Fatores associados ao burnout em profissionais de saúde durante a pandemia de Covid-19: revisão integrativa

Juliana Pontes Soares Nathalia Hanany Silva de Oliveira Tatiana de Medeiros Carvalho Mendes Samara da Silva Ribeiro Janete Lima de Castro Sobre os autores

RESUMO

A explosão da pandemia do novo coronavírus aumentou a sobrecarga de trabalho, em que, os profissionais de saúde foram submetidos a circunstâncias de grande desgaste físico e psicológico que podem levar ao desenvolvimento de burnout. O estudo objetivou compreender os efeitos e consequências do trabalho durante a pandemia da Covid-19 na saúde mental dos profissionais de saúde e fatores que podem estar associados ao desenvolvimento da Síndrome de burnout. Trata-Se de revisão integrativa nas bases de dados PubMed, Cinahl, Scopus, Embase e BVS, utilizando os descritores: “health personnel”, “burnout, professional”, e “Covid-19”, com o operador booleano AND. Resultaram-se, inicialmente, 229 artigos, e após critérios de inclusão e exclusão, a amostra final foi de 12 artigos. Por meio da Classificação Hierárquica Descendente, realizada pelo software IRaMuTeQ, obteve-se um dendrograma com 6 classes, nomeadas ‘Profissionais de Enfermagem e sexo feminino’, ‘Vivência no trabalho em saúde’, ‘Sobrecarga de trabalho e incertezas com o futuro’, ‘Idade dos profissionais’, ‘Medo de infecção e transmissão’, ‘Linha de frente no combate à pandemia’. Evidenciou-se que experiência profissional, condições de trabalho, situação financeira, relação entre trabalho e família, medo de contaminação e transmissão da doença foram os principais fatores associados ao desenvolvimento de burnout em profissionais de saúde.

PALAVRAS-CHAVE
Esgotamento psicológico; Profissional de saúde; Covid-19

ABSTRACT

The outbreak of the new coronavirus pandemic has increased the workload on health professionals, who have been subjected to circumstances of great physical and psychological stress that can lead to the development of burnout. This study aimed to understand the effects and consequences of working during the Covid-19 pandemic on the mental health of healthcare workers and factors that may be associated with the development of burnout syndrome. This is an integrative review performed on the PubMed, Cinahl, Scopus, Embase and VHL databases, using the descriptors: “health personnel”, “burnout, professional”, and “Covid-19”, with the Boolean operator AND. The initial search resulted in 229 articles, and after the application of inclusion and exclusion criteria, the final sample consisted of 12 articles. Through the Descending Hierarchical Classification, performed by the IRaMuTeQ, software, a dendrogram with 6 classes was obtained, named ‘Nursing professionals and female gender’, ‘Experience in health work’, ‘Work overload and uncertainties about the future’, ‘Age of professionals’, ‘Fear of infection and transmission’, ‘Front line in the fight against the pandemic’. It was evidenced that profes- sional experience, working conditions, financial situation, relationship between work and family, fear of contamination and transmission of the disease were the main factors associated with the development of burnout in health professionals.

KEYWORDS
Burnout; psychological; Health personnel; Covid-19

Introdução

A explosão da pandemia pelo novo coronavírus e o aumento crescente do número de novos casos e mortes pela doença resultaram em consequências sociais, econômicas e sanitárias para a população11 Freitas ARR, Napimoga M, Donalisio MR. Assessing the severity of Covid-19. Epidemiol Serv Saúde. 2020; 29(2):e2020119.. Medidas como distanciamento social foram adotadas para controlar o avanço da doença, afetando a população em muitas dimensões das condições de vida e de saúde - entre elas, de forma significativa, a saúde mental22 Barros MBA, Lima MG, Malta DC, et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de Covid-19. Epidemiol. Serv. Saude. 2020; 29(4):e2020427..

Alterações no sono, nervosismo, tristeza, depressão e ansiedade foram citados como principais consequências da pandemia na saúde mental da população, e esses se mostraram agravados em pessoas com histórico de depressão22 Barros MBA, Lima MG, Malta DC, et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de Covid-19. Epidemiol. Serv. Saude. 2020; 29(4):e2020427..

No contexto de trabalho dos profissionais de saúde na pandemia de Covid-19, houve um aumento da sobrecarga de trabalho, e mesmo sem conhecer ao certo a doença, estes passaram a enfrentar uma elevada demanda de pacientes, com um quantitativo insuficiente de recursos humanos e infraestrutura inadequada nos serviços de saúde33 Barroso BIL, Souza MBCA, Bregalda MM, et al. A saúde do trabalhador em tempos de Covid-19: reflexões sobre saúde, segurança e terapia ocupacional. Cad Bras Ter Ocup. 2020; 28(3):1093-1102..

