Accessibility / Report Error

Adversidade na infância prediz sintomas depressivos e tentativas de suicídio em mulheres adultas portuguesas

Adversity in childhood predicts depressive symptoms and suicide attempts in adult Portuguese women

Vanessa Cristina Pires PINTO Joana Ferreira Cardoso ALVES Ângela Costa MAIA Sobre os autores

Resumos

Este estudo examinou a prevalência de 10 categorias de experiências adversas na infância autorrelatadas em mulheres adultas portuguesas, e avaliou se essas experiências eram preditoras do índice de sintomatologia depressiva e de tentativas de suicídio. Um total de 225 mulheres completou o Adverse Childhood Experiences Study Questionnaire e a subescala de depressão do Inventário de Sintomas Psicopatológicos. Quase 96,0% das mulheres relatou ter sido exposta a pelo menos uma experiência adversa na infância e adolescência. Os resultados da regressão linear indicam que a adversidade total explica 6,6% da variância dos sintomas de depressão, enquanto a regressão logística mostra que o incremento de um ponto na adversidade total aumenta o risco de tentativas de suicídio em 1,818 vezes. Os resultados deste estudo mostram que a exposição a experiências adversas na infância é frequente e o seu grau é preditor de sintomatologia depressiva e tentativas de suicídio.

Depressão; Experiências adversas; Suicídio


This study examined the prevalence of 10 categories of self-reported childhood adverse experiences in adult Portuguese women and assessed whether these factors were predictive of depressive symptoms and suicide attempts. A total of 225 women completed the Adverse Childhood Experiences Study Questionnaire and evaluated the depression subscale of the Brief Symptoms Inventory. Almost 96.0% of the participant women reported being exposed to at least one adverse experience in childhood and adolescence. Linear regression indicated that the total adversity explains 6.6% of the variance in symptoms of depression, whereas logistic regression indicated that the increase in adversity by one point increased the risk of suicide attempts 1,818 times. The results obtained show that exposure to adverse childhood experiences is frequent and that the degree of exposure is a predictor of depressive symptoms and suicide attempts.

Depression; Adverse experiences; Suicide


As experiências adversas na infância são altamente prevalentes e tendem a coocorrer, sendo a exposição a múltiplos tipos de experiências adversas um dado consistente na literatura (Afifi, Mota, Dasiewicz, MacMillan, & Sareen, 2012Afifi, T., Mota, N., Dasiewicz, P., MacMillan, H., & Sareen, J. (2012). Physical punishment and mental disorders: Results from a nationally representative US sample. Pediatrics, 130(2), 184-192.; Edwards, Holden, Felitti, & Anda, 2003Edwards, V., Holden, G., Felitti, V., & Anda, R. (2003). Relationship between multiple forms of childhood maltreatment and adult mental health in community respondents: Results from the adverse childhood experiences study. American Journal of Psychiatry, 160(8), 1453-1460.; Felitti et al., 1998; Lu, Mueser, Rosenberg, & Jankowski, 2008Lu, W., Mueser, K., Rosenberg, S., & Jankowski, M. (2008). Correlates of adverse childhood experiences among adults with severe mood disorders. Psychiatric Services, 59(9), 1018-1026.).O estudo da relação entre as experiências adversas na infância e o estado de saúde na idade adulta, tem verificado que a adversidade está associada a consequências negativas em diferentes dimensões, que incluem mais problemas físicos, psicológicos, cognitivos, comportamentais, sociais e emocionais (Afifi et al., 2012Afifi, T., Mota, N., Dasiewicz, P., MacMillan, H., & Sareen, J. (2012). Physical punishment and mental disorders: Results from a nationally representative US sample. Pediatrics, 130(2), 184-192.; Azevedo & Maia, 2006Azevedo, M., & Maia, A. (2006). Maus-tratos à criança. Lisboa: Climepsi Editores.; Nurius, Logan-Greene, & Green, 2012Nurius, P., Logan-Greene, P., & Green, S. (2012). Adverse Childhood Experiences (ACE) within a social disadvantage framework: Distinguishing unique, cumulative, and moderated contributions to adult mental health. Journal of Prevention & Intervention in the Community, 40(4), 278-290.; Widom, Czaja, Bentley, & Johnson, 2012Widom, C., Czaja, S., Bentley, T., & Johnson, M. (2012). A prospective investigation of physical health outcomes in abused and neglect children: New findings from a 30-year follow-up. American Journal of Public Health, 102(6), 1135-1144.). O aumento do risco de desenvolvimento de transtornos do foro psíquico, nomeadamente depressão e tentativas de suicídio, está entre um dos resultados mais consistentes. Por exemplo, estudos têm verificado que existe uma relação significativa entre experiências adversas e sintomatologia depressiva (Mullen, Martin, Anderson, Romans, & Herbison, 1996Mullen, P., Martin, J., Anderson, J., Romans, S., & Herbison, G. (1996). The long-term impact of the physical, emotional, and sexual abuse of children: A community study., Child Abuse & Neglect 20(1), 7-21.; MacMillan et al., 2001MacMillan, H., Fleming, J., Streiner, D., Lin, E., Boyle, M., Jamieson, E. Beardslee, W (2001). Childhood abuse and lifetime psychopathology in a community sample., American Journal of Psychiatry 158(11), 1878-1883.). Um dos mais conhecidos, o Adverse Childhood Experiences Study (ACE Study), de Felitti et al. (1998)Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258., recorreu a uma amostra de mais de 17.mil pessoas, constatando que a prevalência dos sintomas depressivos no ano anterior à avaliação era proporcional à história de exposição às experiências adversas. Os resultados do ACE Study indicam que os indivíduos sujeitos a quatro ou mais tipos de experiências adversas na infância ou adolescência têm mais 460% de probabilidade de vir a sofrer de depressão (Felitti, 2002Felitti, V. (2002). The relation between adverse childhood experiences and adult health: Turning gold into lead. The Permanent Journal, 6(1), 44-47.). A relação positiva entre a adversidade e a depressão é empiricamente consensual, tendo-se verificado sistematicamente que quanto maior o número de experiências adversas vivenciadas, maior o risco de se desenvolver uma perturbação depressiva (Anda et al., 2006; Chapman et al., 2004Chapman, P., Whitfield, L., Felitti, V., Dube, R., Edwards, J., & Anda, F. (2004). Adverse childhood experiences and the risk of depressive disorders in adulthood. Journal of Affective Disorders, 82(2), 217-225.; Dube, Felitti, Dong, Giles, & Anda, 2003Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.). Além disso, seu grau de severidade também aumenta (Lu et al., 2008Lu, W., Mueser, K., Rosenberg, S., & Jankowski, M. (2008). Correlates of adverse childhood experiences among adults with severe mood disorders. Psychiatric Services, 59(9), 1018-1026.).

