(Atualizado: 31/01/2022)

Sobre o periódico

 

Informações básicas

 

Lançada em março de 2003, a Trabalho, Educação e Saúde (TES) é a revista científica de acesso aberto editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz. Destina-se à publicação de debates, análises e investigações, de caráter teórico ou aplicado, sobre temas relacionados aos campos da educação e da saúde, discutindo-os sob a ótica da organização do trabalho contemporâneo, de uma perspectiva crítica e interdisciplinar.

A formação e a qualificação profissional e o processo de trabalho na saúde constituem temáticas centrais à revista, que, desta forma, acredita contribuir para o aperfeiçoamento de políticas sociais, em geral, e do Sistema Único de Saúde (SUS), em particular.

Desde janeiro de 2018, a TES deixou de publicar a versão impressa e adotou exclusivamente a versão digital em fluxo de publicação contínua. Em 2021, passou a utilizar o sistema Open Journal Systems (OJS) para gerenciamento das submissões.

Certa de contribuir para a consolidação de seu tema central e singular – educação e saúde sob a perspectiva do trabalho –, a TES busca atingir pesquisadores, estudantes de graduação e pós-graduação, profissionais vinculados aos serviços de saúde, e docentes e gestores do campo da educação profissional em saúde.

 

 

Divulgação

 

A TES possui perfil nas principais redes sociais para divulgação de seu conteúdo e interação com leitores, pesquisadores e autores.

 

 

Fontes de indexação

 

A revista é indexada por:

 

Publicação contínua

 

Com o objetivo de acelerar o processo de comunicação das pesquisas, em 2018, a TES optou por interromper a forma clássica de publicação por periodicidade e paginação sequencial dos artigos dentro de uma edição e adotou a publicação contínua. Assim, após aprovado no processo de avaliação por pares e concluída a produção editorial, o artigo é publicado.

 

Licença de conteúdo

 

Todo o conteúdo do periódico, salvo onde esteja indicado em contrário, está sob uma Licença Creative Commons do tipo atribuição CC-BY 4.0

 

 

Estatísticas

 
  • Índice h5: 20
  • Mediana h5: 28
  • Fonte: Google Scholar (2020)
 

 

Patrocinadores

 

A publicação recebe financiamento de:

 

 


Corpo editorial

 

Editoras científicas

   

 

Editores executivos

   

 

Comitê consultivo

   

 

Editores associados

   

 

Conselho editorial

   

 

Produção editorial

 

Assistente editorial

  • Fernanda Tavares Barcelos

Secretaria executiva

  • Estela Carvalho

Revisão tipográfica e copydesk

  • Gloria Regina Carvalho

Normalização de referências

  • Marluce Antelo (Biblioteca Emília Bustamante)

Diagramação

  • José Luiz Fonseca
  • Marcelo Paixão
  • Maycon Rosembarg
 

 


Instruções aos autores

 

Escopo

 

A formação e a qualificação profissional e o processo de trabalho na saúde constituem áreas centrais à revista, que desta forma acredita contribuir para o aperfeiçoamento de políticas sociais, em geral, e do Sistema Único de Saúde (SUS), em particular.

 

 

Política editorial

 

Solicitamos que, antes de submeter o seu manuscrito, os autores leiam a Política editorial da TES e a seção Sobre a revista para avaliar se seu texto está de acordo com o nosso escopo editorial.

Os manuscritos devem ser submetidos somente pelo sistema de avaliação online da Revista, disponível aqui . Não serão consideradas contribuições enviadas por e-mail.

Para o envio do texto à revista, o autor responsável deve cadastrar-se no sistema e depois cadastrar seu texto.

Ao submeter um manuscrito, é imprescindível a leitura e o atendimento das normas para publicação referidas pela revista.

Para informações adicionais, consultar os editores: revtes.epsjv@fiocruz.br

A política editorial da TES tem como propósito estabelecer princípios, diretrizes e responsabilidades para autores, pareceristas e editores. Para tanto, torna públicos o escopo, os tipos de contribuição, o processo de avaliação por pares, a forma de acesso ao conteúdo, a posição frente aos direitos autorais, e as normas e recomendações de padrões de ética e responsabilidade na comunicação científica.