Além dos fatores já mencionados, outros desafios impostos pela pandemia, como a elevada transmissibilidade do vírus e a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), impactaram diretamente na saúde mental dos trabalhadores33 Barroso BIL, Souza MBCA, Bregalda MM, et al. A saúde do trabalhador em tempos de Covid-19: reflexões sobre saúde, segurança e terapia ocupacional. Cad Bras Ter Ocup. 2020; 28(3):1093-1102., contribuindo para o desenvolvimento da síndrome de burnout, visto que os profissionais ficam em contato direto com todos os determinantes da referida síndrome.

Entre as consequências do adoecimento dos profissionais de saúde pelo burnout44 Whittemore R. Combining in nursing research: methods and implications. Nurs Res. 2005; 54(1):56-62., podem-se citar: redução do desempenho dos trabalhadores, má qualidade do atendimento, comprometimento da segurança do paciente, aumento de eventos adversos, erros de medicação, maior número de infecções, quedas do paciente, entre outros55 Dall’Ora C, Ball J, Reinius M, et al. Burnout em enfermagem: uma revisão teórica. Hum Resour Health. 2020; 18(1):1-17..

A síndrome de burnout tem sido descrito na literatura nacional e internacional como uma síndrome psicológica de exaustão emocional, despersonalização e redução da realização pessoal que pode ocorrer entre indivíduos que trabalham com outras pessoas de alguma forma66 Maslach C, Jackson SE, Leiter M. The maslach Burnout inventory manual. In: Zalaquett CP, Wood RJ. Evaluating stress: a book of resources. 3. ed. Palo Alto, CA: The Scarecrow Press; 1997. p. 191-218. [acesso em 2022 fev 7]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/277816643_The_Maslach_Burnout_Inventory_Manual
https://www.researchgate.net/publication...
, sendo resultante do estresse crônico no local de trabalho que não foi administrado com sucesso77 World Health Organization. International Classification of Diseases for Mortality and Morbidity Statistics (ICD-11 MMS). Genebra: WHO; 2021..

É reconhecida como um problema que pode afetar diversas ocupações ao redor do mundo, contudo, estudiosos ressaltam que o problema está enraizado em ocupações que envolvem a prestação de serviços e cuidados, o que se aplica ao trabalho desenvolvido pelos profissionais de saúde88 Maslach C, Leiter M, Schaufeli WB. Measuring Burnout. In: Cooper CL, Cartwright S. The Oxford handbook of organizational well-being. 4. ed. Oxford: Oxford University Press; 2009. cap. 5. p. 86-108.. Estes, frequentemente, lidam com problemas complexos e trabalham continuamente sob circunstâncias que podem levar ao desenvolvimento de burnout66 Maslach C, Jackson SE, Leiter M. The maslach Burnout inventory manual. In: Zalaquett CP, Wood RJ. Evaluating stress: a book of resources. 3. ed. Palo Alto, CA: The Scarecrow Press; 1997. p. 191-218. [acesso em 2022 fev 7]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/277816643_The_Maslach_Burnout_Inventory_Manual
https://www.researchgate.net/publication...
. A Agency for Healthcare Research and Quality estimou que, em 2015, a síndrome poderia afetar de 10% a 70% dos enfermeiros e de 30% a 50% dos médicos, enfermeiros e assistentes médicos. Esse percentual pode ter aumentado no decorrer do tempo99 Bridgeman PJ, Bridgeman MB, Barone J. Burnout syndrome among healthcare professionals. Am J Health-Syst Pharm. 2018; 75(3):147-52..

Diante do atual contexto, refletiu-se sobre a seguinte questão norteadora: quais os fatores que estão associados ao desenvolvimento da síndrome de burnout em profissionais de saúde durante a pandemia de Covid-19, segundo a literatura nacional e internacional?

Nesse sentido, foi desenvolvida a presente Revisão Integrativa com o objetivo de compreender os efeitos e as consequências do trabalho durante a pandemia de Covid-19 na saúde mental dos profissionais de saúde e fatores que podem estar associados ao desenvolvimento da síndrome de burnout.

Material e métodos

Trata-se de um artigo de revisão integrativa. A escolha por esse tipo de estudo ocorreu, pois este permite sintetizar resultados de estudos anteriormente desenvolvidos, com diferentes abordagens metodológicas, e fornecer informações mais amplas sobre determinado assunto/problema/questão por meio de evidências científicas44 Whittemore R. Combining in nursing research: methods and implications. Nurs Res. 2005; 54(1):56-62..

