CRIAÇÃO / POESIA

A POESIA que apareceu na Rússia a partir do início deste século marcou certamente um dos momentos fortes de nossa cultura.

Tive a satisfação de trabalhar com Augusto e Haroldo de Campos no trabalho de aproximação que resultou nas duas antologias que publicamos (1 1 Augusto e Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman, Poemas de Maiakóvski, São Paulo, Perspectiva, 1982; os mesmos, Poesia russa moderna – Nova antologia, São Paulo, Brasiliense, 1985. ), além de outros trabalhos. Depois, vi essa tarefa retomada por poetas mais jovens e, por ocasião do centenário do nascimento de Maiakóvski, a Revista USP (2 2 Revista USP, nº 19, set./out./nov. 1993, p. 188-203. ) publicou traduções de seus poemas por Luiz Sampaio Zacchi, Nelson Ascher e Trajano Vieira.

Nos últimos anos tenho traduzido com Nelson Ascher (escritor e poeta), que se encarregou da elaboração poética em português.

Seguem-se uns poucos exemplos, que deverão fazer parte de um livro.

Boris Schnaiderman

Notas

  • 1
    Augusto e Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman,
    Poemas de Maiakóvski, São Paulo, Perspectiva, 1982; os mesmos,
    Poesia russa moderna – Nova antologia, São Paulo, Brasiliense, 1985.
  • 2
    Revista USP, nº 19, set./out./nov. 1993, p. 188-203.
  • Velimir Khlébnikov

    "Basta-me..."

    Basta-me um mínimo:

    lasca de pão,

    gota de leite

    e, céu acima,

    nuvens alvíssimas.

    1912, 1922

    Recusa

    Agrada-me bem mais

    olhar estrelas

    do que assinar sentenças

    de morte.

    Agrada-me bem mais

    ouvir a voz das flores

    que, murmurando é ele,

    meneiam as corolas

    quando eu cruzo o jardim

    do que ver os escuros

    fuzis da guarda

    matarem quantos querem

    matar-me –

    por isso eu não serei

    – jamais – um governante.

    Janeiro-abril de 1922

    VIELIMIR KHLÉBNIKOV é poeta das grandes explosões verbais, o descobridor de possibilidades completamente desconhecidas da língua. Mas, ao mesmo tempo, ele tem momentos de sutileza como o do primeiro destes poemas. Já o segundo, com sua declaração firme, dispensa qualquer comentário.

    Óssip Mandelstam

    "Vivemos sem sentir..."

    Vivemos sem sentir a Rússia embaixo,

    não se ouvem nossas vozes a dez passos.

    Mas onde houver meia conversa – sempre

    se há de lembrar o montanhês do Kremlin.

    Seus grossos dedos são vermes obesos;

    e as palavras – precisas como pesos.

    Sorri – largos bigodes de barata;

    e as longas botas brilham engraxadas.

    Rodeiam-no cascudos mandachuvas;

    seu jogo: os meio-homens que subjuga.

    Um assobia, um rosna, um outro mia,

    só ele é quem açoita, quem atiça.

    E prega-lhes decretos-ferraduras

    na testa ou no olho, na virilha ou nuca.

    Degusta execuções como quem prova

    uma framboesa, o osseta de amplo tórax.

    1934

    Este poema parece ter sido a causa principal da prisão de ÓSSIP MANDELSTAM em 1934, o início de um calvário, que incluiria residência forçada em Vorôniej durante três anos, em condições de miséria, cerca de um ano em liberdade, mas sem poder residir em Moscou, nova prisão e permanência num campo de trabalho na Sibéria, onde morreu.

    Depois de elaborado o poema, ele foi lido a alguns amigos – o suficiente para causar a perdição de seu autor.

    "Crânios humanos somem..."

    Crânios humanos somem pilha a pilha,

    onde, invisível, mínguo na distância,

    mas num bom livro e em jogos de criança,

    direi, ressuscitando, que o sol brilha.

    Vorôniej

    "Roubar-me os mares..."

    Roubar-me os mares, ares, vôo, tolhendo

    meus pés na terra atroz – foi o bastante?

    Mas, malgrado o teu cálculo estupendo,

    não me arrancaste os lábios murmurantes.

    Vorôniej, maio de 1935

    Estes dois poemas fazem parte de os Cadernos de Vorôniej, que foram escritos durante a residência forçada de ÓSSIP MANDELSTAM naquele cidade e constituem parte importante de sua obra.

