimento apresentam menores reservas energéticas, demoram mais para realizar a primeira mamada, o que leva ao aumento da sensibilidade ao frio(1212 Le Dividich J. A review-neonatal and weaner pig: management to reduce variation. In: Cranwell PD, editor. Manipulating Pig Production VII: proceedings of the Seventh Biennial Conference of the Australasian Pig Science Association-Apsa [Internet]. Adelaide (AU): Australian Pig Science Association; 1999 [cited 2020 Dec 07]. v. 7, p. 135-155. Available from: https://hal.inrae.fr/hal-02771776
https://hal.inrae.fr/hal-02771776...
). Os leitões menores, em leitegadas com pesos distintos, sofrem maior prejuízo quando a leitegada em que estão inseridos é numerosa, devido ao maior número de competidores, e em fêmeas mais velhas, por causa do menor número de tetos funcionais(1313 Cutler RS, Fahy VA, Spicer EM, Cronin GM. Pre-weaning mortality. In: Straw BE, D’allaire S, Mengeling WL, Taylor DJ. Diseases of swine. 8nd ed. Ames (IA): Iowa State University Press; 1999. 985-1002.). Diferentes estratégias de manejo visam a melhorar o desempenho e reduzir a variação de PC entre leitões dentro da leitegada que é ocasionada, principalmente, por leitões mais leves(1414 Huting AMS, Almond K, Wellock I, Kyriazakis I. What is good for small piglets might not be good for big piglets: The consequences of cross-fostering and creep feed provision on performance to slaughter. Journal of Animal Science [Internet] 2017 Nov; [cited 2021 Feb 14]; 95(11):4926-4944. Available from: https://doi.org/10.2527/jas2017.1889
https://doi.org/10.2527/jas2017.1889...
). Com o objetivo de reduzir a mortalidade, principalmente dos leitões leves, realiza-se a uniformização de leitegadas(1515 Bierhals T, Magnabosco D, Ribeiro RR, Perin J, da Cruz RA, Bernardi ML, et al. Influence of pig weight classification at cross-fostering on the performance on the primiparous sow and the adopted litter. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 08]; 146(2-3): 115-122. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.02.026
https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.02...
). Esse manejo é um procedimento padrão na criação de leitões que envolve a realocação de leitões das suas mães biológicas para outra ninhada(1616 Pajžlar, L, Skok, J. Cross-fostering into smaller or older litter makes piglets integration difficult: Suckling stability-based rationale. Applied Animal Behavior Science [Internet] 2019 Aug [cited 2020 Dec 21]; 220, 104856. Available from: https://doi.org/10.1016/j.applanim.2019.104856
https://doi.org/10.1016/j.applanim.2019....
). A sobrevivência dos leitões em ninhadas grandes pode ser aumentada se os leitões excedentes forem uniformizados(1717 Zhang, X.; Wang, M.; He, T.; Long, S.; Guo, Y.; Chen, Z. Effect of different cross-fostering strategies on growth performance, stress status and immunoglobulin of piglets. Animals [Internet] 2021 Feb; 11 (2), 499. Available from: https://doi.org/10.3390/ani11020499
https://doi.org/10.3390/ani11020499...
).

A uniformização minimiza as variações de PC dentro da mesma leitegada(1818 Neal MS, Irvin KM. The effects of crossfostering pigs on survival and growth. Journal of Animal Science [Internet]. 1991 Jan [cited 2020 Dec 08]; 69(1): 41-46. Available from: https://doi.org/10.2527/1991.69141x
https://doi.org/10.2527/1991.69141x...
,1919 Straw BE, Dewey CE, Burgi EJ. Patterns of crossfostering and piglets mortality on commercial U.S. and Canadian swine farms. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 1998 Jan [cited 2020 Dec 08]; 33(1-4): 83-89. Available from: https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00051-2
https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00...
) e, quando realizada até 48 horas após o nascimento, não ocasiona queda no desempenho dos leitões(1919 Straw BE, Dewey CE, Burgi EJ. Patterns of crossfostering and piglets mortality on commercial U.S. and Canadian swine farms. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 1998 Jan [cited 2020 Dec 08]; 33(1-4): 83-89. Available from: https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00051-2
https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00...
,2020 Robert S, Martineau GP. Effects of repeated cross-fostering on preweaning behavior and growth performance of piglets and on maternal behavior of sows. Journal of Animal Science [Internet]. 2001 Jan [cited 2020 Dec 08]; 79(1): 88-93. Available from: https://doi.org/10.2527/2001.79188x
https://doi.org/10.2527/2001.79188x...
). Entretanto, na prática, muitas vezes a uniformização de leitegadas é realizada nas granjas de forma indiscriminada durante toda a lactação, provocando atraso no crescimento desses animais. Recomenda-se que a uniformização seja realizada ao mínimo, pois pode ser estressante para porcas e leitões. Além disso, se for necessária, deve ser realizada o mais cedo possível, ou seja, 12-24h após o nascimento(2121 Calderón Díaz JA, García Manzanilla E, Diana A, Boyle LA. Cross-fostering implications for pig mortality, welfare and performance. Frontiers in Veterinary Science [Internet] 2018 Jun 6 [cited 2021 Feb 14]; 5:123. Available from: https://doi.org/10.3389/fvets.2018.00123
https://doi.org/10.3389/fvets.2018.00123...
).

Vários aspectos interferem diretamente nos resultados da uniformização, como o momento em que esse manejo é realizado, o tamanho e o número de leitões e a ordem de parto da mãe adotiva e biológica. A transferência dos leitões deve ser realizada, preferencialmente, entre 6 e 24 horas após o parto, período em que ainda não foi definido o teto específico de mamada para os leitões absorverem o máximo de imunoglobulinas do colostro de sua mãe biológica; o objetivo é permitir que os leitões transferidos possam aproveitar o colostro da mãe adotiva sem que haja interferência na transferência de imunidade celular passiva(1919 Straw BE, Dewey CE, Burgi EJ. Patterns of crossfostering and piglets mortality on commercial U.S. and Canadian swine farms. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 1998 Jan [cited 2020 Dec 08]; 33(1-4): 83-89. Available from: https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00051-2
https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00...

20 Robert S, Martineau GP. Effects of repeated cross-fostering on preweaning behavior and growth performance of piglets and on maternal behavior of sows. Journal of Animal Science [Internet]. 2001 Jan [cited 2020 Dec 08]; 79(1): 88-93. Available from: https://doi.org/10.2527/2001.79188x
https://doi.org/10.2527/2001.79188x...

21 Calderón Díaz JA, García Manzanilla E, Diana A, Boyle LA. Cross-fostering implications for pig mortality, welfare and performance. Frontiers in Veterinary Science [Internet] 2018 Jun 6 [cited 2021 Feb 14]; 5:123. Available from: https://doi.org/10.3389/fvets.2018.00123
https://doi.org/10.3389/fvets.2018.00123...

22 Mores N, Sobestiansky J, Wentz I, Moreno AM. Manejo do leitão desde o nascimento até o abate. In: Mores N, Sobestiansky J, Wentz I, Moreno AM, editors. Suinocultura intensiva: produção, manejo e saúde do rebanho. [Internet]. Brasília (DF): Embrapa/Serviço de Produção de Informação-SPI; Concórdia (SC): Embrapa/Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves-CNPSA; 1998 [cited 2020 Dec 08]. p. 135-162. Available from: https://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/consulta/busca?b=ad&id=434884&biblioteca=vazio&busca=autoria:%22MORENO,%20A.%22&qFacets=autoria:%22MORENO,%20A.%22&sort=&paginacao=t&paginaAtual=1. Portuguese.
https://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/consu...