As investigações são também consistentes quanto ao fato de as experiências adversas constituírem um fator de risco para tentativas de suicídio. No âmbito do ACE Study, foi observado que a adversidade aumenta o risco de tentativas de suicídio, uma vez que quem experienciava sete ou mais de suas categorias, tinha a probabilidade de tentar suicídio aumentada em 31,1 vezes (Dube et al., 2001Dube, S., Anda, R., Felitti, V., Chapman, D., Williamson, D., & Giles, W. (2001). Childhood abuse, household dysfunction, and the risk of attempted suicide throughout the life span: Findings from the adverse childhood experiences study. American Medical Association, 286(24), 3089-3095.). O estudo de Silva e Maia (2010Silva, S., & Maia, A. (2010). Experiências adversas na infância e tentativas de suicídio em adultos com obesidade mórbida. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 32(3), 69-72.), com uma amostra de 100 adultos com obesidade mórbida, evidenciou que as tentativas de suicídio eram prevalentes nessa população, e constatou que estavam relacionadas com o relato de adversidade na infância, sendo o total delas um preditor significativo de tentativas de suicídio.

Em suma, a literatura sugere que o impacto das experiências adversas na infância sobre o índice de depressão e tentativas suicidas é significativo, cumulativo e destrutivo (Felitti, 2002Felitti, V. (2002). The relation between adverse childhood experiences and adult health: Turning gold into lead. The Permanent Journal, 6(1), 44-47.; Felitti et al., 1998Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.), e alguns estudos têm procurado averiguar quais dessas experiências mais contribuem para o transtorno mental posterior. Por exemplo, um estudo muito recente, de Nurius et al. (2012Nurius, P., Logan-Greene, P., & Green, S. (2012). Adverse Childhood Experiences (ACE) within a social disadvantage framework: Distinguishing unique, cumulative, and moderated contributions to adult mental health. Journal of Prevention & Intervention in the Community, 40(4), 278-290.), verificou que as mais nefastas são transtorno mental parental, abuso emocional e abuso físico. Este último foi também identificado por Afifi et al. (2012Afifi, T., Mota, N., Dasiewicz, P., MacMillan, H., & Sareen, J. (2012). Physical punishment and mental disorders: Results from a nationally representative US sample. Pediatrics, 130(2), 184-192.), ao usarem uma amostra americana (n = 34.653), como sendo associado a transtornos de humor e de ansiedade, transtornos relacionados ao uso de substâncias e de distúrbios de personalidade. Neste último trabalho, o autor concluiu que a eliminação dessa prática traria uma diminuição de 2 a 5% nos transtornos do eixo I e de 4 a 7% nos transtornos do eixo II. Em relação a experiências concretas relacionadas com tentativas de suicídio, Fuller-Thomson e Dalton (2011Fuller-Thomson, E., & Dalton, A. (2011). Suicidal ideation among individuals whose parents have divorced: Findings from a representative Canadian community survey. Psychiatry Research, 187(1-2), 150-155.) verificaram que adultos que vivenciaram na infância divórcio parental têm maior probabilidade de desenvolver ideação suicida. Nas mulheres essa associação deixou de ser significativa quando outros tipos de adversidade foram incluídas nas análises, sugerindo que outras experiências adversas coocorrentes têm maior impacto do que o divórcio entre os pais.

No entanto, de forma discordante, um outro estudo evidenciou que a vivência de abuso na infância combinado com divórcio parental aumentava a probabilidade de ideação e tentativa de suicídio em comparação com os indivíduos que foram expostos apenas ao divórcio entre os pais ou a outro tipo de adversidade. Dessa forma, conclui que tanto o divórcio quanto outras experiências adversas estão associados à ideação e tentativas de suicídio (Afifi, Boman, Fleisher, & Sareen, 2009Afifi, T., Boman, J., Fleisher, W., & Sareen, J. (2009). The relationship between child abuse, parental divorce, and lifetime mental disorders and suicidality in a nationally representative adult sample. Child Abuse & Neglect, 33(3), 139-147.).

Apesar da consistência dos resultados sobre a relação entre vitimação na infância e transtorno mental na idade adulta, alguns autores (Edwards et al., 2003Edwards, V., Holden, G., Felitti, V., & Anda, R. (2003). Relationship between multiple forms of childhood maltreatment and adult mental health in community respondents: Results from the adverse childhood experiences study. American Journal of Psychiatry, 160(8), 1453-1460.) têm alertado para o fato da maioria das investigações centrar-se em apenas um ou dois tipos de experiências adversas. Por essa razão, neste estudo analisamos 10 categorias de adversidade: 5 contra o indivíduo (abuso emocional, físico, sexual, negligência física e emocional) e 5 do ambiente familiar (familiares consumidores de álcool e/ou drogas, transtorno mental ou suicídio na história familiar, prisão de um familiar, violência doméstica contra a figura materna e divórcio entre os pais). Assim, espera-se fazer uma caracterização mais abrangente das experiências adversas e evitar que se atribua, de forma errônea, a influência a um único tipo de abuso (Felitti et al., 1998Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.), bem como para não ignorar a evidência de exposição a outras formas de adversidade (Rodgers et al., 2004Rodgers, C., Lang, A., Laffaye, C., Satz, L., Dresselhaus, T., & Stein, M. (2004). The impact of individual forms of childhood maltreatment on health behavior., Child Abuse & Neglect 28(5), 575-586.).