    Bóris Pasternak

    "A fama é reles..."

    Ter fama é reles; a escalada

    ao apogeu segue outras leis.

    Arquivos não servem de nada,

    Não tremas sobre os teus papéis.

    Criar é se entregar de todo,

    e não sucesso ou alarido.

    É vergonhoso, sendo engodo,

    virar provérbio difundido.

    Cumpre viver, mas sem disfarce,

    para atrair-se enfim o puro

    amor do espaço ou escutar-se

    o apelo, ao longe, do futuro.

    Deixa as lacunas no destino,

    nas obras, não. Qualquer passagem,

    qualquer capítulo ou domínio

    de tua vida – anota à margem.

    Some no anonimato e esconde

    teus passos como sítio oculto

    por brumas muito espessas onde

    não há como entrever seu vulto.

    Outros, que irão por tua rota,

    seguem teu rastro, passo a passo.

    Mas não te cabe ser quem opta

    entre um sucesso ou um fracasso.

    Não rendas nunca, por motivo

    algum, teu rosto, tua estrada;

    prossegue vivo, apenas vivo

    até o fim, vivo e mais nada.

    1956

    "Quero Chegar ..."

    Quero chegar em tudo ao cerne,

    ao mais oculto.

    Buscando a rota, no afazer, no

    peito em tumulto.

    Ao bojo dos dias de outrora,

    ao próprio centro,

    justo às raízes e às escoras,

    medula adentro.

    Sempre agarrando toda a série

    de sinas, fatos,

    sentir, pensar, amar, viver e

    fazer achados.

    E escreveria, ah, se o lograsse,

    sobre os diversos

    dons da paixão, de todo ou quase,

    em oito versos.

    Seus crimes, fugas e caçadas,

    seus atropelos

    acidentais, mãos espalmadas

    e cotovelos.

    Deduziria a essência inata

    e as suas leis,

    diria a inicial de cada

    nome outra vez.

    Dispondo cantos em canteiros,

    com veias tensas,

    veria as tílias: o horto inteiro

    posto em seqüência.

    E verteria, em verso, aromas

    de rosa e menta,

    prado, flor, feno e quanto assoma

    numa tormenta.

    Assim Chopin verteu – portento

    vivo – seu mundo,

    sítios, jazigos, bosques, dentro

    de seus estudos.

    O jogo e o suplício do afã de

    vencer de fato –

    a corda retesa e vibrante

    do arco dobrado.

    1956

    Estes poemas de BORIS PASTERNAK pertencem à última fase, quando ele pretendia chegar à dicção mais direta e singela.

    Marina Tzvietáieva

    Madrugada sobre os trilhos

    Antes que o dia adentre

    com mil paixões convulsas,

    de trilhos – de relento,

    refaço toda a Rússia.

    De estacas – de relento,

    de gris – de orfandade,

    antes que o dia adentre

    ou sinaleiro brade.

    A névoa paira infinda,

    envolto em lona, enorme

    granito aguarda ainda

    e o prado xadrez dorme.

    De pássaros – relento...

    aço murzelo mente

    ainda um louco alento –

    Moscou: ainda em frente!

    E sob o olhar-minúcia,

    com seu domínio etéreo,

    como esbordou a Rússia

    em três linhas de ferro!

    Vou espraiá-la além!

    No trilho inviso estendo,

    relento adentro, um trem

    com vítimas de incêndio.

    (Com tantos quantos somem

    sem gente ou Deus notá-los.

    Sinal: quarenta homens

    e mais oito cavalos!)

    E onde as distâncias entre

    dormentes são entraves,

    de orvalho – de dormentes,

    de orvalho – de orfandade.

    Antes que o dia aponte

    com mais paixões convulsas,

    ao longo do horizonte

    refaço toda a Rússia.

    Nem falsa, nem mesquinha:

    e olhem, ao longe, o brilho

    azul de um par de trilhos!

    Nas linhas, lá, nas linhas...

    12 de outubro de 1922

    MARINA TZVIETÁIEVA partiu para o estrangeiro em maio de 1922.

    Poema 8 para as terras tchecas

    Oh lágrimas nos olhos!

    Pranto de amor, de ira!

    Tchecoslováquia: espólios!

    Espanha em sangue expira!

    Oh monte que apavora,

    pois tudo eclipsa avesso!

    Devolvo - é hora, é hora –

    ao Criador o ingresso.

    Nego-me – a ser. Detida

    no hospício com a escória,

    renego mesmo – a vida.