Para alcançar o objetivo proposto, a revisão integrativa seguiu as etapas que são essenciais para seu desenvolvimento: identificação do tema e seleção da questão de pesquisa; estabelecimento dos critérios de elegibilidade; identificação dos estudos nas bases científicas; avaliação dos estudos selecionados e análise crítica; categorização dos estudos; avaliação e interpretação dos resultados e apresentação dos dados na estrutura da revisão integrativa44 Whittemore R. Combining in nursing research: methods and implications. Nurs Res. 2005; 54(1):56-62..

A questão norteadora foi desenvolvida utilizando a estratégia Pico/Peco (acrônimo de Patient, Intervention/Exposure, Comparison, Outcomes), em que ‘P’ refere-se aos profissionais de saúde, ‘E’ refere-se à pandemia de Covid-19, ‘C’ não se aplicou na presente revisão, ‘O’ refere-se à síndrome de burnout.

Para compor o corpus da pesquisa, buscaram-se artigos na internet no período de 14 a 17 de setembro de 2020. Foram utilizadas cinco bases de dados: PubMed, Cinahl, Scopus, Embase e BVS. Para garantir o controle de vocabulário e a identificação de palavras correspondentes, utilizou-se o Medical Subject Heading Terms (MeSH Terms). Os descritores utilizados na busca foram os seguintes: “health personnel”, “burnout, professional”, e “Covid-19”, esses foram combinados utilizando o operador booleano AND em todas as bases. Para a busca dos artigos, não foram considerados Bancos de Teses e Dissertações por serem documentos que não foram submetidos a revisão por pares e por se tratar de uma temática recente; considerando o período pesquisado, não foram localizados documentos correspondentes.

A partir do conjunto de descritores para a busca dos artigos que integraram esta revisão e por meio dos filtros das próprias bases de dados, estabeleceram-se os seguintes critérios de inclusão: artigos publicados a partir de dezembro de 2019, mês e ano do surgimento do novo coronavírus, disponíveis na íntegra, sem restrição de idiomas. Cada referência foi importada para o software Rayyan QCRI, por meio do qual foram excluídas as repetições entre e nas bases de dados. Os critérios de exclusão foram: ser artigo de revisão e duplicidade dentro e entre as bases utilizadas, não apresentar descritores no título ou no resumo dos artigos selecionados. Também foram excluídos, comentários, críticas e editoriais da literatura. Como existem diferentes teorias de burnout, não restringimos essa definição de acordo com qualquer teoria específica. Ressalta-se que os estudos duplicados foram considerados apenas uma vez.

A primeira etapa da avaliação das referências incluídas constou da leitura dos títulos e resumos dos artigos; a segunda, da leitura na íntegra dos estudos; e a terceira e última, da avaliação na íntegra dos estudos incluídos. Em todas as etapas, a leitura e a análise dos artigos foram realizadas por dois pesquisadores independentes para evitar viés de seleção. Eventuais discordâncias foram discutidas e avaliadas conjuntamente com um terceiro pesquisador para estabelecer um consenso. Foram considerados os estudos que apresentaram em seus resultados participantes com síndrome de burnout independentemente do nível e das dimensões (exaustão emocional, despersonalização, realização profissional), visto que os instrumentos utilizados nos estudos selecionados possuem diferentes formas de serem analisados.

Os estudos selecionados foram sistematizados em um instrumento de coleta de dados, adaptado de um instrumento já validado por Ursi em 20051010 Ursi ES. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2005., que permitiu obter informações referentes a: título, periódico, ano de publicação, objetivos, amostra, método e resultados.

O nível de evidências dos estudos foi classificado da seguinte forma: nível I - estudos de metanálise de múltiplos estudos controlados e randomizados; nível II - estudos individuais com desenho experimental; nível III - estudos quase-experimentais, séries temporais ou caso-controle; nível IV - estudos descritivos (não experimentais ou abordagem qualitativa); nível V - relatos de caso ou de experiência; nível VI - opiniões de comitês de especialistas, incluindo interpretações de informações não baseadas em pesquisas, opiniões reguladoras ou legais1111 Stetler CB, Morsi D, Rucki S, et al. Utilization focused integrative reviews in a nursing service. Appl Nurs Res. 1998; 11(4):195-206..

Os artigos selecionados para a presente revisão apresentam como limitação serem majoritariamente estudos do tipo transversal, e, dessa forma não possibilitar estabelecer uma relação temporal entre os eventos, uma vez que se trata de uma observação direta de uma quantidade planejada de indivíduos em um único momento.

Por ser de um estudo de revisão integrativa, não se aplica ao método à etapa de qualificação dos estudos selecionados (primários), uma vez que se trata de uma das etapas das revisões sistemáticas1212 The Joanna Briggs Institute. Joanna Briggs Institute Reviewers’ Manual: 2014 edition/supplement. Adelaide: Joanna Briggs Institute; 2014.. Dessa forma, o presente estudo, ao identificar temas na área, pode ser direcionador de outros tipos de revisões mais robustas, a exemplo da sistemática, em que poderão ser qualificados os artigos primários, o que não pode ser realizado na escolha metodológica do presente estudo.