Devido ao fato de as mulheres reportarem mais que os homens a exposição a experiências adversas na infância e tentativas de suicídio (Dube et al., 2001Dube, S., Anda, R., Felitti, V., Chapman, D., Williamson, D., & Giles, W. (2001). Childhood abuse, household dysfunction, and the risk of attempted suicide throughout the life span: Findings from the adverse childhood experiences study. American Medical Association, 286(24), 3089-3095.; Dube et al., 2003Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.; Edwards et al., 2003Edwards, V., Holden, G., Felitti, V., & Anda, R. (2003). Relationship between multiple forms of childhood maltreatment and adult mental health in community respondents: Results from the adverse childhood experiences study. American Journal of Psychiatry, 160(8), 1453-1460.), além da associação entre adversidade e depressão também ser mais forte entre elas (MacMillan et al., 2001MacMillan, H., Fleming, J., Streiner, D., Lin, E., Boyle, M., Jamieson, E. Beardslee, W (2001). Childhood abuse and lifetime psychopathology in a community sample., American Journal of Psychiatry 158(11), 1878-1883.) e existir maior vulnerabilidade e morbidade psicológica, este estudo foca-se no sexo feminino. Até o momento, nenhuma investigação explorou esse fenômeno apenas em mulheres analisando um total de 10 tipos de adversidade.

Dessa forma, os objetivos deste trabalho são caracterizar a prevalência das experiências adversas autorrelatadas em mulheres adultas portuguesas e avaliar se essas experiências estão relacionadas a sintomas depressivos e tentativas de suicídio. Além disso, buscou-se analisar especificamente a contribuição de cada tipo de experiência para as variáveis dependentes estudadas. De acordo com a literatura prevê-se: 1) uma elevada prevalência de experiências adversas relatadas; 2) uma relação significativa entre experiências adversas na infância e índice de sintomatologia depressiva na idade adulta; e 3) que a adversidade seja um preditor de sintomatologia depressiva e tentativas de suicídio.

Método

Participantes

A amostra foi constituída por 225 mulheres com idades compreendidas entre 18 e 78 anos (Média - M = 36,30, Desvio-Padrão - DP = 11,506), numa amostragem de conveniência, as quais foram recrutadas entre usuárias e profissionais de centros de qualificação profissional e outras instituições de apoio social. Os critérios de inclusão que caracterizaram as participantes foram: serem mulheres adultas residentes no Norte do país e que compreendessem o português, sendo que a maioria das delas pertencia a um grupo socioeconômico baixo. As pessoas que aceitaram participar durante o período do estudo também foram incluídas na amostra. Apenas oito pessoas recusaram o convite referindo falta de tempo. Outras características sociodemográficas estão descritas na Tabela 1.

Instrumentos

Um Questionário Sociodemográfico foi usado para recolher informações acerca da idade,

Tabela 1
Características demográficas das participantes. Portugal, 2012

estado civil, escolaridade e situação profissional das participantes, além disso, foi utilizada a versão portuguesa do Adverse Childhood Experiences (ACE) Study Questionnaire (Felitti et al., 1998Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.; Silva & Maia, 2008Silva, S., & Maia, A. (2008). Versão portuguesa do Family ACE Questionnaire. In A. Noronha, C. Machado, L. Almeida, M. Gonçalves, S. Martins, & V. Ramalho (Coords.), Actas: .. Braga: Psiquilibrios ), a qual inclui questões de autorrelato acerca de 10 categorias de experiências adversas divididas em duas áreas: experiências sobre as quais a criança é vítima direta (abuso emocional, físico e sexual e negligência física e emocional) e experiências integradas num contexto familiar disfuncional (familiares consumidores de substâncias, transtorno mental ou suicídio na família, prisão de um membro familiar, violência doméstica contra a figura materna e divórcio entre os pais).

Para cada uma dessas áreas existe um conjunto de questões que permite avaliar a ocorrência da experiência, sendo que a resposta é cotada com valor 0 (zero) ou 1 (um). As questões de abuso físico e emocional e de negligência só são cotadas com 1 quando a resposta é "muitas vezes" ou "muitíssimas vezes". Para cada categoria, a participante era definida como sendo vítima de uma experiência adversa se pontuasse positivamente em um de seus itens.

Esse questionário possibilita calcular o Índice Total de Adversidade. Este corresponde ao somatório dos valores obtidos por cada indivíduo nas 10 categorias, podendo variar de zero (quando não há relato de qualquer experiência adversa) a 10 (quando existe o relato de adversidade de todos os tipos). Estudos de consistência temporal mostram que a versão portuguesa apresenta valores adequados (Pinto, Correia, & Maia, 2014Pinto, R., Correia, L., & Maia, A. (2014). Assessing the reliability of retrospective reports of adverse childhood experiences among adolescents with documented childhood maltreatment. Journal of Family Violence29(4), 431-438. http://dx.doi.org/10.1007/s10896-014-9602-9
https://doi.org/10.1007/s10896-014-9602-...
; Silva & Maia, 2013Silva, S., & Maia, A. (2013). The stability of self-reported adverse experiences in childhood: A longitudinal study on obesity. Journal of Interpersonal Violence28(10), 1989-2004http://dx.doi.org/10.1177/0886260512471077
https://doi.org/10.1177/0886260512471077...
).