23 Bandrick M, Pieters M, Pijoan C, Molitor T. W. Passive transfer of maternal Mycoplasma hyopneumoniae-specific cellular immunity to piglets. Clinical and Vaccine Immunology [Internet]. 2008 Mar [cited 2020 Dec 08]; 15(3): 540-543. Available from: https://doi.10.1128/CVI.00466-07
https://doi.10.1128/CVI.00466-07...
-2424 Williams PP. Immunomodulating effects of intestinal absorbed maternal colostral leukocytes by neonatal pigs. Canadian Journal of Veterinary Research [Internet]. 1993 Jan [cited 2020 Dec 09]; 57(1): 1-8. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1263580
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/article...
), que só é adquirida por meio da ingestão do colostro na mãe biológica(2424 Williams PP. Immunomodulating effects of intestinal absorbed maternal colostral leukocytes by neonatal pigs. Canadian Journal of Veterinary Research [Internet]. 1993 Jan [cited 2020 Dec 09]; 57(1): 1-8. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1263580
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/article...
). O desempenho e a viabilidade dos leitões na fase lactacional é muito dependente de fatores relacionados à fêmea adotiva e biológica, desde a qualidade do colostro e produção de leite até a conformação do aparelho mamário e habilidade materna, o que varia de acordo com a ordem de parto(1616 Pajžlar, L, Skok, J. Cross-fostering into smaller or older litter makes piglets integration difficult: Suckling stability-based rationale. Applied Animal Behavior Science [Internet] 2019 Aug [cited 2020 Dec 21]; 220, 104856. Available from: https://doi.org/10.1016/j.applanim.2019.104856
https://doi.org/10.1016/j.applanim.2019....
,2525 Beyer M, Jentsch W, Kuhla S, Wittenburg H, Kreienbring F, Scholze H, et al. Effects of dietary energy intake during gestation and lactation on milk yield and composition of first, second and fourth parity sows. Archives of Animal Nutrition [Internet]. 2007 Nov [cited 2020 Dec 09]; 61(6): 452-468. Available from: https://doi.org/10.1080/17450390701563433
https://doi.org/10.1080/1745039070156343...
,2626 Devillers N, Van Milgen J, Prunier A, Le Dividich J. Estimation of colostrum intake in the neonatal pig. Animal Science [Internet]. 2004 Apr [cited 2020 Dec 09]; 78(2): 305-313. Available from: https://doi.org/10.1017/S1357729800054096
https://doi.org/10.1017/S135772980005409...
).

Nesse contexto, o presente estudo foi conduzido buscando-se testar quatro hipóteses: (1) leitões submetidos ao manejo de uniformização logo após o parto apresentam desempenho semelhante àqueles que permanecem até 12 horas pós-parto com a mãe biológica; (2) leitões que nascem primeiro apresentam melhor desempenho que àqueles que nascem por último na leitegada; (3) leitões que nascem mais pesados têm melhor desempenho que leitões que nascem mais leves; (4) há interação entre estes fatores sobre o desempenho dos leitões na maternidade. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos de manejo de uniformização, ordem de nascimento, peso ao nascimento e suas interações no desempenho de leitões na fase de maternidade.

Material e métodos

Este estudo foi aprovado pela Comissão de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná (CEUA/UFPR), sob o protocolo n. 41/2017, o qual certificou que esta pesquisa está em conformidade com os Princípios Éticos da Experimentação Animal, adotado pelo Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (CONCEA).

O estudo foi realizado em uma granja comercial de suínos, produtora de leitões, com 1100 matrizes, situada em Palotina, região oeste do Paraná, Brasil. Foram utilizados leitões (n = 388) originados de porcas DanBred (DB90) (n = 25), que foram acompanhados desde o nascimento até a desmama. Foram utilizadas porcas de ordem de parto (OP) 1 a 7, que pariram leitegadas com 16 leitões, em média (variação de 8 a 22 leitões/leitegada). As porcas foram transferidas para a maternidade 3 a 4 dias antes da data prevista do parto (DPP = 114 dias) e foram alojadas em celas previamente lavadas e desinfetadas. As celas possuíam escamoteadores individuais providos de aquecimento com lâmpadas elétricas de 100 watts. Na semana do nascimento, foram colocados tapetes de borracha e uma cobertura de maravalha no piso do escamoteador. Após o parto, as porcas não receberam ração. No dia seguinte, foram alimentadas com dieta de lactação (18,5% de proteína bruta - PB, 1,0% de lisina e 3400 kcal de energia metabolizável - EM, com base na matéria seca - MS). A quantidade de ração fornecida foi aumentada em 1 kg/dia, iniciando com 1 kg/dia no dia seguinte ao parto até chegar à quantidade de 2 kg/fêmea + 0,400 kg para cada leitão na leitegada, que foi fornecida em quatro refeições diárias durante toda a lactação. A água foi fornecida ad libitum para porcas e leitões. Todos os partos foram induzidos, exceto os das primíparas. Para isso, 24 horas antes da DPP utilizou-se 0,7 a 1,0 mL do análogo sintético da PGF2α (cloprostenol sódico - Sincrosin®) via intramuscular. Todos os partos foram assistidos, sendo registrados os horários de início e fim de cada um. Foi considerado como horário final do parto o momento da expulsão das placentas ou após a aplicação de 0,5 a 1,0 mL de ocitocina intravenosa (veia auricular), bem como o manejo do toque e a verificação de que não havia mais leitões. Nos casos em que os leitões nasceram envoltos pela membrana placentária, esta foi removida e, quando necessário, os leitões foram ressuscitados. Ao nascer, os leitões foram secos com papel toalha, colocados em um recipiente com maravalha e, depois, em outro com pó secante. Em seguida, foi realizado o corte e assepsia do cordão umbilical com iodo e a pesagem individual em balança digital (1 g de precisão). Ao finalizar o manejo pós-natal, os leitões retornaram à mãe biológica, sendo permitido aos mesmos mamar enquanto não foi feito o manejo de uniformização.

Foram avaliados os efeitos de três fatores sobre o desempenho dos leitões na maternidade: (1) manejo de uniformização, (2) ordem de nascimento (ON) e (3) peso ao nascimento (PN). O efeito do manejo de uniformização foi avaliado por meio de dois tratamentos: UNIF - uniformização de leitões entre leitegadas distintas após o nascimento; MBIO - leitões mantidos com a mãe biológica até 12 horas após o nascimento. O efeito da ON foi avaliado a partir de três grupos caracterizados pela ON, de 1 a 6, 7 a 12 e igual ou maior que 13. Por fim, o efeito de PN foi avaliado pelo estabelecimento de quatro grupos com faixas de PN distintas, denominados Muito leve, Leve, Médio e Pesado. Estes grupos foram definidos com base no desvio padrão (DP) do PN dos leitões (Tabela 1). Adotou-se o delineamento experimental inteiramente casualizado em esquema fatorial 2 × 3 × 4, totalizando 24 tratamentos. As repetições foram os leitões agrupados dentro de cada tratamento, sendo o número de repetições desuniforme entre os tratamentos. A média de repetições foi de 16 leitões/tratamento, com variação de 7 a 26 leitões/tratamento.

Tabela 1
Critérios estabelecidos para cada fator avaliado e número de leitões por tratamento ou grupo atribuído para cada fator independente

Para avaliar o manejo de uniformização, as porcas foram distribuídas de forma homogênea de acordo com a OP dentro de cada tratamento definido para este fator (Tabela 1). No tratamento UNIF, os leitões receberam brincos coloridos (verde, vermelho e azul) com numeração sequencial e permaneceram com a mãe biológica até o final do parto. Logo após, passaram pelo manejo de uniformização, mantendo-se, em média, 1 leitão/teto viável e pelos outros manejos de rotina da granja (desgaste dos dentes, corte da cauda, aplicação de ferro e marcação da orelha). No tratamento MBIO, os leitões receberam apenas brincos amarelos com numeração sequencial e permaneceram com a mãe biológica durante as 12 primeiras horas pós-parto, não sofrendo nenhum tipo de interferência durante esse período, independentemente do número de nascidos. Após 12 horas pós-parto, os leitões passaram pelos manejos de rotina da granja (os mesmos descritos anteriormente no tratamento UNIF) e aqueles que excediam o número de tetos viáveis foram transferidos para outras matrizes.