Temáticas centrais à revista:

  • Políticas de educação
  • Políticas de saúde
  • Políticas públicas e impactos na educação e na saúde
  • Educação em saúde
  • Qualificação em saúde
  • Formação em saúde
  • Processo de trabalho em saúde
  • Gênero, educação e saúde
  • Racismo, educação e saúde
  • Precarização do trabalho
  • Formas de organização dos trabalhadores e das trabalhadoras da saúde e da educação
  • Organização do trabalho contemporâneo
  • Arte, saúde e formação humana
  • Ambiente, trabalho e saúde
  • Organização popular e saúde
  • Educação popular em saúde
  • Epistemologia, educação e saúde
  • Capitalismo, saúde e educação

Seções

A revista publica contribuições inéditas nas seguintes seções:

Ensaios A convite da editoria. Produção textual de amplo alcance teórico-analítico, não conclusivo e não exaustivo.

Artigos Apresentação de resultado de pesquisa de natureza empírica ou conceitual. Tamanho entre 4.000 e 7.000 palavras, sem contar referências bibliográficas, figuras e notas.

Artigos de revisão Apresentação de análises críticas, sistematizadas e metodologicamente consistentes da literatura científica sobre um tema prioritário para o periódico. Deverão explicitar objetivos, fontes pesquisadas, e aplicações dos critérios de inclusão e exclusão. Tamanho: 4.000 a 7.000 palavras, sem contar referências bibliográficas, figuras e notas.

Notas de conjuntura A convite da editoria. Discussão sistemática e embasada sobre o cenário social atual, sobretudo sob o enfoque da organização do trabalho, das políticas públicas, e dos campos da saúde e educação.

Debates A convite da editoria. Discussão sobre temas centrais à revista.

Entrevistas A convite da editoria. Opinião ou posição de entrevistado qualificado nas áreas de conhecimento da revista.

Resenhas A convite da editoria. Crítica de livro relacionado aos campos de confluência da revista, publicado ou traduzido nos últimos três anos.

Política de Acesso Aberto

Alinhada às práticas de ciência aberta, a TES adota o acesso aberto e gratuito ao seu conteúdo, na crença de contribuir para a democratização do conhecimento.

Desde que preservado o direito à primeira publicação na TES, a revista permite a publicação da versão final de artigos e dados de pesquisa em sistemas de autoarquivamento pessoal, em repositórios institucionais, repositórios específicos de uma disciplina e repositórios generalistas, quando não houver específicos de uma disciplina.

Ao optar pelo depósito de dados de seu artigo, o autor deve informar no repositório escolhido o link de acesso ao trabalho relacionado. Da mesma forma, deverá informar no artigo o link de acesso aos dados depositados

 

 

Ética na publicação

 

O processo editorial da TES pauta-se pelas normas e recomendações de padrões de ética e responsabilidade na comunicação científica, estabelecidas pelo International Committee of Medical Journal Editors (ICMJE), e pelos princípios da ética na publicação, estabelecidos nas “Práticas Básicas” e “Fluxogramas” do Committee on Publication Ethics (COPE).

A seguir, destacamos algumas das principais responsabilidades dos profissionais envolvidos na publicação.

