O sinal do halo como apresentação tomográfica pulmonar na COVID-19

Lucas de Pádua Gomes de Farias Helena Alves Costa Pereira Eduardo Pinheiro Zarattini Anastacio Fernanda Formagio Minenelli Gustavo Borges da Silva Teles Sobre os autores

Paciente do sexo masculino, 36 anos de idade, natural e procedente de Nova Jersey (Estados Unidos), obeso, hipertenso e diabético, compareceu ao nosso serviço sudoreico, taquipneico, taquicárdico e febril (38,6°C) e saturando 90% em ar ambiente. Relatou que, há 5 dias, procurara um serviço médico nos Estados Unidos por queixa de tosse seca, coriza, mal-estar e febre referida. Na admissão, o paciente realizou radiografia (Figura 1) e tomografia computadorizada (Figura 2) de tórax, que evidenciaram múltiplas pequenas opacidades nodulares e consolidações esparsas por ambos os pulmões, com distribuição periférica e central, acompanhadas de halo em vidro fosco, configurando o sinal do halo. A pesquisa da infecção por coronavírus por meio de reação em cadeia da polimerase com transcrição reversa (RT-PCR) detectou a presença do RNA do vírus no material colhido da nasofaringe do paciente.

Figura 1
Radiografias de tórax realizadas no leito no dia da admissão hospitalar (A), no segundo (B) e no décimo dias de internação (C) evidenciam opacidades difusas em ambos os pulmões, muitas delas com configurações nodulares, mais evidentes no segundo dia da internação hospitalar (B)
Figura 2
Sinal do halo. Imagens axiais (A a C) e coronal (D) de tomografia computadorizada multidetectores evidenciam múltiplos pequenos nódulos sólidos com halo em vidro fosco nos campos pulmonares superiores (A), médios (B) e inferiores (C), caracterizando o sinal do halo. Note as demais opacidades nodulares com atenuação em vidro fosco

Os achados tomográficos da pneumonia na doença pelo novo coronavírus tipo 2 (SARS-CoV-2), a coronavirus disease 2019 (COVID-19), são inespecíficos e podem ser encontrados em outras etiologias virais e nas pneumonias em organização. O aspecto mais comum inclui opacidades em vidro fosco pulmonares multifocais, associadas ou não às áreas de consolidação ou espessamento septal (configurando aspecto de “pavimentação em mosaico”), apresentando distribuição bilateral, principalmente nas regiões pulmonares periféricas.(11. Simpson S, Kay FU, Abbara S, Bhalla S, Chung JH, Chung M, et al. Radiological Society of North America Expert Consensus Statement on Reporting Chest CT Findings Related to COVID-19. Endorsed by the Society of Thoracic Radiology, the American College of Radiology, and RSNA. Radiology Cardiothoracic Imaging. 2020;2(2). https://doi.org/10.1148/ryct.2020200152
https://doi.org/10.1148/ryct.2020200152...
) A tomografia computadorizada pode ser usada nos pacientes sintomáticos, inclusive com relato de maior sensibilidade, mas especificidade limitada em relação ao teste molecular padrão,(22. Fang Y, Zhang H, Xie J, Lin M, Ying L, Pang P, et al. Sensitivity of chest CT for COVID-19: Comparison to RT-PCR. Radiology. 2020 Feb 19:200432. https://doi.org/10.1148/radiol.2020200432
https://doi.org/10.1148/radiol.202020043...
,33. Ai T, Yang Z, Hou H, Zhan C, Chen C, Lv W, et al. Correlation of chest CT and RT-PCR Testing for coronavirus disease 2019 (COVID-19) in China: A report of 1014 cases. Radiology. 2020 Feb 26:200642. https://doi.org/10.1148/radiol.2020200642
https://doi.org/10.1148/radiol.202020064...
) porém não é recomendada para o rastreio pela maioria das sociedades.(11. Simpson S, Kay FU, Abbara S, Bhalla S, Chung JH, Chung M, et al. Radiological Society of North America Expert Consensus Statement on Reporting Chest CT Findings Related to COVID-19. Endorsed by the Society of Thoracic Radiology, the American College of Radiology, and RSNA. Radiology Cardiothoracic Imaging. 2020;2(2). https://doi.org/10.1148/ryct.2020200152
https://doi.org/10.1148/ryct.2020200152...
)

O sinal do halo não constitui apresentação característica ou frequente nos pacientes com comprometimento pulmonar na COVID-19, com pouquíssimos relatos na literatura, apesar de sua possível apresentação em algumas outras pneumonias virais.(44. Pinto PS. The CT Halo sign. Radiology. 2004;230(1):109-10.) Foram observados outros dois casos recentemente relatados – uma paciente do sexo feminino, de 27 anos de idade,(55. Li X, Zeng X, Liu B, Yu Y. COVID-19 infection presenting with CT halo sign. Radiol Cardiothorac Imaging. 2020;2(1):e200026. https://doi.org/10.1148/ryct.2020200026
https://doi.org/10.1148/ryct.2020200026...
) e outro do sexo masculino, com 46 anos de idade.(66. Kanne JP, Little BP, Chung JH, Elicker BM, Ketai LH. Essentials for radiologists on COVID-19: An update-radiology scientific expert panel. Radiology. 2020 Feb 27:200527. https://doi.org/10.1148/radiol.2020200527
https://doi.org/10.1148/radiol.202020052...
)

Identificado por tomografia computadorizada, o sinal do halo foi descrito inicialmente em 1985 como uma zona de baixa atenuação (em vidro fosco), em forma de halo, circundando uma massa ou nódulo, e representava as lesões pulmonares por aspergilose angioinvasiva em pacientes com leucemia aguda.(77. Kuhlman JE, Fishman EK, Siegelman SS. Invasive pulmonary aspergillosis in acute leukemia: characteristic findings on CT, the CT halo sign, and the role of CT in early diagnosis. Radiology. 1985;157(3):611-4.) Nesses casos, o halo em vidro fosco representa hemorragia alveolar perinodular como consequência do infarto pulmonar provocado pela angioinvasão do Aspergillus.