Para avaliar o desempenho na fase de maternidade, os leitões foram pesados após 24 (P24h) e 72 horas (P72h) do nascimento e na desmama (PD), que ocorreu aos 21 dias de idade. A partir

da diferença entre esses pesos e o PN, obteve-se o ganho de peso após 24 e 72 horas (GP24h e GP72h) e ao desmame (GPD). Foi registrada a ocorrência de óbitos de leitões para calcular a taxa de mortalidade (TM) na fase de maternidade. A transferência de leitões entre leitegadas também foi devidamente registrada durante o período experimental.

A quantidade de colostro ingerido (QCI, g) foi estimada conforme proposto por Devillers et al.(2626 Devillers N, Van Milgen J, Prunier A, Le Dividich J. Estimation of colostrum intake in the neonatal pig. Animal Science [Internet]. 2004 Apr [cited 2020 Dec 09]; 78(2): 305-313. Available from: https://doi.org/10.1017/S1357729800054096
https://doi.org/10.1017/S135772980005409...
) utilizando-se a seguinte equação:

QCI = 21 , 4 + 0 , 217 × t + 1861019 × P 24 h t + PN 54 , 80 1861019 t × 0 , 9985 3 , 7 × 10 4 × t FS + 6 , 1 × 10 7 × t FS 2

onde: PN = peso ao nascimento (g); P24h = peso após 24 horas do nascimento(g); t = tempo transcorrido do nascimento à pesagem após 24 horas (min); tPS = média do intervalo entre o nascimento e a primeira sucção (min). O tPS foi estimado em 30 min de acordo com Devillers et al.(2626 Devillers N, Van Milgen J, Prunier A, Le Dividich J. Estimation of colostrum intake in the neonatal pig. Animal Science [Internet]. 2004 Apr [cited 2020 Dec 09]; 78(2): 305-313. Available from: https://doi.org/10.1017/S1357729800054096
https://doi.org/10.1017/S135772980005409...
).

A QCI foi expressa, também, em base proporcional ao PN dos leitões (QCIPC), utilizando-se a seguinte fórmula:

QCI PC = QCI / PN × 100

onde: QCI = quantidade de colostro ingerido (g); PN = peso ao nascimento (g).

As análises estatísticas foram realizadas no programa Statistical Analysis System (SAS), versão 9.0(2828 SAS - Statistical Analysis System (2002). SAS user’s guide: statistics, version 9.0. Cary: SAS Institute.). Inicialmente, os dados foram submetidos ao teste de normalidade de Shapiro-Wilk (PROC UNIVARIATE), que indicou que apenas a variável TM não se ajustou à distribuição normal.

As variáveis que apresentaram distribuição normal foram analisadas em modelo misto (PROC MIXED), no qual o manejo de uniformização, o grupo de ON, o grupo de PN e suas interações foram os efeitos fixos; a OP e o tamanho da leitegada (TL) foram incluídos como covariáveis e o resíduo foi aleatório. As covariáveis foram mantidas no modelo quando apresentaram efeito significativo sobre as variáveis dependentes. Quando os efeitos fixos e suas interações foram significativos, as médias foram comparadas pelo teste de Tukey-Kramer (função LSMEANS do PROC MIXED).

A variável TM foi analisada apenas em relação aos efeitos independentes dos fatores estudados por meio de testes não paramétricos (PROC NPAR1WAY). Assim, os tratamentos de manejo de uniformização foram comparados pelo teste de Mann-Whitney, enquanto os grupos de ON e PN foram comparados pelo teste de Kruskal-Wallis.

Valores de probabilidade menores que 0,05 foram considerados significativos em todas as análises realizadas.

Resultados e discussão

Ao testar as covariáveis OP e TL no modelo estatístico, verificou-se que apenas TL teve efeito significativo (P<0,05) sobre as variáveis P24h e P72h (Tabela 2). Dessa forma, essas variáveis foram analisadas utilizando-se o modelo contendo TL como covariável. Para as demais variáveis, utilizou-se o modelo sem covariáveis na análise dos dados.

Tabela 2
Valores de probabilidade para as covariáveis e os efeitos fixos incluídos nos modelos mistos testados e utilizados na análise dos dados.

Houve efeito independente do manejo de uniformização (P<0,05) sobre o GP72h (Tabela 2), que foi maior nos leitões do tratamento MBIO comparados aos do tratamento UNIF (Tabela 3). Não houve efeito do manejo de uniformização (P>0,05) sobre as demais variáveis avaliadas.

Tabela 3
Médias e erro padrão para características de desempenho e taxa de mortalidade de leitões na maternidade em resposta ao manejo de uniformização

No presente estudo objetivou-se avaliar se, em granjas com fêmeas hiperprolíferas, seria possível quebrar o paradigma de que a equalização de leitegadas após o parto é um mal necessário, que não pode ser modificado. Desse modo, foram escolhidas para o estudo porcas com leitegadas com média de 16 leitões, número que excede a capacidade do aparelho mamário. Apesar disso, os resultados semelhantes de desempenho, QCI e TM semelhantes (P>0,05) entre os tratamentos demonstram que não houve efeito negativo da manutenção de toda a leitegada com a mãe biológica durante as 12 primeiras horas pós-parto, tanto na quantidade de colostro ingerido como no ganho de peso nas 72 horas e no período total de maternidade. Ressalta-se que no tratamento MBIO os leitões não foram submetidos a nenhuma prática de manejo nas primeiras 12 horas de vida, o que indica que houve um revezamento natural entre eles para proceder as mamadas e, dessa forma, ingerir a mesma quantidade de colostro que os leitões do tratamento UNIF. O peso semelhante de leitões biológicos e adotados neste estudo está de acordo com os resultados de Neal e Irwin(1818 Neal MS, Irvin KM. The effects of crossfostering pigs on survival and growth. Journal of Animal Science [Internet]. 1991 Jan [cited 2020 Dec 08]; 69(1): 41-46. Available from: https://doi.org/10.2527/1991.69141x
https://doi.org/10.2527/1991.69141x...
) para leitões que foram uniformizados até 48 horas pós-parto. Já Zhang et al.(1717 Zhang, X.; Wang, M.; He, T.; Long, S.; Guo, Y.; Chen, Z. Effect of different cross-fostering strategies on growth performance, stress status and immunoglobulin of piglets. Animals [Internet] 2021 Feb; 11 (2), 499. Available from: https://doi.org/10.3390/ani11020499
https://doi.org/10.3390/ani11020499...
)investigaram o efeito da uniformização em diferentes pesos ao nascimento e tiveram como resultado uma queda no ganho de peso diário quando o manejo de uniformização foi realizado tardiamente. Estudos demonstraram que a TM não difere entre leitões biológicos ou adotivos até os dezoito dias de idade(1515 Bierhals T, Magnabosco D, Ribeiro RR, Perin J, da Cruz RA, Bernardi ML, et al. Influence of pig weight classification at cross-fostering on the performance on the primiparous sow and the adopted litter. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 08]; 146(2-3): 115-122. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.02.026
https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.02...
) e, controversamente, que os leitões adotivos tiveram menor sobrevida aos 21 dias e 42 dias de idade (1818 Neal MS, Irvin KM. The effects of crossfostering pigs on survival and growth. Journal of Animal Science [Internet]. 1991 Jan [cited 2020 Dec 08]; 69(1): 41-46. Available from: https://doi.org/10.2527/1991.69141x
https://doi.org/10.2527/1991.69141x...
).