AUTORES

  • Os autores se comprometem a ter ciência do conteúdo integral das instruções aos autores da TES.
  • Ao submeterem um artigo, os autores devem garantir que ele é inédito e que não foi submetido, ao mesmo tempo, para publicação em outro periódico. Cabe mencionar que a TES aceita manuscritos publicados em reconhecidos repositórios de preprints.
  • Caso exista publicação prévia que apresente conteúdo semelhante ou que se sobreponha àquele do artigo submetido, os autores deverão informar aos editores, no momento da submissão, e fornecer cópia do material semelhante ou com sobreposição, para uma decisão editorial.
  • No que concerne à autoria, a TES segue as Recomendações do ICMJE. São os seguintes os critérios de autoria, que devem ser preenchidos por todos os designados como autores: (1) contribuições substanciais para a concepção ou delineamento do estudo; ou a aquisição, análise ou interpretação dos dados do trabalho; (2) elaboração de versões preliminares do artigo ou revisão crítica de importante conteúdo intelectual; (3) aprovação final da versão a ser publicada; (4) concordância em ser responsável por todos os aspectos do trabalho, no sentido de garantir que as questões relacionadas à exatidão ou à integridade de qualquer parte da obra sejam devidamente investigadas e resolvidas. Profissionais que não preencham os quatro requisitos, embora tenham contribuído de outras formas para o artigo, devem ser mencionados nos agradecimentos, mas não identificados como autores. Aos autores compete o reconhecimento, bem como a obtenção da permissão por escrito de todos aqueles que forem citados na seção dos agradecimentos.
  • O autor correspondente, aquele que assume a responsabilidade de realizar a comunicação com o periódico durante a submissão do artigo, a revisão por pares e o processo de publicação, deve assegurar que todos os autores revisaram a versão final do manuscrito e concordaram com sua submissão à TES.
  • Compete aos autores manter o registro adequado dos dados do estudo e fornecer o acesso a tais dados, quando requerido pelos editores. A TES incentiva o depósito dos conjuntos de dados em repositório temático ou, quando não houver, em generalista ou institucional, de modo a favorecer o compartilhamento com outros pesquisadores, conforme recomenda o ICMJE.
  • Os autores devem confirmar a indicação de todas as fontes citadas de maneira precisa e completa.
  • Qualquer forma de má conduta científica, como a fabricação de dados, a falsificação de dados, a apropriação indevida de dados e materiais e o plágio, não é aceitável e constitui motivo para recusa do manuscrito em qualquer etapa do processo editorial, caso em que o editor iniciará os procedimentos apropriados detalhados pelo COPE. Caso a má conduta científica seja detectada após a publicação, a TES procederá à retirada do artigo de acordo com as "Diretrizes de retirada", do COPE.
  • Os autores devem anexar, no ato da submissão, se pertinente, o protocolo de aprovação do estudo por Comitê de Ética em Pesquisa com seres humanos ou animais. Se aplicável, devem ainda informar sobre a obtenção do consentimento livre e esclarecido dos participantes. 
  • Por envolver a confiança pública no processo científico e a credibilidade dos artigos publicados, os autores devem declarar se há conflitos de interesse que possam influenciar o desenvolvimento do estudo ou a sua conduta. A declaração deve ser feita no corpo do artigo, logo após as referências.
  • Caso os autores identifiquem qualquer tipo de erro no artigo, em qualquer etapa do processo editorial, ou mesmo após sua publicação, deverão entrar em contato com a equipe editorial. Em tais situações, espera-se que cooperem com os editores para uma eventual publicação de errata, expressão de preocupação ou retratação do artigo. 

REVISORES

O COPE produziu diretrizes que estabelecem os princípios e padrões básicos aos quais todos os revisores devem aderir e que reproduzimos a seguir. Recomendamos a leitura do documento completo em https://publicationethics.org/files/Peer%20review%20guidelines.pdf. Assim, durante o processo de revisão por pares, os revisores devem:

  • concordar apenas em revisar manuscritos cujo objeto seja de seu domínio, para que possam realizar uma avaliação adequada e em tempo hábil.
  • não usar as informações obtidas durante o processo de revisão por pares em seu benefício ou de outra pessoa ou organização, ou para prejudicar ou desacreditar terceiros.
  • respeitar a confidencialidade da revisão por pares e não revelar quaisquer detalhes de um manuscrito ou sua revisão, durante ou após o processo de revisão por pares, além daqueles que são divulgados pela revista. Deve ainda entender que o plágio durante o processo de revisão é considerado má conduta.
  • declarar todos os potenciais conflitos de interesses, buscando o aconselhamento da revista se não tiver certeza se algo constitua um interesse relevante. Caso tais conflitos possam influenciar a avaliação, os revisores devem recusar o convite.
  • não permitir que suas revisões sejam influenciadas pelas origens de um manuscrito, pela nacionalidade, crenças religiosas ou políticas, gênero ou outras características dos autores, ou por considerações comerciais;
  • alertar os editores sobre qualquer suspeita de similaridade com outro artigo.
  • ser objetivos e construtivos em suas revisões, absterem-se de ser hostis e de fazer comentários pessoais caluniosos ou depreciativos.

