O Projeto Scene de Gordon Craig: uma história aberta à revisão

Le Projet Scene de Gordon Craig: une histoire ouverte à révision

Luiz Fernando Ramos Sobre o autor

RESUMO

O artigo propõe uma revisão do projeto Scene, de Gordon Craig, uma invenção patenteada em 1910 e desenvolvida até 1922. O próprio Craig manteve uma posição ambígua sobre se foi ou não um projeto irrealizado. Seu filho e biógrafo Edward Craig sustentou que as aspirações originais de Craig nunca foram alcançadas devido a limitações técnicas, e a maioria dos estudiosos que examinaram o assunto seguiram essa posição. Partindo das telas modelos guardadas na Biblioteca Nacional da França, dos cadernos de anotação originais de Craig e de um curta-metragem de 1963, eu defendo que o projeto patenteado e o ensaio publicado em 1923 representam, de fato, a concretização do sonhado dispositivo das mil cenas em uma cena.

Palavras-chave:
Telas; Cena; Modelos; Cenotécnica; História

RÉSUMÉ

L'article a pour but de faire une révision du projet Scene, de Gordon Craig, une invention brevetée en 1910 et développée jusqu'en 1922. Craig lui-même a soutenu une position ambiguë s'il s'agissait ou non d'un projet irréalisé. Son fils et biographe, Edward Craig a défendu que les aspirations originales de Craig n'aient jamais été atteintes à cause des limitations techniques et la plupart des chercheurs qui ont examiné la question ont suivi cette position. Je pars des écrans modèles gardés à la Bibliothèque Nationale de France, des cahiers d'annotations originaux de Craig et d'un court métrage datant de 1963, pour défendre que le projet breveté et l'essai publié en 1923 représentent la vraie concrétisation du dispositif rêvé des milles scènes en une scène.

Mots-clés:
Écrans; Scène; Modèles; Techniques de Scénographie; Histoire

ABSTRACT

The article proposes a review of Gordon Craig's Scene project, an invention patented in 1910 and developed until 1922. Craig himself kept an ambiguous position whether it was an unfulfilled project or not. His son and biographer Edward Craig sustained that Craig's original aims were never achieved because of technical limitation, and most of the scholars who examined the matter followed this position. Departing from the actual screen models saved in the Bibliothèque Nationale de France, Craig's original notebooks, and a short film from 1963, I defend that the patented project and the essay published in 1923 mean, indeed, the materialisation of the dreamed device of the thousand scenes in one scene.

Keywords:
Screens; Scene; Models; Stagecraft; History

Texto completo disponível apenas em PDF.

Referências

  • BABLET, Denis. The Theatre of Edward Gordon Craig. London: Eyre Methuen, 1981.
  • CRAIG, Edward Gordon. Scene (Notebook). Paris: Bibliothèque Nationale de France, 1910. (Microfilm Craig's Collection.)
  • CRAIG, Edward Gordon. Model A - scale of measurements. Paris: Bibliothèque Nationale de France , 1910. (Microfilm Craig's Collection.)
  • CRAIG, Edward Gordon. Scene. London: Humphrey Milford, Oxford University Press, 1923.
  • CRAIG, Edward Gordon. Catalogue of an Exhibition of Drawings and Models for Hamlet, Macbeth, the Vikings and Other Plays. Manchester: Manchester Art Gallery, 1912.
  • CRAIG, Edward Gordon. A Word of Recognition. In: CRAIG, Edward Gordon. Toward a New Theatre - forty designs for stage scenes with critical notes by the inventor Edward Gordon Craig. New York: Benjamin Blon Inc., 1969.
  • CRAIG, Edward. Gordon Craig: the story of his life. New York: Alfred A. Knopf, 1968.
  • DORN, Karen. Dialogue into Movement: W. B Yeats's theatre collaboration with Gordon Craig. In: DORN, Karen. Players and Painted Stage: the theatre of W. B. Yeats. Sussex/New Jersey: The Harvest Press/Barnes and Nobles, 1984.
  • EDWARD Gordon Craig. Direção: P. Guilbert e A. Venstein. Paris: Bibliothèque Nationale de France , 1963. 16mm, son., black and white. (Gordon Craig Collection.)
  • EYNAT-CONFINO, Irène. Beyond the Mask: Gordon Craig, movement, and the actor. Carbondale: Southern Illinois University Press, 1987.
  • INNES, Christopher. Edward Gordon Craig: a vision of theatre. London/New York: Routledge, 1998.
  • NEWMAN, L. M. Resources for the Future Study of Edward Gordon Craig: the seventh annual Gordon Craig memorial lecture, Venice. In: NEWMAN, L. M. Gordon Craig Archive: international survey. London: Malkin Press, 1974.
  • ROOD, Arnold. After the Practice, the Theory: Gordon Craig and the movement. Typescript of the 3rd Annual Gordon Craig Lecture, prepared for publication in Theatre Research, with some additional material. New York: Victoria & Albert Museum, 1970.
  • ROOD, Arnold. After the Practice, the Theory: Gordon Craig and the movement. Theatre Research, Cambridge, Cambridge University Press, v. II, n. 2-3, p. 81-101, 1971.
  • SENELICK, Lawrence. Gordon Craig's Moscow Hamlet. Westport/London: Greenwood Press, 1982.
  • SYMONS, Arthur. A New Art of the Stage. In: SYMONS, Arthur. Studies in Seven Arts. New York: E. P. Duton and Co., 1907.
  • YEATS, William Butler. Plays for an Irish Theatre. London/Stratford-Upon-Avon: A. H. Bullen, 1911.