Esses resultados são valiosos para a realidade da suinocultura mundial, pois, com a introdução de genéticas hiperprolíficas, um dos grandes desafios é garantir a ingestão suficiente de colostro por todos os leitões da leitegada. Para isso, é de praxe a uniformização das leitegadas, logo após o parto, com o objetivo de manter nas matrizes somente um leitão por teto viável. Essa estratégia de manejo é prática comum em granjas comerciais e seu objetivo é combinar a capacidade de criação das porcas com o tamanho da ninhada para garantir que todos os leitões possam ter acesso a uma teta funcional(22 Rutherford KMD, Baxter EM, D’eath RB, Turner SP, Arnott G, Roehe R, et al. The welfare implications of large litter size in the domestic pig I: biological factors. Animal Welfare [Internet]. 2013 May [cited 2020 Dec 05]; 22(2): 199-218. Available from: https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.199
https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.19...
). Granjas que adotam essa técnica geralmente têm resultados satisfatórios, já que o número de leitões desmamados é elevado, havendo certo sucesso na sobrevivência de leitões leves. Straw et al.(1919 Straw BE, Dewey CE, Burgi EJ. Patterns of crossfostering and piglets mortality on commercial U.S. and Canadian swine farms. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 1998 Jan [cited 2020 Dec 08]; 33(1-4): 83-89. Available from: https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00051-2
https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00...
) estimaram que até 5% dos leitões deveriam ser uniformizados para atingir esse objetivo. No entanto, isso representa um desafio de manejo e um prejuízo na transferência de imunidade maternal, sendo que outras práticas de manejo envolvendo o uso de porcas ou sistemas de criação artificiais devem ser consideradas(22 Rutherford KMD, Baxter EM, D’eath RB, Turner SP, Arnott G, Roehe R, et al. The welfare implications of large litter size in the domestic pig I: biological factors. Animal Welfare [Internet]. 2013 May [cited 2020 Dec 05]; 22(2): 199-218. Available from: https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.199
https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.19...
). Além disso, o desempenho desses animais nas fases subsequentes (creche, crescimento e terminação) geralmente não é satisfatório, o que pode estar relacionado com a baixa capacidade imunológica dos leitões na maternidade. Em razão da placenta tipo epiteliocorial dos suínos, o leitão recém-nascido precisa adquirir imunoglobulinas de origem materna pela ingestão de colostro, para a proteção imune passiva(88 Rooke JA, Bland IM. The acquisition of passive immunity in the new-born piglet. Livestock Production Science [Internet]. 2002 Nov 28 [cited 2020 Dec 06]; 78(1): 13-23. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00182-3
https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00...
), sendo necessários novos estudos para estabelecer uma possível relação entre o manejo de uniformização e a ocorrência de enfermidades na creche, inclusive aquelas provocadas por agentes da microbiota normal dos suínos como, por exemplo, Haemophilus parasuis, Streptococcus suis e Mycoplasma hyosynoviae. Nesse contexto, há uma corrente na área de sanidade defendendo o emprego de estratégias, sanitárias e de manejo, que reforcem a capacidade imunológica dos leitões. A aquisição dessa imunidade é tempo dependente, pois a máxima absorção intestinal das imunoglobulinas ocorre somente nas primeiras 12 horas após o nascimento. Isto ocorre devido à diminuição progressiva da permeabilidade intestinal do neonato às imunoglobulinas do colostro(88 Rooke JA, Bland IM. The acquisition of passive immunity in the new-born piglet. Livestock Production Science [Internet]. 2002 Nov 28 [cited 2020 Dec 06]; 78(1): 13-23. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00182-3
https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00...
).

Dentre as estratégias que influenciam positivamente a capacidade imunológica, merece destaque a ingestão de colostro (por intermédio das mamadas) obtido das mães biológicas por, pelo menos, 12 horas após o parto, pois somente dessa forma ocorre a transferência da imunidade celular, além da transferência dos anticorpos(2929 Loving CL, Brockmeier SL, Vincent AL, Gauger PC, Zanella EL, Lager KM, et al. Cross-fostering to prevent maternal cell transfer did not prevent vaccine-associated enhanced respiratory disease that occurred following heterologous influenza challenge of pigs vaccinated in the presence of maternal immunity. Viral Immunology [Internet]. 2014 Sept [cited 2020 Dec 06]; 27(7): 334-342. Available from: https://doi.org/10.1089/vim.2014.0034
https://doi.org/10.1089/vim.2014.0034...
). O colostro é a primeira secreção produzida pelas glândulas mamárias durante as horas imediatamente anteriores ao parto. Esta secreção difere do leite e representa um veículo essencial de imunidade passiva, compostos prebióticos e fatores de crescimento envolvidos no desenvolvimento intestinal(3030 Picone G, Zappaterra M, Luise D, Trimigno A, Capozzi F, Motta V, Davoli R, Nanni Costa L, Bosi P, Trevisi P. Metabolomics characterization of colostrum in three sow breeds and its influences on piglets’ survival and litter growth rates. Journal of Animal Science and Biotechnology [Internet]. 2018 Mar [cited 2020 Oct 12]; 20(1): 75-85. Available from: https://doi.org/10.1186/s40104-018-0237-1
https://doi.org/10.1186/s40104-018-0237-...
). Entretanto, como já foi discutido anteriormente, esse manejo encontra resistência entre os colaboradores das granjas, pois existe uma crença de que as porcas, logo após o parto, não podem ficar com mais leitões que o número de tetos viáveis, pois isso compromete a ingestão de colostro e aumenta a TM por esmagamento. Os resultados do presente estudo demonstram que isso não ocorre, uma vez que QCI, QCIPC e TM foram semelhantes entre UNIF e MBIO. Além disso, este último determinou melhor desempenho aos leitões até 72h de vida, indicando o benefício de manter os leitões com a mãe biológica após o nascimento.

Houve efeito independente da ON (P<0,05) no QCI e QCIPC (Tabela 2), que foi maior em leitões de ON 1-6 comparados aos leitões de ON ≥ 13 (Tabela 4). Os leitões de ON 7-12 foram semelhantes (P>0,05) aos demais grupos para QCI e QCIPC. As demais variáveis não foram influenciadas (P>0,05) pela ON. Apesar de terem ingerido menos colostro, leitões de ON ≥ 13 apresentaram desempenho semelhante aos demais grupos de ON das 72 horas pós-nascimento até o desmame.

Tabela 4
Médias e erro padrão para características de desempenho e taxa de mortalidade de leitões na maternidade nos grupos de ordem de nascimento