EDITORES

  • Os editores da TES se comprometem a atuar em consonância com as melhores práticas editoriais e a apoiar iniciativas para evitar a má conduta científica e incentivar a ética na publicação.

Devem, ainda:

  • garantir que todos os artigos considerados para publicação, além de relevantes, originais e qualificados, estejam de acordo com os padrões de ética na pesquisa, especialmente no caso de pesquisas envolvendo seres humanos e animais.
  • tratar de modo confidencial o manuscrito e todo o material complementar submetido, protegendo a identidade dos revisores e dos autores, uma vez que a TES adota o procedimento de revisão por pares duplo-cego.
  • assegurar que todos os manuscritos publicados tenham sido adequadamente avaliados por revisores qualificados (incluindo a revisão estatística, quando necessário), não compartilhando com ninguém, à exceção dos próprios autores e revisores, informações sobre seu conteúdo e status no processo de revisão, críticas dos revisores e seu destino final.
  • selecionar revisores externos competentes nas áreas temáticas dos artigos;
  • buscar revisores que elaborem pareceres com boa qualidade e cortesia em um período de tempo adequado.
  • fornecer orientações claras aos revisores externos e solicitar que indiquem quaisquer conflitos de interesse que possam existir, antes do envio do texto completo do artigo para avaliação. Encorajar os revisores a avisarem sobre qualquer suspeita de plágio, publicação duplicada, ou outra forma de má conduta na publicação.
  • utilizar ferramentas para detecção de plágio, de modo a se evitar esta forma de má conduta, assim como se impedir a publicação duplicada.
  • agir com ética em todas as etapas do processo editorial, sem discriminar a origem do manuscrito, nacionalidade, crenças religiosas ou políticas, gênero ou outras características dos autores, ou ainda não se pautar interesses comerciais.
  • adotar uma política editorial transparente, fornecer instruções claras aos autores, inclusive sobre as etapas do processo editorial e os critérios de autoria, e atualizar periodicamente as instruções aos autores.
  • seguir as orientações do COPE no caso de suspeita de má conduta na publicação, investigar cada situação suspeita e publicar erratas, expressões de preocupação e retratações, quando pertinente.
  • fornecer meios para que os membros da equipe da revista envolvidos no processo editorial, incluindo os próprios editores, recebam capacitação e se mantenham atualizados quanto às orientações, recomendações e evidências mais recentes sobre a editoração científica.
  • reconhecer a contribuição dos revisores para a revista, publicando um agradecimento a eles no último número de cada ano.
  • assegurar a autonomia editorial do periódico em relação à sua instituição mantenedora, a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, unidade científica da Fundação Oswaldo Cruz, evitando, assim, a endogenia acadêmica.
 

 

Forma e preparação de manuscritos

 

A revista aceita como submissões espontâneas artigos e artigos de revisão.

Os Artigos devem apresentar resultados de pesquisas de natureza empírica ou conceitual. Tamanho entre 4.000 e 7.000 palavras, sem contar referências bibliográficas, figuras e notas.

Os Artigos de revisão devem apresentar análises críticas, sistematizadas e metodologicamente consistentes da literatura científica sobre um tema prioritário para o periódico. Deverão explicitar objetivos, fontes pesquisadas, aplicações dos critérios de inclusão e exclusão. Tamanho: 4.000 a 7.000 palavras, sem contar referências bibliográficas, figuras e notas. 