O Brief Symptoms Inventory (BSI, Inventário de Sintomas Psicopatológicos) (Derogatis, 1982; versão portuguesa de Canavarro, 1999Canavarro, M. (1999). Inventário de sintomas psicopatológicos: B.S.I. In M. Simões, M. Gonçalves, & L. Almeida (Orgs.),Testes e provas psicológicas em Portugal (Vol.2, pp.87-109). Braga: APPORT/SHO.) foi utilizado para avaliar a sintomatologia psicológica na última semana. Ele é composto por nove subescalas que avaliam diferentes dimensões psicopatológicas (Somatização, Obsessões-Compulsões, Sensibilidade Interpessoal, Depressão, Ansiedade, Hostilidade, Ansiedade Fóbica, Ideação Paranoide e Psicoticismo); no entanto, neste estudo foi utilizada somente a de depressão, que é constituída por seis itens organizados numa escala tipo Likert em que a resposta varia de "nunca" a "muitíssimas vezes". A adaptação portuguesa mostra que o instrumento tem boas características psicométricas. No nosso estudo a consistência interna (alpha de Cronbach) dessa escala foi de 0,848. As tentativas de suicídio foram medidas através da questão "Alguma vez se tentou suicidar?".

Procedimentos

Inicialmente foi pedida autorização à Comissão de Ética para a realização deste estudo, tendo sido obtida sob o Protocolo CA_CIPsi_082012. A coleta de dados ocorreu em Centros de Novas Oportunidades, onde as participantes estavam em processo de formação, e entre usuárias e profissionais de vários serviços de apoio social localizados no norte do país. Nos casos de participantes com baixa escolaridade recorreu-se ao relato de uma terceira pessoa. Em todos os casos explicitou-se a garantia de que a informação recolhida permaneceria anônima e confidencial colhendo, também, a assinatura de Termo de Consentimento. As informações foram recolhidas entre novembro de 2008 e outubro de 2012.

Todos os dados foram introduzidos e analisados no software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS, versão 19.0). Recorreu-se à estatística descritiva para caracterizar os participantes em termos sociodemográficos, bem como para obter a frequência e percentagem das diferentes categorias de adversidade.

A análise exploratória dos dados revelou não terem sido cumpridos os pressupostos necessários à utilização de testes paramétricos. No entanto, estes foram utilizados, juntamente com os equivalentes não paramétricos, como sugerido por Fife-Schaw (2006Fife-Schaw, C. (2006). Levels of measurement. In G. M. Breakwell, S. Hammond, C. Fife-Schaw, & J. A. Smith (Eds.), Research methods in Psychology (3rd ed.). London: Sage.). Como as conclusões de ambos foram iguais em todos os casos, optou-se por apresentar os resultados dos testes paramétricos devido à sua maior robustez e da possibilidade de uso de análises multivariadas, reduzindo, assim, o número de testes realizados e, consequentemente, o erro do Tipo I.

Foi efetuado um teste t em uma amostra a fim de analisar as diferenças existentes entre as participantes e a população portuguesa no que diz respeito à sintomatologia depressiva. A regressão linear hierárquica foi utilizada para analisar se as experiências adversas são preditores desta sintomatologia, controlando o nível educacional. A significância do modelo foi testada tendo por base o R 2 change statistics. Os testes Qui-quadrado foram usados para avaliar a associação entre a variável "tentativas de suicídio" e diferentes categorias de experiências adversas. Para analisar o poder preditivo da adversidade total para as tentativas de suicídio efetuou-se uma análise de regressão logística.

Resultados

Verificou-se que 213 (95,9%) das mulheres estudadas revelaram ter vivido pelo menos uma experiência adversa na infância, sendo que destas, 38 (17,1%) disseram ter experienciado 5 ou mais tipos de adversidade. A média de experiências foi de 2,92 (DP = 1,76). A frequência de cada uma das categorias de adversidade encontra-se na Tabela 2. A média da sintomatologia depressiva foi 0,95 (DP = 0,87) e 17 participantes (7,6%) indicaram já ter tentado o suicídio.

Com relação à média dos sintomas depressivos, a realização de um teste t para uma amostra, considerando os dados da adaptação portuguesa (Canavarro, 1999Canavarro, M. (1999). Inventário de sintomas psicopatológicos: B.S.I. In M. Simões, M. Gonçalves, & L. Almeida (Orgs.),Testes e provas psicológicas em Portugal (Vol.2, pp.87-109). Braga: APPORT/SHO.), permitiu verificar que não há diferenças significativas em relação à população geral (M = 0,946; DP = 0,870 vs M = 0,893;

DP = 0,722), t (218) = 0,901, p = 0,369. Verificou-se que a adversidade total estava positivamente relacionada com os sintomas depressivos (r = 0,289, p < 0,001). Apesar da ampla variação de idade das participantes, verificou-se não existir associação entre a mesma e sintomas depressivos, r = 0,021, p = 0,760. Levando em consideração que um grande número de participantes estava desempregada, foi avaliado se havia diferenças no que diz respeito à sintomatologia depressiva em função da situação profissional e verificou-se que estas não existiam, t (208) = -1,007, p = 0,315. O mesmo não aconteceu com o nível de escolaridade, F (6, 214) = 3,209, p = 0,005. Frente a esses resultados, realizou-se uma regressão hierárquica para analisar a contribuição da totalidade da adversidade controlando o nível de escolaridade, tendo verificado que o modelo explicava 6,6% da variância dos sintomas depressivos, sendo significativo, F (1, 212) = 15,555, p < 0,001, t= 3,944, p < 0,001. O β da adversidade foi de 0,264.

Com relação a cada tipo de adversidade, as mulheres que relataram abuso emocional

(t (217) = -2,894, p = 0,004), abuso físico (t (217) = 4,417, p < 0,001) ou negligência emocional (t (216) = -2,558, p = 0,011), tinham familiares consumidores de substâncias (t (217) = -2,227, p = 0,027) ou com transtorno mental (t (217) = -2,513, p = 0,013), apre-

Tabela 2
Frequência e percentagem de cada uma das categorias de adversidade. Portugal, 2012

sentavam maior sintomatologia depressiva em comparação com as que não foram expostas a essas experiências adversas. No que diz respeito às tentativas de suicídio, verificou-se que as participantes que as relataram apresentavam maior exposição à adversidade total em comparação com as que não tiveram atos suicidas (t (220) = -5,214, p < 0,001).