Os resultados relacionados com a ON indicam que esse fator não interfere na ingestão de colostro por leitões nascidos até a ON 12, porém leitões de ON ≥ 13 têm a ingestão de colostro restringida (Tabela 4). Considerando que a partir das 12 horas pós-parto as leitegadas de todas as porcas foram uniformizadas e que cada leitegada era formada por 16 leitões, em média, cerca 4 leitões/leitegada (25%) tiveram a ingestão de colostro restringida. Isso justifica, ao menos parcialmente, a alta TM registrada em leitões de ON ≥ 13. Embora não tenha diferido estatisticamente entre os grupos, a TM foi aproximadamente 2,2 vezes mais alta em leitões de ON ≥ 13 comparados aos demais. Esses resultados não corroboram outros estudos que indicam que leitões nascidos mais tarde não estão em desvantagem em relação ao consumo de colostro em comparação com leitões nascidos mais cedo durante o processo de parto(1111 Devillers N, Le Dividich J, Prunier A. Influence of colostrum intake on piglet survival and immunity. Animal [Internet]. 2011 [cited 2020 Dec 07]; 5(10): 1605-1612. Available from: https://doi.org/10.1017/S175173111100067X
https://doi.org/10.1017/S175173111100067...
,2727 Devillers N, Farmer C, Le Dividich J, Prunier A. Variability of colostrum yield and colostrum intake in pigs. Animal [Internet]. 2007 [cited 2020 Dec 05]; 1(7): 1033-1041. Available from: https://doi.org/10.1017/S175173110700016X
https://doi.org/10.1017/S175173110700016...
,3131 León MY. Efeito da amamentação parcelada sobre o comportamento e a ingestão de colostro em leitões recém-nascidos (master’s thesis on the Internet]. Palotina (PR): Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Universidade Federal do Paraná, Setor Palotina; 2018 [cited 2020 Dec 10]. 85 p. Available from: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/57036
https://acervodigital.ufpr.br/handle/188...
,3232 Fraser D, Rushen J. Colostrum intake by newborn piglets. Canadian Journal of Animal Science [Internet]. 1992 Mar [cited 2020 Dec 10]; 72(1): 1-13. Available from: https://cdnsciencepub.com/doi/pdf/10.4141/cjas92-001.
https://cdnsciencepub.com/doi/pdf/10.414...
). Le Dividich et al.(3333 Le Dividich J, Charneca R, Thomas F. Relationship between birth order, birth weight, colostrum intake, acquisition of passive immunity and pre-weaning mortality of piglets. Spanish Journal of Agricultural Research [Internet]. 2017 June [cited 2020 Dec 09];15(2): 1-10. Available from: https://doi.org/10.5424/sjar/2017152-9921
https://doi.org/10.5424/sjar/2017152-992...
) relataram que no momento do nascimento dos últimos leitões, os primogênitos já foram saciados, estando menos ativos. Dessa forma, há possibilidade dos últimos mamarem, pois há menos competição. Quando a porca fica com mais leitões que o número de tetos viáveis, ocorre o revezamento entre eles no aparelho mamário, permitindo que todos ingiram quantidades acima do mínimo necessário(44 Quesnel H, Farmer C, Devillers N. Colostrum intake: influence on piglet performance and factors of variation. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 05]; 146(2-3): 105-114. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03.010
https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03...
), com a vantagem de que, quando esses leitões são mantidos com a mãe biológica, eles recebam a imunidade mediada por células.

Exceto para QCIPC, que foi influenciada pela interação entre manejo de uniformização e PN, e para TM, houve efeito do PN (P<0,05) sobre todas as variáveis de desempenho (Tabela 2). De modo geral, o desempenho dos leitões aumentou em resposta ao aumento do PN (Tabela 5). É interessante notar que houve semelhança (P>0,05) entre os grupos Médio e Pesado para variáveis importantes como QCI e GPD, sugerindo que o PN ≥ 1330 g (que corresponde ao limite inferior do grupo Médio) proporciona melhor equilíbrio da ingestão de colostro entre os leitões, bem como do desempenho na fase de maternidade.

Tabela 5
Médias e erro padrão para características de desempenho e taxa de mortalidade de leitões na maternidade nos grupos de peso ao nascer

Menor QCI associado ao menor PN também foi observado no trabalho de Ferrari et al.(3434 Ferrari CV, Sbardella PE, Bernardi ML, Coutinho ML, Vaz Jr. IS, Wentz I, et al. Effect of birth weight and colostrum intake on mortality and performance of piglets after cross-fostering in sows of different parities. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 2014 June 1 [cited 2020 Dec 10]; 114(3-4): 259-266. Available from: https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2014.02.013
https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2014...
), o que corrobora o anteriormente mencionado no que se refere ao comprometimento da ingestão de colostro. León(3131 León MY. Efeito da amamentação parcelada sobre o comportamento e a ingestão de colostro em leitões recém-nascidos (master’s thesis on the Internet]. Palotina (PR): Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Universidade Federal do Paraná, Setor Palotina; 2018 [cited 2020 Dec 10]. 85 p. Available from: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/57036
https://acervodigital.ufpr.br/handle/188...
), ainda acerca disso, estudou a técnica de amamentação parcelada, estabelecida com base no peso ao nascimento, sobre o comportamento e a ingestão de colostro em leitões recém-nascidos e teve como resultado que, independentemente dos tratamentos aos quais as leitegadas foram submetidas, os leitões pesados tiveram maior consumo de colostro do que os leitões leves. Também foi observado nesta pesquisa que os leitões leves, submetidos à amamentação parcelada, ingeriram menos colostro que no grupo UNIF, fato atribuído pela autora como efeito estressante desse tipo de manejo.

Houve interação (P<0,05) entre manejo de uniformização e PN sobre o QCIPC (Tabela 2). No grupo Muito leve verificou-se que leitões do tratamento UNIF apresentaram maior QCIPC que os leitões do tratamento MBIO (27,48 vs. 23,01% PC; Tabela 6). No tratamento UNIF, o grupo Muito leve apresentou maior QCIPC que os demais grupos de PN, que não diferiram entre si (média de 20,43% PC). Já no tratamento MBIO, o grupo Pesado apresentou menor QCIPC (16,82% PC) que os demais grupos de PN, que não diferiram entre si (média de 22,82% PC).

Tabela 6
Médias e erro padrão para quantidade de colostro ingerido em relação ao peso corporal (QCIPC) em resposta a interação entre manejos de uniformização e grupos de peso ao nascimento

O QCIPC é uma variável importante, pois existe um limite fisiológico para a ingestão de colostro de modo que, independentemente do manejo empregado, a tendência é que a ingestão seja proporcional ao peso. A ingestão do colostro depende tanto da capacidade da porca de produzir quantidade suficiente de colostro para toda a leitegada, quanto da capacidade dos leitões para alcançar as tetas e sugá-lo. Sabe-se que essa ação é influenciada pelo PN, vitalidade do leitão ao nascimento e características da leitegada(44 Quesnel H, Farmer C, Devillers N. Colostrum intake: influence on piglet performance and factors of variation. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 05]; 146(2-3): 105-114. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03.010
https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03...
,88 Rooke JA, Bland IM. The acquisition of passive immunity in the new-born piglet. Livestock Production Science [Internet]. 2002 Nov 28 [cited 2020 Dec 06]; 78(1): 13-23. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00182-3
https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00...
,1111 Devillers N, Le Dividich J, Prunier A. Influence of colostrum intake on piglet survival and immunity. Animal [Internet]. 2011 [cited 2020 Dec 07]; 5(10): 1605-1612. Available from: https://doi.org/10.1017/S175173111100067X
https://doi.org/10.1017/S175173111100067...
,1212 Le Dividich J. A review-neonatal and weaner pig: management to reduce variation. In: Cranwell PD, editor. Manipulating Pig Production VII: proceedings of the Seventh Biennial Conference of the Australasian Pig Science Association-Apsa [Internet]. Adelaide (AU): Australian Pig Science Association; 1999 [cited 2020 Dec 07]. v. 7, p. 135-155. Available from: https://hal.inrae.fr/hal-02771776
https://hal.inrae.fr/hal-02771776...
,2626 Devillers N, Van Milgen J, Prunier A, Le Dividich J. Estimation of colostrum intake in the neonatal pig. Animal Science [Internet]. 2004 Apr [cited 2020 Dec 09]; 78(2): 305-313. Available from: https://doi.org/10.1017/S1357729800054096
https://doi.org/10.1017/S135772980005409...
,3333 Le Dividich J, Charneca R, Thomas F. Relationship between birth order, birth weight, colostrum intake, acquisition of passive immunity and pre-weaning mortality of piglets. Spanish Journal of Agricultural Research [Internet]. 2017 June [cited 2020 Dec 09];15(2): 1-10. Available from: https://doi.org/10.5424/sjar/2017152-9921
https://doi.org/10.5424/sjar/2017152-992...
). Uma vez que a quantidade de colostro ingerida é altamente variável entre leitões(1111 Devillers N, Le Dividich J, Prunier A. Influence of colostrum intake on piglet survival and immunity. Animal [Internet]. 2011 [cited 2020 Dec 07]; 5(10): 1605-1612. Available from: https://doi.org/10.1017/S175173111100067X
https://doi.org/10.1017/S175173111100067...
), espera-se que a ingestão de colostro seja menor em leitões com baixo PN. No entanto, no presente estudo verificou-se uma relação inversa, em que o QCIPC de leitões Muito leves foi 34,5% superior ao de leitões Leves a Pesados no tratamento UNIF e 36,8% superior ao de leitões Pesados no tratamento MBIO (Tabela 6). Assim, práticas de manejo que busquem melhorar a ingestão de colostro de leitões leves são aparentemente desnecessárias, pois esses leitões já mamam mais colostro proporcionalmente ao seu peso. Na média geral deste estudo, o PN foi de 1326 g e o QCI foi de 279 g, resultando em QCIPC de 21,69% PC.