A análise dos dados foi realizada com o auxílio do software Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires (IRaMuTeQ, versão 0.7 alpha 2). O IRaMuTeQ é um software livre, que permite fazer análises estatísticas sobre corpus textuais. O corpus foi composto pela síntese dos artigos incluídos na revisão. Neste estudo, foi realizada a Classificação Hierárquica Descendente (CHD), que viabiliza a obtenção de classes de segmentos de texto que, ao mesmo tempo, apresentam vocabulário semelhante entre si, e vocabulário diferente dos segmentos de texto das outras classes1313 Camargo BV, Justo AM. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas Psicol. (Online). 2013; 21(2):513-18..

Resultados

As buscas nas bases de dados resultaram em um total de 229 artigos; destes, 128 foram excluídos por não corresponder ao estudo. Após a leitura de título e resumo, restaram 101, dos quais 65 estavam duplicados. Para leitura na íntegra, foram selecionados 36 artigos, e após a leitura, 24 foram excluídos por não estar de acordo com a temática. A amostra final foi composta por 12 artigos incluídos na presente revisão (figura 1).

Figura 1
Fluxograma da seleção dos estudos, adaptado do Prisma. Natal, Brasil, 2021

Todos os estudos que compuseram a amostra foram desenvolvidos no idioma inglês e publicados no ano de 2020. Quanto ao tipo de delineamento de pesquisa dos artigos avaliados, evidenciaram-se na amostra: 11 estudos do tipo transversal e 1 estudo descritivo. Dessa forma, em relação à força de evidência obtida nos artigos, todos foram classificados como nível de evidência IV. Os dados mostram a distribuição dos estudos em 11 periódicos; dentre eles, destaca-se Plos One com duas publicações (quadro 1).

Quadro 1
Descrição dos estudos selecionados para revisão segundo autor, título, periódico, ano de publicação, objetivo, método e nível de evidência. Natal, Brasil, 2021

Por meio da CHD realizada pelo software IRaMuTeQ, foram analisados 192 segmentos de texto, com retenção de 82,81% (192 segmentos de texto) do corpus textual para construção das seis classes advindas das partições de conteúdo. Cada classe foi representada pelas palavras mais significantes por intermédio do X22 Barros MBA, Lima MG, Malta DC, et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de Covid-19. Epidemiol. Serv. Saude. 2020; 29(4):e2020427. e p-valor (<0,05), com suas associações de acordo com as classes.

A figura 2 mostra o dendrograma das classes obtidas, que ilustra as partições feitas no corpus até a obtenção de seis classes finais, exibindo quais palavras foram mais frequentes em cada classe.

Figura 2
Dendrograma da Classificação Hierárquica Descendente do corpus sobre fatores que estão associados ao desenvolvimento da síndrome de burnout em profissionais de saúde durante a pandemia de Covid-19. Natal, Brasil, 2021

A classe 1, denominada ‘Profissionais de Enfermagem e sexo feminino’, contribuiu com 14,5% do total dos segmentos de textos; a classe 2, ‘Vivência no trabalho em saúde’, abrangeu 18,2% dos segmentos; a classe 3 trouxe uma contribuição de 22% do total de segmentos de texto, sendo nomeada como ‘Sobrecarga de trabalho e incertezas com o futuro’; a classe 4, ‘Idade dos profissionais’, comportou 13,2% do total dos segmentos de texto; a classe 5, denominada ‘Medo de infecção e transmissão’, representou 19,5% dos segmentos; e, por fim, a classe 6, que recebeu a denominação ‘Linha de frente no combate à pandemia’, trouxe uma contribuição de 12,6%.

Os diferentes percentuais atribuídos pelo IRaMuTeQ às seis classes resultantes da CHD referem-se ao quantitativo de palavras/subtemas que emergiram da análise dos artigos em cada classe, não se podendo inferir pelo método empregado que uma classe tem peso maior que a outra.

Discussão

Diversos são os fatores associados ao desenvolvimento da síndrome de burnout em profissionais de saúde durante a pandemia de Covid-19, fatores relacionados com o próprio profissional, o ambiente de trabalho e o convívio social.