Constatou-se também que as tentativas de suicídio estavam associadas ao abuso emocional (χ2 (1) = 5,157, p = 0,023), sexual (χ2 (1) = 15,832, p < 0,001), negligência física (χ2 (1) = 21,878, p < 0,001), familiares consumidores de álcool e/ou drogas (χ2 (1) = 13,715, p < 0,001) e transtorno mental na história familiar (χ2 (1) = 5,092, p = 0,024). A regressão logística, usando como preditor a adversidade total e controlando a sintomatologia depressiva, evidenciou que o modelo obtido é significativo, χ2 (1) = 14,579, p < 0,001, sendo que o aumento de um ponto na adversidade total aumenta o risco de tentativas de suicídio em 1,818 vezes.

Discussão

Este estudo procurou verificar a prevalência de experiências adversas autorrelatadas em mulheres adultas e analisar a sua conexão com sintomatologia depressiva e tentativas de suicídio. Os resultados sugerem uma elevada prevalência de experiências adversas autorrelatadas e verificou-se que estas estão associadas ao índice de sintomatologia depressiva atual e tentativas de suicídio. Esses resultados corroboram com as hipóteses inicialmente colocadas. Os resultados são consistentes com estudos anteriores os quais demonstram que as experiências adversas são altamente prevalentes e coocorrentes (Anda et al., 2006Anda, R., Felitti, V., Bremner, D., Walker, J., Whitfield, C., Perry, B, Giles, W. (2006). The enduring effects of abuse and related adverse experiences in childhood: A convergence of evidence from neurobiology and epidemiology. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 256(3), 174-186.; Edwards et al., 2003Edwards, V., Holden, G., Felitti, V., & Anda, R. (2003). Relationship between multiple forms of childhood maltreatment and adult mental health in community respondents: Results from the adverse childhood experiences study. American Journal of Psychiatry, 160(8), 1453-1460.; Felitti, 2002Felitti, V. (2002). The relation between adverse childhood experiences and adult health: Turning gold into lead. The Permanent Journal, 6(1), 44-47.; Lu et al., 2008Lu, W., Mueser, K., Rosenberg, S., & Jankowski, M. (2008). Correlates of adverse childhood experiences among adults with severe mood disorders. Psychiatric Services, 59(9), 1018-1026.).

O presente estudo está de acordo com os resultados encontrados por Lu et al. (2008Lu, W., Mueser, K., Rosenberg, S., & Jankowski, M. (2008). Correlates of adverse childhood experiences among adults with severe mood disorders. Psychiatric Services, 59(9), 1018-1026.), pois os tipos de adversidade mais relatados foram violência doméstica e abuso físico. No entanto, a prevalência das diversas categorias de adversidade que foram reportadas apresenta-se superior à encontrada em estudos anteriores. Isso pode decorrer do fato de o sexo feminino relatar um maior número de experiências adversas (Edwards et al., 2003Edwards, V., Holden, G., Felitti, V., & Anda, R. (2003). Relationship between multiple forms of childhood maltreatment and adult mental health in community respondents: Results from the adverse childhood experiences study. American Journal of Psychiatry, 160(8), 1453-1460.) e como outros estudos, em sua maioria, apresentam amostras mistas, o relato não é tão expressivo como aquele aqui encontrado.

Foi evidenciado que o abuso emocional, a presença de consumo de substâncias e de transtorno mental na história familiar são os tipos de adversidade que permitem distinguir as mulheres com relação a sintomatologia depressiva e, simultaneamente, encontram-se relacionados com as tentativas de suicídio. Esses dados estão de acordo com o que foi encontrado por Nurius et al. (2012Nurius, P., Logan-Greene, P., & Green, S. (2012). Adverse Childhood Experiences (ACE) within a social disadvantage framework: Distinguishing unique, cumulative, and moderated contributions to adult mental health. Journal of Prevention & Intervention in the Community, 40(4), 278-290.), os quais sugerem que o abuso emocional e o transtorno mental na família são os tipos de adversidade que mais efeitos negativos trazem no que tange à psicopatologia.

Por outro lado, verificou-se ainda que, a situação profissional não se encontra associada aos os sintomas depressivos. Uma explicação possível pode ser o fato de as mulheres desempregadas que participaram do presente estudo encontrarem-se em processo de formação em Centros de Novas Oportunidades, ou seja, estarem ativas em termos de formação e enriquecimento pessoal.

De acordo com resultados encontrados em outras pesquisas, este estudo permite concluir que a adversidade na infância está associada aos sintomas depressivos na idade adulta (Afifi et al., 2012Afifi, T., Mota, N., Dasiewicz, P., MacMillan, H., & Sareen, J. (2012). Physical punishment and mental disorders: Results from a nationally representative US sample. Pediatrics, 130(2), 184-192.; Edwards et al., 2003Edwards, V., Holden, G., Felitti, V., & Anda, R. (2003). Relationship between multiple forms of childhood maltreatment and adult mental health in community respondents: Results from the adverse childhood experiences study. American Journal of Psychiatry, 160(8), 1453-1460.; Felitti et al., 1998Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.; Lu et al., 2008Lu, W., Mueser, K., Rosenberg, S., & Jankowski, M. (2008). Correlates of adverse childhood experiences among adults with severe mood disorders. Psychiatric Services, 59(9), 1018-1026.) sendo um preditor significativo desses sintomas (Anda et al., 2006Anda, R., Felitti, V., Bremner, D., Walker, J., Whitfield, C., Perry, B, Giles, W. (2006). The enduring effects of abuse and related adverse experiences in childhood: A convergence of evidence from neurobiology and epidemiology. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 256(3), 174-186.; Dube et al., 2003Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.; LaNoue, Graeber, Hernandez, Warner, & Helitzer, 2012LaNoue, M., Graeber, D., Hernandez, B., Warner, T., & Helitzer, D. (2012). Direct and indirect effects of childhood adversity on adult depression. Community Mental Health Journal, 48(2), 187-192.). O fato da adversidade ser preditora de tentativas de suicídio também foi encontrado através de investigação empírica já existente (Dube et al., 2003Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.; Felitti et al., 1998Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.). Dube et al. (2001)Dube, S., Anda, R., Felitti, V., Chapman, D., Williamson, D., & Giles, W. (2001). Childhood abuse, household dysfunction, and the risk of attempted suicide throughout the life span: Findings from the adverse childhood experiences study. American Medical Association, 286(24), 3089-3095., mostraram que um acréscimo de uma unidade na adversidade aumenta a possibilidade de tentativa de suicídio em 60%. Os nossos resultados apresentam expressão idêntica aos encontrados por Silva e Maia (2010Silva, S., & Maia, A. (2010). Experiências adversas na infância e tentativas de suicídio em adultos com obesidade mórbida. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 32(3), 69-72.), que demonstraram que as tentativas de suicídio tinham um risco aumentado em 2.026 vezes por cada acréscimo de um ponto na totalidade da adversidade. Esses dados também estão de acordo com o encontrado por Fuller-Thomson e Dalton (2011Fuller-Thomson, E., & Dalton, A. (2011). Suicidal ideation among individuals whose parents have divorced: Findings from a representative Canadian community survey. Psychiatry Research, 187(1-2), 150-155.) o qual evidencia que o divórcio parental não está associado com as tentativas suicidas.