Ao avaliar o efeito dos grupos de PN sobre a QCIPC dentro de cada tratamento de manejo de uniformização (Tabela 6), verificou-se que leitões Muito leves que foram equalizados logo após o nascimento ingeriram maior quantidade de colostro comparados aos que permaneceram 12 horas com suas mães biológicas. Isso provavelmente se deve ao fato de a equalização, após o parto, garantir um teto viável por leitão, o que pode favorecer os leitões de baixo PN. No entanto, como as leitegadas do grupo UNIF foram equalizadas logo após o parto, muitos leitões acabaram ingerindo pouco colostro em suas mães biológicas e, como consequência, perderam a linha de defesa proporcionada pela imunidade celular recebida da mãe. Assim, a maior QCIPC pelos leitões de baixo PN não justifica esse manejo, pois pode comprometer a imunidade desses animais.

Outro estudo que corrobora a ideia de não se praticar o manejo de uniformização é o de Wang et al.(3535 Wang X, Zhu Y, Feng C, Lin G, Wu G, Li D, Wang J. Innate differences and colostrum-induced alterations of jejunal mucosal proteins in piglets with intra-uterine growth restriction. British Journal of Nutrition [Internet]. 2018 Apr[citec 2021Feb 08] 119(7):734-747. Available from: https://doi.org/10.1017/S0007114518000375
https://doi.org/10.1017/S000711451800037...
), que encontraram resultados em que a ingestão de colostro melhorou apenas parcialmente o estado inferior da mucosa jejunal em neonatos de crescimento intrauterino retardado. Também em seu estudo, Declerck et al.(3636 Declerck I, Sarrazin S, Dewulf J, Maes D. Sow and piglet factors determining variation of colostrum intake between and within litters. Animal [Internet]. 2017 Aug [cited 2021 Jan 07] ;11(8):1336-1343. Available from: https://doi.org/10.1017/S1751731117000131
https://doi.org/10.1017/S175173111700013...
) concluíram que apesar de leitões recém-nascidos por último, que superavam o número de tetos viáveis, terem obtido menos imunidade passiva do que os primogênitos, eles não tinham maior risco de morrer antes do desmame. As principais causas de mortalidade foram baixo peso ao nascer e ingestão insuficiente de colostro (energia)(3636 Declerck I, Sarrazin S, Dewulf J, Maes D. Sow and piglet factors determining variation of colostrum intake between and within litters. Animal [Internet]. 2017 Aug [cited 2021 Jan 07] ;11(8):1336-1343. Available from: https://doi.org/10.1017/S1751731117000131
https://doi.org/10.1017/S175173111700013...
).

Uma vez que a suinocultura brasileira emprega grande número de vacinas nas porcas com o intuito de promover a transferência passiva da imunidade da mãe para o leitão, qualquer interferência no manejo do colostro pode prejudicar a eficácia da imunização. A mãe lactante pode regular a microbiota no início da vida do leitão. No entanto, ainda não está claro como isso afeta a microbiota gastrointestinal e o estado imunológico, que são essenciais para a saúde intestinal no início da vida(3737 Mu C, Bian G, Su Y, Zhu W. Differential effects of breed and nursing on early-life colonic microbiota and immune status as revealed in a cross-fostering piglet model. Applied Environmental Microbiology [Internet]. 2019 Apr 18 [cited 2021 Feb 03];85(9):e02510-18. Available from: https://doi.org/10.1128/AEM.02510-18
https://doi.org/10.1128/AEM.02510-18...
). Nesse sentido, Bandrick et al.(2323 Bandrick M, Pieters M, Pijoan C, Molitor T. W. Passive transfer of maternal Mycoplasma hyopneumoniae-specific cellular immunity to piglets. Clinical and Vaccine Immunology [Internet]. 2008 Mar [cited 2020 Dec 08]; 15(3): 540-543. Available from: https://doi.10.1128/CVI.00466-07
https://doi.10.1128/CVI.00466-07...
) demonstraram que leitões nascidos de matrizes imunizadas e uniformizados antes de seis horas pós-parto não adquiriram a imunidade celular. Além disso, apenas 22% daqueles nascidos de matrizes não imunizadas e transferidos antes de seis horas pós-parto para matrizes imunizadas foram positivos no Teste de Hipersensibilidade Tardia (DTH) para Mycoplasma hyopneumoniae. Loving et al.(2929 Loving CL, Brockmeier SL, Vincent AL, Gauger PC, Zanella EL, Lager KM, et al. Cross-fostering to prevent maternal cell transfer did not prevent vaccine-associated enhanced respiratory disease that occurred following heterologous influenza challenge of pigs vaccinated in the presence of maternal immunity. Viral Immunology [Internet]. 2014 Sept [cited 2020 Dec 06]; 27(7): 334-342. Available from: https://doi.org/10.1089/vim.2014.0034
https://doi.org/10.1089/vim.2014.0034...
) observaram que, enquanto o anticorpo do colostro é absorvido na circulação dos leitões, independentemente da porca da qual ele recebe o colostro, a transferência de células maternas requer o colostro da mãe biológica. Em conformidade com esse estudo, Tuboly et al.(3838 Tuboly S, Bernáth S, Glávits R, Medveczky I. Intestinal absorption of colostral lymphoid cells in newborn piglets. Veterinary Immunology and Immunopathology [Internet]. 1988 Dec [cited 2020 Dec 08]; 20(1): 75-85. Available from: https://doi.org/10.1016/0165-2427(88)90027-X
https://doi.org/10.1016/0165-2427(88)900...
) já observaram que a absorção de células colostrais somente ocorre quando o leitão mama na mãe biológica, o que lhe confere imunidade celular. Maradiaga et al.(3939 Maradiaga, N. , Aldridge, B. , Zeineldin, M. , & Lowe, J. (2018). Gastrointestinal microbiota and mucosal immune gene expression in neonatal pigs reared in a cross-fostering model. Microbial Pathogenesis [Internet] 2018 Aug [cited 2021 Feb 03] ;121:27-39. Available from: https://doi.org/10.1016/j.micpath.2018.05.007
https://doi.org/10.1016/j.micpath.2018.0...
) demonstraram que a uniformização impactou a trajetória de certos gêneros bacterianos no leitão e que há forte influência materna no desenvolvimento do microbioma do leitão. O presente experimento não teve o intuito de avaliar o desempenho dos leitões nas fases subsequentes, porém espera-se que os animais mantidos com a mãe biológica nas 12 primeiras horas de vida tenham um melhor status imunitário comparados aos que foram uniformizados logo após o parto.

Conclusão

É possível obter um bom desempenho de leitões mantendo a leitegada com a mãe biológica durante as doze primeiras horas pós-parto. O manejo de uniformização de leitegadas logo após o parto não proporcionou melhora no desempenho dos leitões e, portanto, esta prática pode ser evitada na granja onde o experimento foi conduzido.

A quantidade de colostro ingerida é menor, tanto em base absoluta (g) quanto relativa ao peso corporal (% PC), em leitões de ordem de nascimento igual ou superior a 13. Por outro lado, a quantidade de colostro ingerida em base absoluta é maior, mas relativa ao peso corporal é menor em leitões pesados comparados aos leves.

Agradecimentos

À Granja Miotto, pela parceria na execução do experimento; aos alunos e professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), pela dedicação na condução da pesquisa.