A classe 1, denominada ‘Profissionais de Enfermagem e sexo feminino’, enfatizou que a categoria da enfermagem apresentou mais sintomas de ansiedade e depressão, e níveis mais elevados de burnout em relação às demais categorias profissionais. Os resultados emergem fatores específicos relativos ao desenvolvimento laboral dessa categoria profissional, uma vez que esses trabalhadores costumam ter turnos de trabalho prolongados devido a escassez de profissionais, pouco descanso, elevado nível de tensão e um contato mais próximo ao paciente, o que poderá resultar em fadiga física e exaustão emocional, sintomas característicos do desenvolvimento da síndrome1414 Ornell F, Halpern SC, Kessler FHP, et al. The impact of the Covid-19 pandemic on the mental health of healthcare professionals. Cad. Saúde Pública. 2020; 36(4):e00063520.,1515 Silva LS, Machado EL, Oliveira HN, et al. Condições de trabalho e falta de informações sobre o impacto da Covid-19 entre trabalhadores da saúde. Rev Bras Saúde Ocup. 2020; 45:1-8.e24..

Além dos fatores já citados, a literatura mostra que a baixa flexibilidade de horários, a pressão de tempo, a alta pressão e demandas psicológicas, a baixa variedade de tarefas, o conflito de papéis, a autonomia baixa, a má relação entre os enfermeiros e médicos, o baixo apoio da gestão, a má liderança, os relacionamentos conflitantes com a equipe e a insegurança no trabalho também são fatores que predispõe burnout na categoria de enfermagem55 Dall’Ora C, Ball J, Reinius M, et al. Burnout em enfermagem: uma revisão teórica. Hum Resour Health. 2020; 18(1):1-17..

Essa classe também mostrou que o sexo feminino apresentou maiores sintomas de transtorno mental. As mulheres apresentaram níveis de burnout, estresse pós-traumático, ansiedade e depressão maiores que os homens. Elas são mais suscetíveis ao desenvolvimento do burnout por uma série de fatores que podem ocorrer de forma individual ou simultaneamente: dupla jornada de trabalho, divididas entre profissional, materno e doméstico; remuneração; relação com pacientes e familiares; contato com a enfermidade; morte; falta de reconhecimento profissional; poucos recursos humanos para prestar um serviço de forma adequada que resulta na sobrecarga de trabalho; assim como a falta de autonomia no trabalho para tomar decisões1616 Jantsch N, Costa AEK, Pssaia LF. Síndrome de Burnout: uma revisão integrativa. Research, Society Develop. 2018; 7(1):01-18.

17 Modesto JG, Souza LM, Rodrigues TSL. Esgotamento profissional em tempos de pandemia e suas repercussões para o trabalhador. Rev Pegada. 2020; 21(2):376-91.
-1818 Moreira DS, Magnago RF, Sakae TM, et al. Prevalência da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(7):1559-1568.
.

No entanto, Jarruche e Mucci1919 Jarruche LT, Mucci S. Burnout syndrome in healthcare professionals: an integrative review. Rev. bioét. 2021; 29(1):162-173. destacam a necessidade do desenvolvimento de mais pesquisas sobre a síndrome de burnout a fim de estudar a prevalência do sexo feminino e seu impacto, bem como estudos envolvendo outras profissões além de enfermagem e medicina, visto que é preciso esclarecer se, de fato, essas áreas são as mais acometidas pela síndrome ou se seus índices parecem maiores por serem as mais estudadas.

Na classe 2, ‘Vivência no trabalho em saúde’, foi evidenciado que os trabalhadores de saúde foram submetidos a níveis mais elevados de estresse em tempos de pandemia. Além disso, nessa classe, pôde-se observar que o burnout foi mais prevalente em participantes com menos anos de experiência de trabalho. A experiência profissional é vista como um fator que pode contribuir para um maior controle em lidar com situações de estresse e ansiedade, bem como está relacionada com maior confiança e capacidade de resolução de problemas no ambiente de trabalho2020 Duarte I, Teixeira A, Castro L, et al. Burnout among Portuguese healthcare workers during the Covid-19 pandemic. BMC Public Health. 2020; 20(1):1-10.. Os profissionais menos experientes apresentaram ansiedade elevada devido à falta de familiaridade com EPI e diminuição da duração do sono em comparação com o período pré-pandêmico.

Na classe 3, ‘Sobrecarga de trabalho e incertezas com o futuro’, foi salientado que uma maior exposição dos profissionais de saúde a pacientes com sintomas de Covid-19, com consequente aumento na carga de trabalho, tem causado aumento nos níveis de burnout. A sobrecarga de trabalho dos profissionais de saúde durante a pandemia, pelo aumento da demanda de pessoas infectadas, predispõe o desenvolvimento da síndrome de burnout, refletindo na qualidade de vida desses profissionais2121 El-Hage W, Hingray C, Lemogne C, et al. Les professionnels de santé face à la pandémie de la maladie à coronavirus (Covid-19): quels risques pour leur santé mentale? Encéphale. 2020; 46(3):73-80.