Apresentação do manuscrito

Colaborações devem ser digitadas no Word, na fonte Times New Roman, em corpo 12, em espaço duplo. Artigos, ensaios e debates devem ainda conter um resumo em português e em inglês (abstract) de, no máximo, 200 palavras, e título em inglês, além do título na língua original. Os manuscritos podem ser apresentados em português, espanhol, inglês e francês. O título deve ser conciso e representativo do conteúdo do texto. O(s) autor(es) deve(m) indicar se a pesquisa é financiada, se é resultado de dissertação de mestrado ou tese de doutorado, se foi aprovada por Comitê de Ética da área e se há conflitos de interesse.

Palavras-chave: Mínimo de três e máximo de cinco palavras-chave descritoras do conteúdo do trabalho, apresentadas na língua original, em espanhol (palabras clave) e em inglês (keywords).

Figuras: Tabelas, quadros, diagramas, fotografias, gráficos e ilustrações não devem ultrapassar o máximo de seis por artigo, salvo exceções específicas ao campo temático do manuscrito, caso em que o autor deverá manter uma comunicação prévia com os editores. Todas as figuras, com exceção de fotografias, devem ser numeradas e ter título, estando apenas as iniciais do título em maiúsculas. As referências devem ser feitas por números (ex. gráfico 3) e não por expressões como "a figura abaixo".

Notas: As notas devem vir ao fim do texto, numeradas de forma consecutiva. As notas não devem ser utilizadas para referências bibliográficas.

Grifos: Solicita-se a não utilização de sublinhados e negritos. As aspas simples podem ser usadas para chamar a atenção para um item particular do texto. Palavras de outras línguas, que não o português, devem ser italicizadas, assim como títulos de obras mencionadas.

Citações: 

Para elaboração das citações, Trabalho, Educação e Saúde (TES) baseia-se na norma NBR 10520:2002, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), com ligeiras modificações.  A TES adota o sistema Autor-data, com os sobrenomes dos autores escritos em caixa alta e baixa e ano da publicação, no corpo do artigo. Exemplo: (Frigotto e Ciavatta, 2001).

citação direta, no corpo do texto, de até três linhas, deve vir entre aspas duplas, sobrenome do autor e, entre parênteses, o ano e a página. Ou: citação direta, entre parênteses o nome do autor, ano e página. Aspas simples indicam citação no interior da citação. Exemplos:

Minayo (2001, p. 74) descreve: “[...] a análise de conteúdo é compreendida muito mais como um conjunto de técnicas”.

Monografia “no sentido lato, é todo trabalho científico de ‘primeira mão’, que resulte da investigação científica” (Salomon, 1978, p. 219).

Se a citação direta exceder três linhas, deverá vir com recuo de 4 cm da margem esquerda, em corpo 11. Exemplo:

O uso intensivo da microeletrônica e a crescente automação dos laboratórios, principalmente a partir da década de 1980, vem causando mudanças importantes no processo produtivo, na organização do trabalho e nas relações sociais (Deluiz, p. 99, 1995).

Nas citações indiretas, a indicação da(s) página(s) consultada(s) é opcional. A citação indireta ocorre quando o autor faz um texto baseado na obra do autor consultado. Exemplo: 

As emoções, independentes da vinculação ou não com o ambiente organizacional, influenciam no desempenho das pessoas (Frost, 2003).

Se a citação tiver texto traduzido pelo autor, deve incluir o termo “tradução nossa”. Exemplo:

“Ao final de duas semanas, avalie sua experiência” (McGraw; Dean; Francis, 2009, p. 28, tradução nossa).

No caso de citação com três autores, todos devem ser nomeados; mais de três autores, somente o sobrenome do primeiro deverá aparecer no texto, como em Spink et al. (2001).

Para enfatizar trechos da citação, destaque-os com a expressão “grifo nosso” entre parênteses, após a chamada da citação, ou “grifo do autor”, caso o destaque já faça parte da obra consultada. Exemplos:

hipótese da escassez não explica sozinha o processo de mudança de valores de uma sociedade. (Okado e Ribeiro, 2017, p. 10, grifo do autor). 