A relação entre adversidade, sintomas depressivos e tentativas de suicídio pode ser explicada através de diversos mecanismos. Alguns autores sugerem que essa relação pode resultar não das experiências adversas em si, mas de fatores de risco que lhes estão associados, como pobreza, ausência de apoio social etc. (Dube et al., 2003Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.; MacMillan et al., 2001MacMillan, H., Fleming, J., Streiner, D., Lin, E., Boyle, M., Jamieson, E. Beardslee, W (2001). Childhood abuse and lifetime psychopathology in a community sample., American Journal of Psychiatry 158(11), 1878-1883.). Um outro modelo sugere que as experiências de adversidade se relacionam com um conjunto de características, como desregulação emocional, baixa autoestima, vinculação insegura ou dificuldades interpessoais, e que são essas características que constituem fragilidades para o desenvolvimento posterior de depressão e tentativas de suicídio, podendo atuar como mediadores nessa relação (Dube et al., 2001Dube, S., Anda, R., Felitti, V., Chapman, D., Williamson, D., & Giles, W. (2001). Childhood abuse, household dysfunction, and the risk of attempted suicide throughout the life span: Findings from the adverse childhood experiences study. American Medical Association, 286(24), 3089-3095.; Figueiredo, Fernandes, Matos, & Maia, 2002Figueiredo, B., Fernandes, E., Matos, R., & Maia, A. (2002)Maus tratos na infância: trajectórias desenvolvimentais e intervenção psicológica na idade adultaIn R. Abrunhosa & C. Machado (Coords.),Violência e vítimas de crimes (Vol.1, pp.200-263). Coimbra: Quarteto.; Whiffen, Thompson, & Aube, 2000Whiffen, V., Thompson, J., & Aube, J., (2000). Mediators of the link between childhood sexual abuse and adult depressive symptoms., Journal of Interpersonal Violence 15(10), 1100-1120.).

Estudos da neurociência têm apontado outra explicação, evidenciando que as experiências adversas são uma condição ambiental externa que traz diversas mudanças biológicas. Quando essas experiências são repetidas na infância o sistema de estresse está continuamente ativo, afetando o sistema límbico e o córtex pré-frontal medial (Anda et al., 2006Anda, R., Felitti, V., Bremner, D., Walker, J., Whitfield, C., Perry, B, Giles, W. (2006). The enduring effects of abuse and related adverse experiences in childhood: A convergence of evidence from neurobiology and epidemiology. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 256(3), 174-186.; Dube et al., 2003Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.; Maia, 2010Maia, A. (2010). Abordagens neuropsicológicas à vitimação. In C. Machado (Org.), Vitimologia: das novas abordagens teóricas às novas formas de intervenção (pp.81-102). Braga: Psiquilibrios.). Dessa forma, experiências repetidas de adversidade potenciam alterações neuroanatômicas (estrutura cerebral) e neurofisiológicas (funcionamento cerebral) que acompanham permanentemente o indivíduo (Anda et al., 2006Chapman, P., Whitfield, L., Felitti, V., Dube, R., Edwards, J., & Anda, F. (2004). Adverse childhood experiences and the risk of depressive disorders in adulthood. Journal of Affective Disorders, 82(2), 217-225.).

Este estudo é relevante pois é necessária uma maior compreensão desse fenômeno para poder ajustar e adequar os programas de prevenção e intervenção. Tendo em conta a prevalência e o impacto dessas experiências, torna-se fundamental desenvolver estratégias de prevenção primária, secundária e terciária (Azevedo & Maia, 2006Azevedo, M., & Maia, A. (2006). Maus-tratos à criança. Lisboa: Climepsi Editores.; Felitti et al., 1998Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.) de forma a melhorar o estado de saúde das mulheres e a prevenir o suicídio (Dube et al., 2001Dube, S., Anda, R., Felitti, V., Chapman, D., Williamson, D., & Giles, W. (2001). Childhood abuse, household dysfunction, and the risk of attempted suicide throughout the life span: Findings from the adverse childhood experiences study. American Medical Association, 286(24), 3089-3095.).