22 Babamiri M, Alipour N, Heidarimoghadam R. Research on reducing burnout in health careworkers in critical situations such as the Covid-19 outbreak. Work. 2020; 66:379-380.
-2323 Ribeiro YSFS, Lopes RN, Brito FLT, et al. Implicações da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde durante a pandemia de Covid-19: uma revisão integrativa. Rev Cient Multidisci Núcl Conhecimento. 2020; 1-23.
.

Além disso, trabalhadores de saúde que atendem pacientes com Covid-19 apresentam maiores níveis de estresse na relação trabalho-família e cuidado com as crianças. Os resultados corroboram estudo que mostrou que, entre as principais fontes de ansiedade e medo durante a pandemia, estão a preocupação de profissionais da saúde com acesso a creches e fechamento das escolas, bem como o apoio às demandas pessoais e familiares diante do aumento das horas de trabalho2424 Shanafelt T, Ripp J, Trockel M. Understanding and address sources of anxiety among health care professionals during the Covid-19 pandemia. JAMA. 2020; 323(21):2133-2134..

Essa classe também concentra palavras que enfatizaram que a incerteza com o futuro causada pela pandemia também é um fator associado ao burnout em trabalhadores da saúde - hesitações relativas à duração da pandemia e seus impactos em curto e longo prazo, inclusive no âmbito financeiro (crise econômica/diminuição das rendas das famílias). Resultados semelhantes foram encontrados em estudo desenvolvido em Portugal, o qual concluiu que a redução salarial foi considerada como um fator significativo para o desenvolvimento de burnout em profissionais de saúde durante a pandemia2020 Duarte I, Teixeira A, Castro L, et al. Burnout among Portuguese healthcare workers during the Covid-19 pandemic. BMC Public Health. 2020; 20(1):1-10..

Na classe 4, ‘Idade dos profissionais’, destacaram-se palavras que, independentemente da experiência profissional, relacionam a idade dos profissionais de saúde com os problemas de saúde mental durante a pandemia, visto que os profissionais mais jovens apresentaram níveis mais elevados de ansiedade e angústia. Os resultados vão ao encontro de estudo que mostrou que profissionais com menos de 40 anos apresentaram níveis mais elevados de estresse, ansiedade, depressão, exaustão no trabalho e bem-estar geral diminuído2525 Evanoff BA, Strickland JR, Dale AM, et al. Work-related and personal factors associated with mental well-being during the Covid-19 response: survey of health care and other workers. J Med Internet Res. 2020; 22(8):e21366..

A classe 5, nomeada ‘Medo de infecção e transmissão’, apontou palavras que mostram que o receio dos profissionais de se infectar com a Covid-19 e transmitir a doença para os seus familiares, principalmente quando os profissionais de saúde moravam com pessoas do grupo de risco, causava impactos em sua saúde mental. Resultado similar encontrado no estudo de Juan e colaboradores2626 Juan Y, Yuanyuan C, Qiuxiang Y, et al. Psychological distress surveillance and related impact analysis of hospital staff during the Covid-19 epidemic in Chongqing, China. Compr Psychiatry. 2020; 103:152198., em que o medo de ir para casa e infectar a família foi um dos principais fatores relacionados com o sofrimento psíquico dos profissionais de saúde.

Ademais, a resiliência destacou-se como fator de proteção para a síndrome de burnout. O indivíduo torna-se resiliente ao enfrentar situações adversas, a partir das quais se fortalece e adquire competências. Em meio às adversidades enfrentadas durante a pandemia de Covid 19, a resiliência é considerada uma característica fundamental para a manutenção da saúde mental dos profissionais de saúde2727 Schultz CC, Corrêa KID, Vaz SMC, et al. Resiliência da equipe de enfermagem no âmbito hospitalar com ênfase na pandemia Covid-19. Res Soc Dev. 2020; 9(11):e539119466..

A classe 6, denominada ‘Linha de frente no combate à pandemia’, demonstrou que os profissionais da linha de frente sofriam de medo de infecção e morte. Profissionais de saúde envolvidos no cuidado a pacientes com Covid-19, a exemplo da categoria de enfermagem, também apresentaram níveis elevados de estresse e burnout quando comparados a enfermeiros que atuam na assistência a outros pacientes não acometidos pela doença2828 Hoseinabadi TS, Kakhki S, Teimori G, et al. Burnout and its influencing factors between frontline nurses and nurses from other wards during the outbreak of Coronavirus Disease (Covid-19) in Iran. Invest Educ Enferm. 2020; 38(2):1-12.e03.. No entanto, quanto maior a autoeficácia e a disposição para o trabalho na linha de frente, menores eram os níveis de burnout.