Em termos de comportamento, a motivação pode ser conceituada como esforço e tenacidade exercidos pela pessoa para fazer algo ou alcançar algo. (Chiavenato, 1994, p. 165, grifo nosso)

Adotar a ordem cronológica em que os documentos foram publicados, separados por ponto e vírgula, no caso de vários citados em sequência. Exemplo: (Crespo, 2005; Costa; Ramalho, 2008; Moresi et al., 2010).

Referências: Para elaboração das referências, a Trabalho, Educação e Saúde baseia-se na norma NBR 6023:2018, da ABNT, com ligeiras modificações. As referências bibliográficas devem ser elencadas, em ordem alfabética de autores, ao final do manuscrito e conter todas as obras citadas no corpo do texto, compondo assim a lista de referências, sem numeração de entrada e com espaço simples entre elas. Quando houver até três autores, todos devem ser indicados. No caso de mais de três autores, indicar apenas o primeiro, seguido da expressão et al. O primeiro nome dos autores deve ser escrito por extenso nas referências. Diferentes títulos de um mesmo autor publicados no mesmo ano deverão ser distinguidos, adicionando-se uma letra (a, b, c...) em minúscula após a data, tanto nas citações no corpo do texto quanto na lista de referências bibliográficas. Os títulos dos periódicos devem ser escritos por extenso. O autor é responsável pela exatidão e pertinência das referências. Para os casos não exemplificados, o autor deve consultar a norma NBR 6023:2018, da ABNT. No caso de existir um número DOI para o documento, ele deve ser incluído ao final da referência. Observem-se os exemplos a seguir:

Artigo em periódico eletrônico

SCHNEIDER, Luana R.; PEREIRA, Rui P. G.; FERRAZ, Lucimare. A prática baseada em evidência no contexto da Atenção Primária à Saúde. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. 118, p. 594-605, jul./set. 2018.  DOI: 10.1590/0103-11042018118041. Disponível em: https://saudeemdebate.org.br/sed/article/view/43.  Acesso em: 20 jan. 2020.

SPINK, Mary J. P. et al. A construção da Aids-notícia. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 851-862, 2001. DOI: 10.1590/S0102-311X2001000400019. Disponível em: https://scielosp.org/pdf/csp/v17n4/5291.pdf. Acesso em: 22 ago. 2020.

Se não houver DOI:

FONTES. Virgínia. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo: Revista do NIEP, Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, p. 46-67, jan./jun. 2017. Disponível em: https://www.niepmarx.blog.br/revistadoniep/index.php/MM/article/view/220. Acesso em: 10 out. 2020.

Artigo fora de periódico eletrônico

MACHADO, Antônio B. Reflexões sobre a organização do processo de trabalho na escola. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 9, p. 27-31, jul. 1989.

CARVALHO, Jorge. Agora é o desafio local-global. Entrevistado: Peter Senge.  HSM Management, São Paulo, n. 76, p. 50-57, set./out. 2009.

Livro e tese

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. 4. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

MENDES-GONÇALVES, Ricardo B. Medicina e história: raízes sociais do trabalho do médico. 1979. 253f. Dissertação (Mestrado em Medicina Preventiva) – Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1979.

Capítulo de livro

BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983. p. 122-155.  

Congresso (evento) no todo

CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA,10., 2017, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), 2017. Tema: Epidemiologia em defesa do SUS: formação, pesquisa e intervenção.

Partes de congresso (Evento)

SILVA, Levy S. Uma análise experimental do impacto da seleção de atributos em processos de resolução de entidades. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 34., 2020, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza, 1994. p. 1-12.

Dados ofrecidos por agências governamentais (Secretarias, Ministérios, IBGE etc.)

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Saúde. Plano de contingência para resposta às emergências em saúde pública: doença pelo SARS-CoV-2: Covid-19. Florianópolis: SES-SC, 2020.

