Accessibility / Report Error

Armazenamento de sementes de Parkia pendula (Willd.) Benth. ex Walp. (FABACEAE) em diferentes embalagens e ambientes

Storage of Parkia pendula (Willd.) Benth. ex Walp. (FABACEAE) seeds in different types of packaging and environments

Resumos

Parkia pendula (angelim-saia) é uma árvore natural na Amazônia brasileira. Com o objetivo de avaliar o comportamento germinativo e a qualidade fisiológica, suas sementes foram acondicionadas em embalagens de diferentes permeabilidades: sacos de alumínio, plástico e papel, e armazenadas por um período de seis meses, nos ambientes câmara refrigerada e ambiente natural. Foram avaliados: teor de água; porcentagem de germinação; tempos médios de emissão de raiz e plântulas; comprimento e massa seca de plântulas ao segundo, quarto e sexto mês, e a produção de mudas no início e no término do armazenamento. As sementes mantêm-se viáveis e com qualidade por seis meses de armazenamento. Em câmara refrigerada, as embalagens recomendadas são sacos de plástico e de papel. No ambiente natural, é possível usar os três tipos de embalagens. Sementes armazenadas na câmara refrigerada por seis meses produziram mudas de melhor qualidade para a característica relação altura/diâmetro de colo, para sementes armazenadas em saco plástico e saco de alumínio.

conservação; angelim-saia; qualidade fisiológica


Parkia pendula (Angelim-saia) is a natural tree in the Brazilian Amazonia. The objective of this study was to evaluate the germination behavior and physiological quality of its seeds. To this end, seeds were stored in packages of different permeability: aluminum, plastic and paper bags. They were then stored for six months in two environments: in a refrigerated chamber and under natural environment. The following attributes were assessed: water content; germination percentage; mean emergence time of the roots and seedlings; length and dry matter of seedlings after two, four and six months; and seedling production at the beginning and end of the storage period. The seeds remained viable and presented high quality after six months of storage. For the storage of seeds in refrigerated chamber, packaging in plastic and paper bags is recommended. Under natural environment, it is possible to use the three types of packaging. Seeds stored in refrigerated chamber for six months produced seedlings of better quality with respect to the height:diameter ratio of the stem for seeds stored in plastic and aluminum bags.