Nessa classe, também se destacaram palavras que mostram a relação do burnout com a lesão de pele causada pelo uso prolongado de máscaras em enfermeiros, de modo que, quanto maior a lesão, maiores os níveis desse agravo. Lan e colaboradores2929 Lan J, Song Z, Miao X, et al. Skin damage among health care workers managing coronavirus disease-2019. J Am Acad Dermatol. 2020; 82(5):1215-1216. encontraram uma taxa de prevalência de lesões cutâneas de 97% entre os profissionais de saúde de primeira linha na China durante o período epidêmico de Covid-19, podendo gerar redução no entusiasmo pelo trabalho e torná-los ansiosos.

O apoio psicossocial dos amigos e familiares destacou-se como fundamental para a saúde mental dos profissionais de saúde da linha de frente. Moreira e Lucca3030 Moreira AS, Lucca SR. Apoio psicossocial e saúde mental dos profissionais de enfermagem no combate ao covid-19. Enferm Foco. 2020; 11(1):155-161. afirmam que, além das condições de trabalho adequadas, o apoio psicossocial é muito importante para a preservação da saúde mental dos profissionais que estão no combate à Covid-19 e para a qualidade do cuidado prestado.

Conclusões

Demandas extremas de trabalho têm sido impostas aos profissionais de saúde devido à pandemia de Covid-19; e esse fato contribui para a deterioração da saúde mental destes. Este artigo relata um conjunto de descobertas acerca dos fatores associados à síndrome de burnout em profissionais de saúde no contexto da pandemia de Covid-19. Evidenciou que pertencer à categoria de enfermagem, ser do sexo feminino, experiência profissional, condições de trabalho, situação financeira, relação entre trabalho e família, medo de se contaminar e transmitir a doença a outras pessoas foram os principais fatores associados ao desenvolvimento de burnout.

O impacto nos sistemas de saúde mundiais e as mudanças na dinâmica de trabalho gerados pela pandemia podem durar por muito tempo, e a exposição do trabalhador de saúde a esse novo contexto laboral pode gerar consequências à saúde. Sabe-se que o burnout não é uma condição aguda, e, sim, uma resposta ao estresse persistente e insolúvel do trabalho. Dessa forma, o estudo entende ser de suma importância conhecer os fatores que estão associados ao desenvolvimento da síndrome de burnout nos profissionais de saúde no cenário que passa a incluir ao Covid-19, pois, assim, permitirá o planejamento e o desenvolvimento de estratégias de enfrentamento adequadas e direcionadas para os profissionais de saúde, a fim de mitigar os indicadores de risco que podem levar à experimentação da síndrome de burnout.