Referências bibliográficas

  • 1
    Beaulieu AD, Aalhus JL, Williams NH, Patience JF. Impact of piglet birth weight, birth order, and litter size on subsequent growth performance, carcass quality, muscle composition, and eating quality of pork. Journal of Animal Science [Internet]. 2010 Aug [cited 2020 Dec 05]; 88(8): 2767-2778. Available from: https://doi.org/10.2527/jas.2009-2222
    » https://doi.org/10.2527/jas.2009-2222
  • 2
    Rutherford KMD, Baxter EM, D’eath RB, Turner SP, Arnott G, Roehe R, et al. The welfare implications of large litter size in the domestic pig I: biological factors. Animal Welfare [Internet]. 2013 May [cited 2020 Dec 05]; 22(2): 199-218. Available from: https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.199
    » https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.199
  • 3
    Baxter EM, Rutherford KMD, D’eath RB, Arnott G, Turner SP, Sandoe P, et al. The welfare implications of large litter size in the domestic pig II: management factors. Animal Welfare [Internet]. 2013 May [cited 2020 Dec 05]; 22(2): 219-238. Available from: https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.219
    » https://doi.org/10.7120/09627286.22.2.219
  • 4
    Quesnel H, Farmer C, Devillers N. Colostrum intake: influence on piglet performance and factors of variation. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 05]; 146(2-3): 105-114. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03.010
    » https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.03.010
  • 5
    Quiniou N, Dagorn J, Gaudré D. Variation of piglets’ birth weight and consequences on subsequent performance. Livestock Production Science [Internet]. 2002 Nov 28 [cited 2020 Dec 05]; 78(1): 63-70. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00181-1
    » https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00181-1
  • 6
    Fix JS, Cassady JP, Herring WO, Holl JW, Cullbertson MS, See MT. Effect of piglet birth weight on body weight growth, backfat, and longissimus muscle area of commercial market swine. Livestock Science [Internet]. 2010 Jan [cited 2020 Dec 05]; 127(1): 51-59. Available from: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1871141309002996
    » https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1871141309002996
  • 7
    Kilbride AL, Mendl M, Statham P, Held S, Harris M, Cooper S, et al. A cohort study of preweaning piglet mortality and farrowing accommodation on 112 commercial pig farms in England. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 2012 May [cited 2020 Dec 06]; 104(3-4): 281-291. Available from: https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2011.11.011
    » https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2011.11.011
  • 8
    Rooke JA, Bland IM. The acquisition of passive immunity in the new-born piglet. Livestock Production Science [Internet]. 2002 Nov 28 [cited 2020 Dec 06]; 78(1): 13-23. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00182-3
    » https://doi.org/10.1016/S0301-6226(02)00182-3
  • 9
    Xu RJ, Wang F, Zhang SH. Postnatal adaptation of the gastrointestinal tract in neonatal pigs: a possible role of milk-borne growth factors. Livestock Production Science [Internet]. 2000 Oct [cited 2020 Dec 07]; 66(2): 95-107. Available from: https://doi.org/10.1016/S0301-6226(00)00217-7
    » https://doi.org/10.1016/S0301-6226(00)00217-7
  • 10
    Klobasa F, Werhahn E, Butler JE. Composition of sow milk during lactation. Journal of Animal Science [Internet]. 1987 May [cited 2020 Dec 07]; 64(5): 1458-1466. Available from: https://doi.org/10.2527/jas1987.6451458x
    » https://doi.org/10.2527/jas1987.6451458x
  • 11
    Devillers N, Le Dividich J, Prunier A. Influence of colostrum intake on piglet survival and immunity. Animal [Internet]. 2011 [cited 2020 Dec 07]; 5(10): 1605-1612. Available from: https://doi.org/10.1017/S175173111100067X
    » https://doi.org/10.1017/S175173111100067X
  • 12
    Le Dividich J. A review-neonatal and weaner pig: management to reduce variation. In: Cranwell PD, editor. Manipulating Pig Production VII: proceedings of the Seventh Biennial Conference of the Australasian Pig Science Association-Apsa [Internet]. Adelaide (AU): Australian Pig Science Association; 1999 [cited 2020 Dec 07]. v. 7, p. 135-155. Available from: https://hal.inrae.fr/hal-02771776
    » https://hal.inrae.fr/hal-02771776
  • 13
    Cutler RS, Fahy VA, Spicer EM, Cronin GM. Pre-weaning mortality. In: Straw BE, D’allaire S, Mengeling WL, Taylor DJ. Diseases of swine. 8nd ed. Ames (IA): Iowa State University Press; 1999. 985-1002.
  • 14
    Huting AMS, Almond K, Wellock I, Kyriazakis I. What is good for small piglets might not be good for big piglets: The consequences of cross-fostering and creep feed provision on performance to slaughter. Journal of Animal Science [Internet] 2017 Nov; [cited 2021 Feb 14]; 95(11):4926-4944. Available from: https://doi.org/10.2527/jas2017.1889
    » https://doi.org/10.2527/jas2017.1889
  • 15
    Bierhals T, Magnabosco D, Ribeiro RR, Perin J, da Cruz RA, Bernardi ML, et al. Influence of pig weight classification at cross-fostering on the performance on the primiparous sow and the adopted litter. Livestock Science [Internet]. 2012 July [cited 2020 Dec 08]; 146(2-3): 115-122. Available from: https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.02.026
    » https://doi.org/10.1016/j.livsci.2012.02.026
  • 16
    Pajžlar, L, Skok, J. Cross-fostering into smaller or older litter makes piglets integration difficult: Suckling stability-based rationale. Applied Animal Behavior Science [Internet] 2019 Aug [cited 2020 Dec 21]; 220, 104856. Available from: https://doi.org/10.1016/j.applanim.2019.104856
    » https://doi.org/10.1016/j.applanim.2019.104856
  • 17
    Zhang, X.; Wang, M.; He, T.; Long, S.; Guo, Y.; Chen, Z. Effect of different cross-fostering strategies on growth performance, stress status and immunoglobulin of piglets. Animals [Internet] 2021 Feb; 11 (2), 499. Available from: https://doi.org/10.3390/ani11020499
    » https://doi.org/10.3390/ani11020499
  • 18
    Neal MS, Irvin KM. The effects of crossfostering pigs on survival and growth. Journal of Animal Science [Internet]. 1991 Jan [cited 2020 Dec 08]; 69(1): 41-46. Available from: https://doi.org/10.2527/1991.69141x
    » https://doi.org/10.2527/1991.69141x
  • 19
    Straw BE, Dewey CE, Burgi EJ. Patterns of crossfostering and piglets mortality on commercial U.S. and Canadian swine farms. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 1998 Jan [cited 2020 Dec 08]; 33(1-4): 83-89. Available from: https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00051-2
    » https://doi.org/10.1016/S0167-5877(97)00051-2
  • 20
    Robert S, Martineau GP. Effects of repeated cross-fostering on preweaning behavior and growth performance of piglets and on maternal behavior of sows. Journal of Animal Science [Internet]. 2001 Jan [cited 2020 Dec 08]; 79(1): 88-93. Available from: https://doi.org/10.2527/2001.79188x
    » https://doi.org/10.2527/2001.79188x
  • 21
    Calderón Díaz JA, García Manzanilla E, Diana A, Boyle LA. Cross-fostering implications for pig mortality, welfare and performance. Frontiers in Veterinary Science [Internet] 2018 Jun 6 [cited 2021 Feb 14]; 5:123. Available from: https://doi.org/10.3389/fvets.2018.00123
    » https://doi.org/10.3389/fvets.2018.00123
  • 22