    Com lobos praça afora,

    nego-me – a uivar demente.

    Com tubarões do prado,

    Nego-me – a ir em frente:

    descer dorsos a nado.

    Que ouvidos fiquem surdos

    e olhos videntes – cegos.

    Ao teu mundo de absurdos,

    respondo só – renego.

    15 de março – 11 de maio de 1939

    Após a invasão da Tcheco-Eslováquia, onde havia residido antes de mudar-se para a França, MARINA TZVIETÁIEVA escreveu uma série de poemas arrebatados. Existe tradução brasileira de outro do mesmo ciclo, efetuada por Augusto de Campos e incluída em Poesia russa moderna – Nova antologia.

    A referência ao ingresso que ela devolve ao Criador é uma alusão direta à passagem de Os irmão Karamazov, em que Ivã diz ao irmão: "Não é Deus que não aceito, Aliocha, eu apenas lhe devolvo respeitosamente o meu bilhete de ingresso"( Livro V – Cap. IV – "A revolta").

    Vladímir Maiakóvski

    Despedida

    Eis o carro.

    Troquei o último franco.

    – Que horas parte o trem para Marselha? –

    Paris

    corre ao meu lado

    enquanto arranco,

    com toda

    a graça incrível

    que revela.

    Acode,

    adeus viscoso,

    aos olhos vis,

    inunda

    o coração

    de pieguice!

    Viria aqui

    viver-morrer,

    Paris,

    se um tal lugar

    – Moscou –

    não existisse.

    1925

    Boris Slútzki

    "Os judeus..."

    Os judeus não plantam trigo

    e são todos comerciantes;

    os judeus vivem roubando

    e se tornam calvos antes.

    Os judeus são maus soldados

    e têm ambições mesquinhas:

    Ivan luta nas trincheiras;

    Abrão lucra atrás das linhas.

    Ouço-o desde a infância e logo

    serei velho, mas refúgio

    não conheço contra o grito:

    "Judeu sujo! Judeu sujo!"

    Eu, que nada comerciei,

    eu, que nunca roubei nada,

    trago em mim, como infecção,

    esta raça amaldiçoada.

    Fui poupado pela bala

    pra dizerem com motivo

    que "Judeu algum morria!

    Cada qual retornou vivo!"

    Este é um dos poemas de BORIS SLÚTZKI publicados na Rússia depois de iniciada a glasnost, bem diferente daqueles que apareceram nos anos anteriores. Evidentemente, ele os foi guardando na gaveta e, assim, apareceu um poeta explosivo, revoltado, em lugar do escritor bem enquadrado nas normas oficiais.

    Aleksander Tvardovski

    "Tudo reduz-se ..."

    Tudo reduz-se a um único preceito,

    que escondo, mas direi, chegada a hora.

    Eu mais do que ninguém, a seu respeito,

    mais que vivos e mortos, sei agora.

    Jamais, por nada, confiaria a posse

    desta palavra aos outros, todavia,

    nem sequer a Tolstói – embora fosse

    divino e eu só mortal – eu a diria.

    Respondo pelo que é meu, e somente

    uma coisa me ocupa a vida inteira:

    o que sei bem melhor que toda gente,

    quero dizê-lo. E da minha maneira.

    1958

    ALEKSANDER TVÁRDOVSKI – que se consagrou sobretudo com o longo poema narrativo Vassíli Tiórkin, sobre um soldado na guerra com os nazistas, apresentado geralmente como uma das realizações máximas do realismo socialista –, dirigiu durante algum tempo, sob o governo de Khruschóv, a revista Nóvi Mir (Novo Mundo). Imprimindo-lhe uma orientação bastante liberal, conseguiu publicar ali materiais que seriam inconcebíveis na imprensa soviética alguns anos antes, inclusive estas quadras.

    1 Augusto e Haroldo de Campos e Boris Schnaiderman, Poemas de Maiakóvski, São Paulo, Perspectiva, 1982; os mesmos, Poesia russa moderna – Nova antologia, São Paulo, Brasiliense, 1985. 2 Revista USP, nº 19, set./out./nov. 1993, p. 188-203.

    Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      16 Maio 2005
    • Data do Fascículo
      Abr 1998
    Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo Rua da Reitoria,109 - Cidade Universitária, 05508-900 São Paulo SP - Brasil, Tel: (55 11) 3091-1675/3091-1676, Fax: (55 11) 3091-4306 - São Paulo - SP - Brazil
    E-mail: estudosavancados@usp.br