  • 1
    Edward Gordon Craig (1963), dirigido por P. Guilbert e A. Venstein.
  • 2
    Traduz-se screens por telas. Algumas versões em francês e português preferem traduzir as screens de Craig por paravent e biombos, respectivamente, devido a serem dobráveis. Essa opção corrobora a diferença entre os primeiros desenhos e o projeto Scene, que está aqui sendo contestada. Por isso, segue-se o exemplo da língua inglesa, que utiliza a palavra screen tanto para telas planas como para dobráveis.
  • 3
    Em 1913, depois de já ter trabalhado duro com seus modelos e telas portáteis por muito tempo, no livro Towards a New Theatre, com quarenta imagens - algumas recentemente gravadas, outras gravuras em metal feitas em 1907 -, Craig já esboçava a ideia de uma evolução histórica de padrões cênicos, uma que seria plenamente desenvolvida na versão final do seu texto chamado Scene, nos anos 1920. Ali, basicamente, ele vai definitivamente afirmar que sua invenção, aquela patenteada em 1910, significa um quinto período na história do teatro - o primeiro teria sido o teatro grego; o segundo, o teatro medieval cristão; o terceiro, a commedia dell'arte; e o quarto, o teatro pós-renascentista, apresentado no interior de prédios, e que, de acordo com Craig, sobrecarregou a teatralidade com o fardo da representação realista.
  • 4
    "Pois então eu teria dado a vocês a coisa em si mesma, não sua parecença, tivesse eu sido apoiado depois de ter mostrado o que eu podia fazer. Mas, mesmo a despeito de toda essa indiferença, eu fui capaz de levar o trabalho um estágio adiante em direção à realidade movendo-o um degrau atrás. Nesse sentido, essas gravuras são o que podemos chamar um trabalho com parentesco com um outro do qual emergiu. Este outro é menor - pretende fazer menos - demanda menos - e em alguns aspectos assemelha-se com sua fonte original. Foi um subproduto dos vinte desenhos no final desse livro. Essa cena menor, 'As mil cenas em uma cena', eu a usei em um teatro em Moscou para uma montagem de Hamlet, e foi usada por W. B. Yeats, a quem eu tive o orgulho de dá-la, em algumas apresentações no seu velho Abbey Theatre. Mas mesmo que tenha sido plenamente utilizada, eu suponho, em quinhentas performances, nunca foi utilizada como eu a planejei de ser usadas, com a exceção dos dois grandes modelos que eu construí em Florença. Nestes pequenos palcos eu permiti que existissem e se comportaram bem. Em Moscou e em Dublin não esteve tão livre para ser ela mesma e eu não posso admitir que tenha desempenhado bem (Craig, 1923, p. 19-20).
  • 5
    A coleção de Arnold Rood foi doada por ele, antes de sua morte, em 1985, ao Victoria & Albert Museum de Londres, Inglaterra, e pode ser pesquisada na sala de consulta da Blythe House, um prédio da instituição em Kensington Olympia.
  • 6
    Arnold Rood, seguindo a sugestão de Edward Craig, magnifica o papel desempenhado por Isadora Duncan e suas práticas de dança em estilo livre na formulação do projeto Scene de Craig.
  • 7
    Ele publicou as ilustrações com as especificações técnicas das patentes e alguns dos desenhos cênicos para algumas das produções que Craig projetou graficamente.
  • 8