RIO DE JANEIRO (Município). Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-RJ). Dados sobre acidentes ocupacionais com material biológico. Rio de Janeiro: SMS-RJ, 2000.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E CULTURA (Unesco). Política de mudança e desenvolvimento no ensino superior. Rio de Janeiro: Garamond, 1999. 98p.

LeIs, decretos, portarias etc. 

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: Seção 1,  Brasília, DF, p. 27.839, 23 dez. 1996.

Legislação en meio electrônico

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 1 jan. 2017.

Relatórios técnicos 

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Referencial curricular para curso técnico de agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 64 p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

Relatórios final ou de atividades 

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Boletim observatório Covid-19 após 6 meses de pandemia no Brasil. Rio de Janeiro: Observatório Covid-19, Edição Oficial, [2020]. 22 p. Disponível em:  https://portal.fiocruz.br/sites/portal.fiocruz.br/files/documentos/boletim_covid_6meses.pdf. Acesso em: 27 out. 2020.

Jornal

a) Sem indicação de autoria, entra pelo título:

FÓRUM de debates discute o projeto Educando o Cidadão do Futuro. O Globo, Rio de Janeiro, 6  jul. 2001. Caderno 1, p. 18.

b) Com autoria:

TOURAINE, Alain. Uma resistência possível. Folha de S. Paulo, São Paulo, 3 jul. 2001. Mais, Caderno 7, p. 18-20.

Internet

a. Entrevista en periódico eletrônico:

AZZARÀ, Stefano G. Crítica ao liberalismo, reconstrução do materialismo. Entrevista com Domenico Losurdo. Crítica Marxista, Campinas, n. 35, p. 157-169, 2012. Disponível em: http://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/entrevista19Entrevista.pdf. Acesso em: 7 out. 2013. 

b. Reportagem en periódico eletrônico:

NUBLAT, Johanna. 38,7% dos usuários de crack das capitais do país estão no Nordeste. Folha de S. Paulo, São Paulo, 19 set. 2013. Seção Cotidiano.  Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/09/1344256-40-dos-usuarios-de-crack-das-capitais-do-pais-estao-no-nordeste.shtml. Acesso em: 27 set. 2013.

LIMÓN, Raúl. Pfizer afirma que sua vacina contra o coronavírus tem eficácia de 90%. El País, Brasil, 9 nov. 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2020-11-09/pfizer-afirma-que-sua-vacina-contra-o-coronavirus-tem-uma-eficacia-de-90.html. Acesso em: 18 nov. 2020.

c. Texto disponível (fora de revista ou jornal):

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Educação profissional: referenciais curriculares nacionais da educação profissional de nível técnico. Área profissional: saúde. Brasília: MEC, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/saude.pdf. Acesso em: 3 out. 2013. 

d. Redes sociais

LIMA, Nísia T. Um importante debate sobre as ações da Fiocruz no combate à pandemia da Covid 19, no momento em que a instituição comemora 120 anos. Rio de Janeiro, 22 maio, 2020. Facebook: nisia.trindadelima. Disponível em: https://www.facebook.com/nisia.trindadelima. Acesso em: 29 jul.2021.

CARNEIRO, Sueli. Carta compromisso pelo direto à educação das meninas negras – Geledés. 10 jun. 2021.Twiter:@suelicarneiro. Disponível em: https://twitter.com/SueliCarneiro/status/1403020818544840708?s=08. Acesso em: 30 jul. 2021.

e. Listas de discussão

BVS Educação Profissional em Saúde: lista de discussão. Rio de Janeiro: EPSJV, 2020. Disponível em: http://www.bvseps.icict.fiocruz.br/. Acesso em: 1 jul. 2021.

f. Wikipédia

TRANSPLANTE de medula óssea. In: WIKIPEDIA: thefreeencyclopedia. [San Francisco, CA: Wikimedia Foundation, 2017]. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Transplante_de_medula_%C3%B3ssea. Acesso em: 15 maio 2017.