Os programas de prevenção e de intervenção devem ser promovidos em diferentes contextos socioeconômicos, no entanto, tornam-se particularmente importantes nas populações mais vulneráveis e necessitadas. O objetivo é o de diminuir a incidência da adversidade e as suas consequências e, simultaneamente, fornecer e potencializar as capacidades da população para prolongar as mudanças obtidas a longo prazo, tornando-a autônoma. Assim, intervenções são necessárias para promover uma melhoria na saúde comunitária e, por outro lado, quebrar o ciclo intergeracional. Esse ciclo sugere que pais com problemas sociais, físicos, emocionais e psíquicos expõem os filhos a experiências adversas precoces, e se estas são preditivas da psicopatologia, então prevê-se que essas crianças sofrerão mais tarde de perturbações psíquicas, dando continuidade ao ciclo intergeracional quando do nascimento de seus filhos. As estratégias adotadas devem ser individuais, comunitárias, multidisciplinares e multidimensionais (Larkin, Shields, & Anda, 2012Larkin, H., Shields, J., & Anda, R. (2012). The health and social consequences of Adverse Childhood Experiences (ACE) across the lifespan: An introduction to prevention and intervention in the community. Journal of Preventive & Intervention in the Community, 40(4), 263-270.; Nurius et al., 2012Nurius, P., Logan-Greene, P., & Green, S. (2012). Adverse Childhood Experiences (ACE) within a social disadvantage framework: Distinguishing unique, cumulative, and moderated contributions to adult mental health. Journal of Prevention & Intervention in the Community, 40(4), 278-290.) refletindo uma conceitualização ecossistêmica em que todos os fatores de risco e proteção são considerados (Azevedo & Maia, 2006Azevedo, M., & Maia, A. (2006). Maus-tratos à criança. Lisboa: Climepsi Editores.).

Os resultados encontrados indicam que a exposição a experiências adversas durante a infância está associada, e é preditora, do índice de sintomas depressivos e tentativas de suicídio durante a idade adulta em mulheres portuguesas. Desse modo, torna-se necessário desenvolver programas de prevenção que levem em consideração a influência das experiências adversas em todo o ciclo vital, especialmente em contextos sociodemográficos mais desfavorecidos.

Apesar de sua contribuição, este estudo tem algumas limitações. Primeiro, é retrospectivo e usa medidas de autorrelato, o que pode ter levado a um viés no sentido de sub ou sobre reportar as experiências de adversidade (Dube et al., 2003Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.; Felitti et al., 1998Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.; Lu et al., 2008Lu, W., Mueser, K., Rosenberg, S., & Jankowski, M. (2008). Correlates of adverse childhood experiences among adults with severe mood disorders. Psychiatric Services, 59(9), 1018-1026.). Isso pode decorrer de fatores como estado de humor, problemas de memória e saúde mental (Hardt & Rutter, 2004Hardt, J., & Rutter, M. (2004). Validity of adult retrospective reports of adverse childhood experiences: Review of the evidence. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 45(2), 260-273.) tornando-se pertinente a questão: "o que é relatado é que influencia a psicopatologia ou é o nível de psicopatologia que influencia o que é relatado?". Apesar dessa consideração, um estudo recente e que utilizava o mesmo instrumento (Silva & Maia, 2013Silva, S., & Maia, A. (2013). The stability of self-reported adverse experiences in childhood: A longitudinal study on obesity. Journal of Interpersonal Violence28(10), 1989-2004http://dx.doi.org/10.1177/0886260512471077
https://doi.org/10.1177/0886260512471077...
), mostrou que o estado de humor não se relacionava com o número de adversidades relatadas.

Segundo, trata-se de um estudo transversal, o que não permite que se estabeleça relações causais. No entanto, Afifi et al. (2012Afifi, T., Mota, N., Dasiewicz, P., MacMillan, H., & Sareen, J. (2012). Physical punishment and mental disorders: Results from a nationally representative US sample. Pediatrics, 130(2), 184-192.) sugerem que não experienciar abuso físico traria uma diminuição da incidência de diferentes perturbações, o que decorre da assunção de uma possível relação causal entre abuso físico e perturbações mentais. Terceiro, não foi avaliada a exposição à adversidade na idade adulta. Essa seria uma informação relevante, pois, de acordo com LaNoue et al. (2012LaNoue, M., Graeber, D., Hernandez, B., Warner, T., & Helitzer, D. (2012). Direct and indirect effects of childhood adversity on adult depression. Community Mental Health Journal, 48(2), 187-192.), a relação entre adversidade e sintomas depressivos é parcialmente mediada pela vivência de experiências adversas na idade adulta. Quarto, a amostra não é representativa da população portuguesa, não possibilitando, desta forma, generalizar os resultados aqui encontrados.

Sugere-se, como investigações futuras, a análise das experiências adversas em diferentes fases de vida e a exploração de diversos fatores que possam ser mediadores (e.g., apoio social, estilo de vinculação, presença de experiências de vida positivas etc.) na relação entre adversidade e psicopatologia.