conservation; angelim-saia; physiological quality


  • Aguiar IB. Conservação de sementes. In: Silva A, Piña-Rodrigues FCM, Figliola MB, editores. Manual técnico de sementes florestais São Paulo: Instituto Florestal; 1995. Série Registros n. 14.
  • Azevedo MRQA, Gouveia JPG, Trovão DMM, Queiroga VP. Influência das embalagens e condições de armazenamento no vigor de sementes de gergelim. Engenharia Agrícola e Ambiental 2003; 7(3): 519-524. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-43662003000300019
  • Barbosa AP, Vastano B Jr, Varela VP. Tratamentos pré-germinativos de sementes de espécies florestais amazônicas II – visgueiro (Parkia pendula Benth. Leguminosae-mimosoideae). Acta Amazonica 1984; 14(1/2): 280-288.
  • Bello EPBCS. Influência de substratos, temperatura, estresse hídrico e armazenamento na germinação de Torresea acreana Ducke [dissertação]. Cuiabá: Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária; 2005.
  • Bezerra AME, Medeiros S Fo, Freitas JBS, Teófilo EM. Avaliação da qualidade das sementes de Moringa oleifera Lam. durante o armazenamento. Ciência e Agrotecnologia 2004; 28(6): 1240-1246. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-70542004000600004
  • Biruel RP, Aguiar IB, Paula RC. Germinação de sementes de pau-ferro submetidas a diferentes condições de armazenamento, escarificação química, temperatura e luz. Revista Brasileira de Sementes 2007; 29(3): 151-159. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31222007000300018
  • Borghetti F. Dormência embrionária. In: Ferreira AG, Borghetti F, editores. Germinação: do básico ao aplicado Porto Alegre: Artmed; 2004.
  • Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes Brasília: MAPA/ACS; 1992.
  • Cardoso VJM. Dormência. In: Ferreira AG, Borghetti F, editores. Germinação: do básico ao aplicado Porto Alegre: Artmed; 2004.
  • Carneiro JGA. Produção e controle de qualidade de mudas florestais Curitiba: FUPEF; Campos dos Goytacazes: UENF; 1995.
  • Carneiro JGA, Aguiar IB. Armazenamento de sementes. In: Aguiar IB, Piña-Rodrigues FCM, Figliolia MB, coordenadores. Sementes florestais tropicais Brasília: ABRATES; 1993.
  • Carvalho NM, Nakagawa J. Sementes: ciência, tecnologia e produção 4. ed. Jaboticabal: FUNEP; 2000.
  • Costa LG, Silva AG, Senna DS, Mendonça AR. Efeito do armazenamento de sementes de Tabebuia heptaphylla no poder germinativo. In: Anais do X Congresso de Ecologia do Brasil; 2011; São Lourenço: Sociedade Ecologia do Brasil; 2011. p. 1-2.
  • Davide AC, Carvalho LR, Carvalho MLM, Guimarães RM. Classificação fisiológica de sementes de espécies florestais pertencentes à família Lauraceae quanto à capacidade de armazenamento. Cerne 2003; 9(1): 29-36.
  • Figliolia MB, Piña-Rodrigues FCM. Manejo de sementes florestais São Paulo: Instituto Florestal; 1995. Série Registros n. 15.
  • Horing RC, Mojena PA, Pelissari F. Qualidade fisiológica de sementes e estudos morfológicos de plântulas de Enterolobium shomburgkii (Benth) [online]. 2012. [cited 2014 Apr 6]. Available from: http://malinovski.com.br/CongressoFlorestal/Trabalhos/05-Silvicultura/SIL-Artigo-29.pdf
  • Johnson JD, Cline PM. Seedling quality of southern pines. In: Duerya ML, Dougherty PM, editors. Forest regeneration manual Dordrecht: Kluwer Academic Publishers; 1991.. http://dx.doi.org/10.1007/978-94-011-3800-0_8
  • Kageyama PY, Sánchez SPA, Ferraz EM, Souza LMC. Armazenamento de sementes de três espécies nativas (Tabebuia heptaphylla, Erytrhina verna e Chorisia speciosa). In: Anais do 2º Congresso Nacional Sobre Essências Nativas; 1992; São Paulo: Instituto Florestal de São Paulo; 1992. p. 435.
  • Lima VVF, Vieira DLM, Salomão AN, Mundim RC, Servilha AC. Germinação de espécies de floresta decidual após armazenamento: implicações para restauração. Revista Brasileira de Biociências 2007; 9(2): 96-98.
  • Loureiro AA, Freitas JA, Ramos KBL, Freitas CAA. Essências madeireiras da Amazônia Manaus: MCT/INPA/CPPF; 2000. vol. 4.
  • Marcos J Fo. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas Piracicaba: Fealq; 2005.
  • Melo PRB. Qualidade fisiológica e armazenamento de sementes de ipê-verde (Cybistax antisyphilitica (Mart.) Mart.) [dissertação]. Jaboticabal: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias; 2009.
  • Nakagawa J. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: Krzyzanowski FC, Vieira RD, França Neto JB, editores. Vigor de sementes: conceitos e testes Londrina: ABRATES; 1999.
  • Piña-Rodrigues FCM, Martins RB. Dormência: conceito, tipos e formas de superação. In: Mori ES, Piña-Rodrigues FCM, Freitas NP. Sementes florestais: guia para germinação de 100 espécies nativas São Paulo: Instituto Refloresta, 2012.
  • Souza MH, Magliano MM, Camargos JAA. Madeiras tropicais brasileiras Brasília: IBAMA/LPF; 1997.
  • Villela FA, Perez WB. Coleta, beneficiamento e armazenamento. In: Ferreira AG, Borghetti F, editores. Germinação: do básico ao aplicado Porto Alegre: Artmed; 2004.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    10 Out 2014
  • Data do Fascículo
    Dez 2014

Histórico

  • Recebido
    06 Ago 2013
  • Aceito
    05 Ago 2014
Instituto de Florestas da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Rodovia BR 465 Km 7, CEP 23897-000, Tel.: (21) 2682 0558 | (21) 3787-4033 - Seropédica - RJ - Brazil
E-mail: floram@ufrrj.br