Até o presente momento, diversas outras etiologias com esta apresentação tomográfica já foram descritas.(44. Pinto PS. The CT Halo sign. Radiology. 2004;230(1):109-10.,88. Alves GR, Marchiori E, Irion K, Nin CS, Watte G, Pasqualotto AC, et al. The halo sign: HRCT findings in 85 patients. J Bras Pneumol. 2016;42(6):435-9.,99. Marchiori E, Hochhegger B, Zanetti G. Sinal do halo. J Bras Pneumol. 2017; 43(1):4-5.) Em pacientes imuncomprometidos, além da aspergilose angioinvasiva (mais frequente em indivíduos neutropênicos), a possibilidade de sarcoma de Kaposi também pode ser considerada nos pacientes com sorologia positiva para o HIV e baixa contagem de linfócitos T CD4. Já nos pacientes imunocompetentes, o sinal do halo pode ser encontrado no adenocarcinoma primário de pulmão (principalmente quando existe componente lepídico), nas metástases (especialmente com componente hemorrágico associado) e em outras condições inflamatórias e infecciosas (granulomatose com poliangeíte, pneumonia em organização, algumas infecções bacterianas, fúngicas e virais).(44. Pinto PS. The CT Halo sign. Radiology. 2004;230(1):109-10.,88. Alves GR, Marchiori E, Irion K, Nin CS, Watte G, Pasqualotto AC, et al. The halo sign: HRCT findings in 85 patients. J Bras Pneumol. 2016;42(6):435-9.,99. Marchiori E, Hochhegger B, Zanetti G. Sinal do halo. J Bras Pneumol. 2017; 43(1):4-5.)

Embora o sinal do halo seja um achado tomográfico com amplo diagnóstico diferencial e tenha apresentação rara nas pneumonias causadas pelo SARS-CoV-2, seu reconhecimento nos indivíduos com quadro clínico sugestivo de COVID-19 pode ajudar no diagnóstico e no manejo destes pacientes, principalmente no atual cenário de pandemia.

Referências bibliográficas

  • 1
    Simpson S, Kay FU, Abbara S, Bhalla S, Chung JH, Chung M, et al. Radiological Society of North America Expert Consensus Statement on Reporting Chest CT Findings Related to COVID-19. Endorsed by the Society of Thoracic Radiology, the American College of Radiology, and RSNA. Radiology Cardiothoracic Imaging. 2020;2(2). https://doi.org/10.1148/ryct.2020200152
    » https://doi.org/10.1148/ryct.2020200152
  • 2
    Fang Y, Zhang H, Xie J, Lin M, Ying L, Pang P, et al. Sensitivity of chest CT for COVID-19: Comparison to RT-PCR. Radiology. 2020 Feb 19:200432. https://doi.org/10.1148/radiol.2020200432
    » https://doi.org/10.1148/radiol.2020200432
  • 3
    Ai T, Yang Z, Hou H, Zhan C, Chen C, Lv W, et al. Correlation of chest CT and RT-PCR Testing for coronavirus disease 2019 (COVID-19) in China: A report of 1014 cases. Radiology. 2020 Feb 26:200642. https://doi.org/10.1148/radiol.2020200642
    » https://doi.org/10.1148/radiol.2020200642
  • 4
    Pinto PS. The CT Halo sign. Radiology. 2004;230(1):109-10.
  • 5
    Li X, Zeng X, Liu B, Yu Y. COVID-19 infection presenting with CT halo sign. Radiol Cardiothorac Imaging. 2020;2(1):e200026. https://doi.org/10.1148/ryct.2020200026
    » https://doi.org/10.1148/ryct.2020200026
  • 6
    Kanne JP, Little BP, Chung JH, Elicker BM, Ketai LH. Essentials for radiologists on COVID-19: An update-radiology scientific expert panel. Radiology. 2020 Feb 27:200527. https://doi.org/10.1148/radiol.2020200527
    » https://doi.org/10.1148/radiol.2020200527
  • 7
    Kuhlman JE, Fishman EK, Siegelman SS. Invasive pulmonary aspergillosis in acute leukemia: characteristic findings on CT, the CT halo sign, and the role of CT in early diagnosis. Radiology. 1985;157(3):611-4.
  • 8
    Alves GR, Marchiori E, Irion K, Nin CS, Watte G, Pasqualotto AC, et al. The halo sign: HRCT findings in 85 patients. J Bras Pneumol. 2016;42(6):435-9.
  • 9
    Marchiori E, Hochhegger B, Zanetti G. Sinal do halo. J Bras Pneumol. 2017; 43(1):4-5.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    30 Abr 2020
  • Data do Fascículo
    2020

Histórico

  • Recebido
    06 Abr 2020
  • Aceito
    13 Abr 2020
Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein Avenida Albert Einstein, 627/701 , 05651-901 São Paulo - SP, Tel.: (55 11) 2151 0904 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@einstein.br