    Para conhecer a opinião de Le Boeuf sobre as profundas contradições em sua produção teórica, veja-se seu artigo As Contradições Internas de Gordon Craig neste número da Revista Brasileira de Estudos da Presença.
  • 9
    Os modelos eram muito similares a teatros de bonecos, com uma estrutura de caixa cênica em que as telas podiam ser manipuladas e iluminadas.
  • 10
    A série de gravuras em metal nomeada Scene foi produzida em 1907 e publicada em Towards a New Theatre (1913).
  • 11
    Eynat-Confino fez uma detalhada descrição das produções da Purcell Operatic Society: Dido & Aeneas (1900), Masque of Love (1901) e Acis and Galatea (1902) (Eynat-Confino, 1987, p. 34-41).
  • 12
    Desde Dido & Aeneas, de 1900, Craig esteve fazendo, de fato, um importante movimento em direção à ideia de uma Scene, este novo lugar que historicamente marcaria uma nova concepção do espaço teatral. Duas outras encenações excepcionais, feitas nos dois anos seguintes, seriam alcançadas: Masque of Love, em 1901 (a partir de Dioclecian, de Purcell, e apresentada no Coronet Theatre, em Nothing Hill, numa sessão dupla com Dido & Aeneas); e Acis and Galatea, em 1902 (de Haendel e apresentada no Great Queen Theatre em uma sessão dupla com Masque of Love). No mesmo curta-metragem de André Venstein já citado, Craig recorda claramente essas encenações do passado e afirma que elas foram as melhores coisas que ele efetivamente fez no teatro.
  • 13
    Transcrição da fala de Craig em Edward Gordon Craig (1963).
  • 14
    Transcrição da fala de Craig em Edward Gordon Craig (1963).
  • 15
    Na medida inglesa, um inch mede 2,54 centímetros, e um foot, 12 inches, ou 30,48 centímetros. Um metro, portanto, teria um pouco mais do que três feet (pés).
  • 16
    O texto foi republicado sob o subtítulo Model Scenes, com autorização do Times, no catálogo de outra exibição dos cenários modelos de Craig, realizada em 1912, em Manchester: Catalogue of an Exhibition of Drawings and Models for Hamlet, Macbeth, the Vikings and Other Plays (Craig, 1912).
  • 17
    Karen Dorn detalha como Yeats, trabalhando com as telas de Craig, mudou completamente a primeira encenação de The Hour Glass, de 1905, na montagem feita em 1911, e mesmo a versão dramática do texto, na segunda encenação com as telas, em 1912 (Dorn, 1984, p. 23-33).
  • 18
    Em novembro de 2013, eu propus aos estudantes do Professor Hugh Denard, professor assistente em Artes Digitais e Humanidades do Trinity College Dublin, o desenvolvimento de um Jogo de Telas virtual, feito a partir das especificações técnicas das patentes do projeto Scene. Eles desenvolveram efetivamente uma simulação virtual do uso das telas que Yeats fez na montagem de The Hour Glass no Abbey Theatre, em 1911. Veja em: <http://craigscreens.blog.oldabbeytheatre.net/>.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Dez 2014

Histórico

  • Recebido
    01 Mar 2014
  • Aceito
    11 Maio 2014
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Paulo Gama s/n prédio 12201, sala 700-2, Bairro Farroupilha, Código Postal: 90046-900, Telefone: 5133084142 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: rev.presenca@gmail.com
Accessibility / Report Error