Referências

  • Afifi, T., Boman, J., Fleisher, W., & Sareen, J. (2009). The relationship between child abuse, parental divorce, and lifetime mental disorders and suicidality in a nationally representative adult sample. Child Abuse & Neglect, 33(3), 139-147.
  • Afifi, T., Mota, N., Dasiewicz, P., MacMillan, H., & Sareen, J. (2012). Physical punishment and mental disorders: Results from a nationally representative US sample. Pediatrics, 130(2), 184-192.
  • Anda, R., Felitti, V., Bremner, D., Walker, J., Whitfield, C., Perry, B, Giles, W. (2006). The enduring effects of abuse and related adverse experiences in childhood: A convergence of evidence from neurobiology and epidemiology. European Archives of Psychiatry and Clinical Neuroscience, 256(3), 174-186.
  • Azevedo, M., & Maia, A. (2006). Maus-tratos à criança. Lisboa: Climepsi Editores.
  • Canavarro, M. (1999). Inventário de sintomas psicopatológicos: B.S.I. In M. Simões, M. Gonçalves, & L. Almeida (Orgs.),Testes e provas psicológicas em Portugal (Vol.2, pp.87-109). Braga: APPORT/SHO.
  • Chapman, P., Whitfield, L., Felitti, V., Dube, R., Edwards, J., & Anda, F. (2004). Adverse childhood experiences and the risk of depressive disorders in adulthood. Journal of Affective Disorders, 82(2), 217-225.
  • Dube, S., Anda, R., Felitti, V., Chapman, D., Williamson, D., & Giles, W. (2001). Childhood abuse, household dysfunction, and the risk of attempted suicide throughout the life span: Findings from the adverse childhood experiences study. American Medical Association, 286(24), 3089-3095.
  • Dube, S., Felitti, V., Dong, M., Giles, W., & Anda, R. (2003). The impact of adverse childhood experiences on health problems: Evidence from four birth cohorts dating back to 1900. Preventive Medicine, 37(3), 268-277.
  • Edwards, V., Holden, G., Felitti, V., & Anda, R. (2003). Relationship between multiple forms of childhood maltreatment and adult mental health in community respondents: Results from the adverse childhood experiences study. American Journal of Psychiatry, 160(8), 1453-1460.
  • Felitti, V. (2002). The relation between adverse childhood experiences and adult health: Turning gold into lead. The Permanent Journal, 6(1), 44-47.
  • Felitti, V., Anda, R., Nordenberg, D., Williamson, D., Spitz, A., Edwards Marks, J., (1998). Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: The Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of, Preventive Medicine 14(4), 245-258.
  • Fife-Schaw, C. (2006). Levels of measurement. In G. M. Breakwell, S. Hammond, C. Fife-Schaw, & J. A. Smith (Eds.), Research methods in Psychology (3rd ed.). London: Sage.
  • Figueiredo, B., Fernandes, E., Matos, R., & Maia, A. (2002)Maus tratos na infância: trajectórias desenvolvimentais e intervenção psicológica na idade adultaIn R. Abrunhosa & C. Machado (Coords.),Violência e vítimas de crimes (Vol.1, pp.200-263). Coimbra: Quarteto.
  • Fuller-Thomson, E., & Dalton, A. (2011). Suicidal ideation among individuals whose parents have divorced: Findings from a representative Canadian community survey. Psychiatry Research, 187(1-2), 150-155.
  • Hardt, J., & Rutter, M. (2004). Validity of adult retrospective reports of adverse childhood experiences: Review of the evidence. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 45(2), 260-273.
  • LaNoue, M., Graeber, D., Hernandez, B., Warner, T., & Helitzer, D. (2012). Direct and indirect effects of childhood adversity on adult depression. Community Mental Health Journal, 48(2), 187-192.
  • Larkin, H., Shields, J., & Anda, R. (2012). The health and social consequences of Adverse Childhood Experiences (ACE) across the lifespan: An introduction to prevention and intervention in the community. Journal of Preventive & Intervention in the Community, 40(4), 263-270.
  • Lu, W., Mueser, K., Rosenberg, S., & Jankowski, M. (2008). Correlates of adverse childhood experiences among adults with severe mood disorders. Psychiatric Services, 59(9), 1018-1026.
  • Maia, A. (2010). Abordagens neuropsicológicas à vitimação. In C. Machado (Org.), Vitimologia: das novas abordagens teóricas às novas formas de intervenção (pp.81-102). Braga: Psiquilibrios.
  • MacMillan, H., Fleming, J., Streiner, D., Lin, E., Boyle, M., Jamieson, E. Beardslee, W (2001). Childhood abuse and lifetime psychopathology in a community sample., American Journal of Psychiatry 158(11), 1878-1883.
  • Mullen, P., Martin, J., Anderson, J., Romans, S., & Herbison, G. (1996). The long-term impact of the physical, emotional, and sexual abuse of children: A community study., Child Abuse & Neglect 20(1), 7-21.
  • Nurius, P., Logan-Greene, P., & Green, S. (2012). Adverse Childhood Experiences (ACE) within a social disadvantage framework: Distinguishing unique, cumulative, and moderated contributions to adult mental health. Journal of Prevention & Intervention in the Community, 40(4), 278-290.
  • Pinto, R., Correia, L., & Maia, A. (2014). Assessing the reliability of retrospective reports of adverse childhood experiences among adolescents with documented childhood maltreatment. Journal of Family Violence29(4), 431-438. http://dx.doi.org/10.1007/s10896-014-9602-9
    » https://doi.org/10.1007/s10896-014-9602-9
  • Rodgers, C., Lang, A., Laffaye, C., Satz, L., Dresselhaus, T., & Stein, M. (2004). The impact of individual forms of childhood maltreatment on health behavior., Child Abuse & Neglect 28(5), 575-586.
  • Silva, S., & Maia, A. (2008). Versão portuguesa do Family ACE Questionnaire In A. Noronha, C. Machado, L. Almeida, M. Gonçalves, S. Martins, & V. Ramalho (Coords.), Actas: .. Braga: Psiquilibrios
  • Silva, S., & Maia, A. (2010). Experiências adversas na infância e tentativas de suicídio em adultos com obesidade mórbida. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, 32(3), 69-72.
  • Silva, S., & Maia, A. (2013). The stability of self-reported adverse experiences in childhood: A longitudinal study on obesity. Journal of Interpersonal Violence28(10), 1989-2004http://dx.doi.org/10.1177/0886260512471077
    » https://doi.org/10.1177/0886260512471077
  • Whiffen, V., Thompson, J., & Aube, J., (2000). Mediators of the link between childhood sexual abuse and adult depressive symptoms., Journal of Interpersonal Violence 15(10), 1100-1120.
  • Widom, C., Czaja, S., Bentley, T., & Johnson, M. (2012). A prospective investigation of physical health outcomes in abused and neglect children: New findings from a 30-year follow-up. American Journal of Public Health, 102(6), 1135-1144.

  • 1
    Artigo baseado na dissertação de V.C.P. PINTO, intitulada "Adversity, depressive symptoms and suicide attempts: A comparison between women in prison and women in the community". Universidade do Minho, 2013

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Oct-Dec 2015

Histórico

  • Recebido
    20 Fev 2013
  • Revisado
    10 Jul 2013
  • Aceito
    28 Jun 2013
Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas Núcleo de Editoração SBI - Campus II, Av. John Boyd Dunlop, s/n. Prédio de Odontologia, 13060-900 Campinas - São Paulo Brasil, Tel./Fax: +55 19 3343-7223 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: psychologicalstudies@puc-campinas.edu.br