    Mores N, Sobestiansky J, Wentz I, Moreno AM. Manejo do leitão desde o nascimento até o abate. In: Mores N, Sobestiansky J, Wentz I, Moreno AM, editors. Suinocultura intensiva: produção, manejo e saúde do rebanho. [Internet]. Brasília (DF): Embrapa/Serviço de Produção de Informação-SPI; Concórdia (SC): Embrapa/Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves-CNPSA; 1998 [cited 2020 Dec 08]. p. 135-162. Available from: https://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/consulta/busca?b=ad&id=434884&biblioteca=vazio&busca=autoria:%22MORENO,%20A.%22&qFacets=autoria:%22MORENO,%20A.%22&sort=&paginacao=t&paginaAtual=1 Portuguese.
    » https://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/consulta/busca?b=ad&id=434884&biblioteca=vazio&busca=autoria:%22MORENO,%20A.%22&qFacets=autoria:%22MORENO,%20A.%22&sort=&paginacao=t&paginaAtual=1
  • 23
    Bandrick M, Pieters M, Pijoan C, Molitor T. W. Passive transfer of maternal Mycoplasma hyopneumoniae-specific cellular immunity to piglets. Clinical and Vaccine Immunology [Internet]. 2008 Mar [cited 2020 Dec 08]; 15(3): 540-543. Available from: https://doi.10.1128/CVI.00466-07
    » https://doi.10.1128/CVI.00466-07
  • 24
    Williams PP. Immunomodulating effects of intestinal absorbed maternal colostral leukocytes by neonatal pigs. Canadian Journal of Veterinary Research [Internet]. 1993 Jan [cited 2020 Dec 09]; 57(1): 1-8. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1263580
    » https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1263580
  • 25
    Beyer M, Jentsch W, Kuhla S, Wittenburg H, Kreienbring F, Scholze H, et al. Effects of dietary energy intake during gestation and lactation on milk yield and composition of first, second and fourth parity sows. Archives of Animal Nutrition [Internet]. 2007 Nov [cited 2020 Dec 09]; 61(6): 452-468. Available from: https://doi.org/10.1080/17450390701563433
    » https://doi.org/10.1080/17450390701563433
  • 26
    Devillers N, Van Milgen J, Prunier A, Le Dividich J. Estimation of colostrum intake in the neonatal pig. Animal Science [Internet]. 2004 Apr [cited 2020 Dec 09]; 78(2): 305-313. Available from: https://doi.org/10.1017/S1357729800054096
    » https://doi.org/10.1017/S1357729800054096
  • 27
    Devillers N, Farmer C, Le Dividich J, Prunier A. Variability of colostrum yield and colostrum intake in pigs. Animal [Internet]. 2007 [cited 2020 Dec 05]; 1(7): 1033-1041. Available from: https://doi.org/10.1017/S175173110700016X
    » https://doi.org/10.1017/S175173110700016X
  • 28
    SAS - Statistical Analysis System (2002). SAS user’s guide: statistics, version 9.0. Cary: SAS Institute.
  • 29
    Loving CL, Brockmeier SL, Vincent AL, Gauger PC, Zanella EL, Lager KM, et al. Cross-fostering to prevent maternal cell transfer did not prevent vaccine-associated enhanced respiratory disease that occurred following heterologous influenza challenge of pigs vaccinated in the presence of maternal immunity. Viral Immunology [Internet]. 2014 Sept [cited 2020 Dec 06]; 27(7): 334-342. Available from: https://doi.org/10.1089/vim.2014.0034
    » https://doi.org/10.1089/vim.2014.0034
  • 30
    Picone G, Zappaterra M, Luise D, Trimigno A, Capozzi F, Motta V, Davoli R, Nanni Costa L, Bosi P, Trevisi P. Metabolomics characterization of colostrum in three sow breeds and its influences on piglets’ survival and litter growth rates. Journal of Animal Science and Biotechnology [Internet]. 2018 Mar [cited 2020 Oct 12]; 20(1): 75-85. Available from: https://doi.org/10.1186/s40104-018-0237-1
    » https://doi.org/10.1186/s40104-018-0237-1
  • 31
    León MY. Efeito da amamentação parcelada sobre o comportamento e a ingestão de colostro em leitões recém-nascidos (master’s thesis on the Internet]. Palotina (PR): Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Universidade Federal do Paraná, Setor Palotina; 2018 [cited 2020 Dec 10]. 85 p. Available from: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/57036
    » https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/57036
  • 32
    Fraser D, Rushen J. Colostrum intake by newborn piglets. Canadian Journal of Animal Science [Internet]. 1992 Mar [cited 2020 Dec 10]; 72(1): 1-13. Available from: https://cdnsciencepub.com/doi/pdf/10.4141/cjas92-001
    » https://cdnsciencepub.com/doi/pdf/10.4141/cjas92-001
  • 33
    Le Dividich J, Charneca R, Thomas F. Relationship between birth order, birth weight, colostrum intake, acquisition of passive immunity and pre-weaning mortality of piglets. Spanish Journal of Agricultural Research [Internet]. 2017 June [cited 2020 Dec 09];15(2): 1-10. Available from: https://doi.org/10.5424/sjar/2017152-9921
    » https://doi.org/10.5424/sjar/2017152-9921
  • 34
    Ferrari CV, Sbardella PE, Bernardi ML, Coutinho ML, Vaz Jr. IS, Wentz I, et al. Effect of birth weight and colostrum intake on mortality and performance of piglets after cross-fostering in sows of different parities. Preventive Veterinary Medicine [Internet]. 2014 June 1 [cited 2020 Dec 10]; 114(3-4): 259-266. Available from: https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2014.02.013
    » https://doi.org/10.1016/j.prevetmed.2014.02.013
  • 35
    Wang X, Zhu Y, Feng C, Lin G, Wu G, Li D, Wang J. Innate differences and colostrum-induced alterations of jejunal mucosal proteins in piglets with intra-uterine growth restriction. British Journal of Nutrition [Internet]. 2018 Apr[citec 2021Feb 08] 119(7):734-747. Available from: https://doi.org/10.1017/S0007114518000375
    » https://doi.org/10.1017/S0007114518000375
  • 36
    Declerck I, Sarrazin S, Dewulf J, Maes D. Sow and piglet factors determining variation of colostrum intake between and within litters. Animal [Internet]. 2017 Aug [cited 2021 Jan 07] ;11(8):1336-1343. Available from: https://doi.org/10.1017/S1751731117000131
    » https://doi.org/10.1017/S1751731117000131
  • 37
    Mu C, Bian G, Su Y, Zhu W. Differential effects of breed and nursing on early-life colonic microbiota and immune status as revealed in a cross-fostering piglet model. Applied Environmental Microbiology [Internet]. 2019 Apr 18 [cited 2021 Feb 03];85(9):e02510-18. Available from: https://doi.org/10.1128/AEM.02510-18
    » https://doi.org/10.1128/AEM.02510-18
  • 38
    Tuboly S, Bernáth S, Glávits R, Medveczky I. Intestinal absorption of colostral lymphoid cells in newborn piglets. Veterinary Immunology and Immunopathology [Internet]. 1988 Dec [cited 2020 Dec 08]; 20(1): 75-85. Available from: https://doi.org/10.1016/0165-2427(88)90027-X
    » https://doi.org/10.1016/0165-2427(88)90027-X
  • 39
    Maradiaga, N. , Aldridge, B. , Zeineldin, M. , & Lowe, J. (2018). Gastrointestinal microbiota and mucosal immune gene expression in neonatal pigs reared in a cross-fostering model. Microbial Pathogenesis [Internet] 2018 Aug [cited 2021 Feb 03] ;121:27-39. Available from: https://doi.org/10.1016/j.micpath.2018.05.007
    » https://doi.org/10.1016/j.micpath.2018.05.007

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    30 Ago 2021
  • Data do Fascículo
    2021

Histórico

  • Recebido
    19 Jan 2021
  • Aceito
    03 Maio 2021
  • Publicado
    28 Jul 2021
Universidade Federal de Goiás Universidade Federal de Goiás, Escola de Veterinária e Zootecnia, Campus II, Caixa Postal 131, CEP: 74001-970, Tel.: (55 62) 3521-1568, Fax: (55 62) 3521-1566 - Goiânia - GO - Brazil
E-mail: revistacab@gmail.com