  • Suporte financeiro: não houve

Referências

  • 1
    Freitas ARR, Napimoga M, Donalisio MR. Assessing the severity of Covid-19. Epidemiol Serv Saúde. 2020; 29(2):e2020119.
  • 2
    Barros MBA, Lima MG, Malta DC, et al. Relato de tristeza/depressão, nervosismo/ ansiedade e problemas de sono na população adulta brasileira durante a pandemia de Covid-19. Epidemiol. Serv. Saude. 2020; 29(4):e2020427.
  • 3
    Barroso BIL, Souza MBCA, Bregalda MM, et al. A saúde do trabalhador em tempos de Covid-19: reflexões sobre saúde, segurança e terapia ocupacional. Cad Bras Ter Ocup. 2020; 28(3):1093-1102.
  • 4
    Whittemore R. Combining in nursing research: methods and implications. Nurs Res. 2005; 54(1):56-62.
  • 5
    Dall’Ora C, Ball J, Reinius M, et al. Burnout em enfermagem: uma revisão teórica. Hum Resour Health. 2020; 18(1):1-17.
  • 6
    Maslach C, Jackson SE, Leiter M. The maslach Burnout inventory manual. In: Zalaquett CP, Wood RJ. Evaluating stress: a book of resources. 3. ed. Palo Alto, CA: The Scarecrow Press; 1997. p. 191-218. [acesso em 2022 fev 7]. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/277816643_The_Maslach_Burnout_Inventory_Manual
    » https://www.researchgate.net/publication/277816643_The_Maslach_Burnout_Inventory_Manual
  • 7
    World Health Organization. International Classification of Diseases for Mortality and Morbidity Statistics (ICD-11 MMS). Genebra: WHO; 2021.
  • 8
    Maslach C, Leiter M, Schaufeli WB. Measuring Burnout. In: Cooper CL, Cartwright S. The Oxford handbook of organizational well-being. 4. ed. Oxford: Oxford University Press; 2009. cap. 5. p. 86-108.
  • 9
    Bridgeman PJ, Bridgeman MB, Barone J. Burnout syndrome among healthcare professionals. Am J Health-Syst Pharm. 2018; 75(3):147-52.
  • 10
    Ursi ES. Prevenção de lesões de pele no perioperatório: revisão integrativa da literatura. [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2005.
  • 11
    Stetler CB, Morsi D, Rucki S, et al. Utilization focused integrative reviews in a nursing service. Appl Nurs Res. 1998; 11(4):195-206.
  • 12
    The Joanna Briggs Institute. Joanna Briggs Institute Reviewers’ Manual: 2014 edition/supplement. Adelaide: Joanna Briggs Institute; 2014.
  • 13
    Camargo BV, Justo AM. IRAMUTEQ: um software gratuito para análise de dados textuais. Temas Psicol. (Online). 2013; 21(2):513-18.
  • 14
    Ornell F, Halpern SC, Kessler FHP, et al. The impact of the Covid-19 pandemic on the mental health of healthcare professionals. Cad. Saúde Pública. 2020; 36(4):e00063520.
  • 15
    Silva LS, Machado EL, Oliveira HN, et al. Condições de trabalho e falta de informações sobre o impacto da Covid-19 entre trabalhadores da saúde. Rev Bras Saúde Ocup. 2020; 45:1-8.e24.
  • 16
    Jantsch N, Costa AEK, Pssaia LF. Síndrome de Burnout: uma revisão integrativa. Research, Society Develop. 2018; 7(1):01-18.
  • 17
    Modesto JG, Souza LM, Rodrigues TSL. Esgotamento profissional em tempos de pandemia e suas repercussões para o trabalhador. Rev Pegada. 2020; 21(2):376-91.
  • 18
    Moreira DS, Magnago RF, Sakae TM, et al. Prevalência da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem de um hospital de grande porte da Região Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009; 25(7):1559-1568.
  • 19
    Jarruche LT, Mucci S. Burnout syndrome in healthcare professionals: an integrative review. Rev. bioét. 2021; 29(1):162-173.
  • 20
    Duarte I, Teixeira A, Castro L, et al. Burnout among Portuguese healthcare workers during the Covid-19 pandemic. BMC Public Health. 2020; 20(1):1-10.
  • 21
    El-Hage W, Hingray C, Lemogne C, et al. Les professionnels de santé face à la pandémie de la maladie à coronavirus (Covid-19): quels risques pour leur santé mentale? Encéphale. 2020; 46(3):73-80.
  • 22
    Babamiri M, Alipour N, Heidarimoghadam R. Research on reducing burnout in health careworkers in critical situations such as the Covid-19 outbreak. Work. 2020; 66:379-380.
  • 23
    Ribeiro YSFS, Lopes RN, Brito FLT, et al. Implicações da Síndrome de Burnout em profissionais da saúde durante a pandemia de Covid-19: uma revisão integrativa. Rev Cient Multidisci Núcl Conhecimento. 2020; 1-23.
  • 24
    Shanafelt T, Ripp J, Trockel M. Understanding and address sources of anxiety among health care professionals during the Covid-19 pandemia. JAMA. 2020; 323(21):2133-2134.
  • 25
    Evanoff BA, Strickland JR, Dale AM, et al. Work-related and personal factors associated with mental well-being during the Covid-19 response: survey of health care and other workers. J Med Internet Res. 2020; 22(8):e21366.
  • 26
    Juan Y, Yuanyuan C, Qiuxiang Y, et al. Psychological distress surveillance and related impact analysis of hospital staff during the Covid-19 epidemic in Chongqing, China. Compr Psychiatry. 2020; 103:152198.
  • 27
    Schultz CC, Corrêa KID, Vaz SMC, et al. Resiliência da equipe de enfermagem no âmbito hospitalar com ênfase na pandemia Covid-19. Res Soc Dev. 2020; 9(11):e539119466.
  • 28
    Hoseinabadi TS, Kakhki S, Teimori G, et al. Burnout and its influencing factors between frontline nurses and nurses from other wards during the outbreak of Coronavirus Disease (Covid-19) in Iran. Invest Educ Enferm. 2020; 38(2):1-12.e03.
  • 29
    Lan J, Song Z, Miao X, et al. Skin damage among health care workers managing coronavirus disease-2019. J Am Acad Dermatol. 2020; 82(5):1215-1216.
  • 30
    Moreira AS, Lucca SR. Apoio psicossocial e saúde mental dos profissionais de enfermagem no combate ao covid-19. Enferm Foco. 2020; 11(1):155-161.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    11 Abr 2022
  • Data do Fascículo
    2022

Histórico

  • Recebido
    12 Mar 2021
  • Aceito
    28 Set 2021
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde Av. Brasil, 4036, sala 802, 21040-361 Rio de Janeiro - RJ Brasil, Tel. 55 21-3882-9140, Fax.55 21-2260-3782 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revista@saudeemdebate.org.br