g. Blog

PACKER, Abel L. et al. SciELO pós 20 Anos: o futuro continua aberto. In: SciELO  - Scientific Electronic Library Online. Blog Scielo em Perspectiva. São Paulo, 19 dez. 2018.  Disponível em: https://blog.scielo.org/blog/2018/12/19/scielo-pos-20-anos-o-futuro-continua-aberto/#.YNtqkuhKg_4. Acesso em: 29 jun. 2021.

h. Live no Youtube 

ÁGORA Abrasco. Painel: desafios da proteção social em tempos de pandemia. Coordenação: Cristiani Machado. Convidados: Esther Dweck, Paola Carvalho, Eduardo Fagnani, [S. l.]: TV Abrasco, 10 jun. 2020. 1 vídeo (158 min). Live. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=eKt8xqXJ-1Q. Acesso em: 27 maio 2021.

 

Revisión de texto en lengua portuguesa

A revista se reserva o direito de sugerir alterações em usos informais da língua e de corrigir variantes não padrão do português.

A responsabilidade pelos custos de revisão profissional de idioma é dos autores, a ser realizada por profissional dentre uma lista de revisores habilitados pela revista ou por outro de sua preferência, desde que siga o manual de estilo da TES para revisores, disponível sob demanda. A tradução para outro idioma é opcional.

Processo de Avaliação

A primeira etapa de avaliação é realizada pelas editoras, que julgam a adequação temática e científico-metodológica, considerando o projeto editorial do periódico; esta etapa pode demorar de um até dez dias. Uma vez aceito nesta primeira fase, o texto passará pela avaliação por pares duplo cego (double blind peer review). Nesta fase, as editoras escolhem no mínimo dois pesquisadores de áreas correlatas ao tema para avaliar o manuscrito (pareceristas ad-hoc); os pareceristas têm até 20 dias para enviar o parecer. Depois de expirado o prazo de envio, enviamos até três lembretes, e se ainda não tivermos resposta, convidamos outro parecerista indicado pela editora. Os pareceres podem indicar uma das quatro opções:

a) publicação na presente forma
b) publicação condicionada à realização de pequenas alterações
c) publicação condicionada à realização de importantes alterações
d) não deve ser publicado neste periódico

No caso de divergência entre os pareceres, é solicitado um terceiro parecer para a decisão da Editoria, também com o prazo de 20 dias. Manuscritos que recebem a indicação de “importantes alterações” devem vir acompanhados, na versão reformulada, de uma carta resposta para cada recomendação dos pareceres e o tratamento que foi dado a elas pelos autores, em especial atenção as que não foram incorporadas. Cada parecer deve ser comentado separadamente.

O fluxo de avaliação com as possibilidades de decisão está descrito na figura:

Informamos que a revista adota sistema de verificação de plágio.  Os autores podem acompanhar o processo de avaliação do manuscrito pelo sistema de avaliação online. Os textos serão analisados via formulários de avaliação e serão considerados para análise os seguintes aspectos:

Artigo título, resumo, desenvolvimento do texto, originalidade e referências; metodologia; consistência das conclusões ou dos resultados.

Ensaio título, resumo, originalidade e relevância, desenvolvimento do texto e referências; consistência das conclusões.

Ineditismo Os originais apresentados à Trabalho, Educação e Saúde não devem ter sido publicados e não devem ser submetidos simultaneamente a outra revista. Originais submetidos à revista não devem, sob hipótese alguma, ser retirados depois de iniciado o processo de avaliação.

Tempos de avaliação: 

A avaliação se dá primeiramente pelos editores científicos, em uma pré-análise, cuja duração não deve exceder dez dias. Se aceitos na pré-análise, os editores designam ao menos dois revisores ad-hoc para avaliar o manuscrito. O tempo médio para avaliação por pares, com base no ano 2017, é de oito meses. A publicação do texto, após aprovado, também com base  no vol. 18 (2020), é de quatro meses. A publicação do texto, após aprovado, também com base no ano de 2020, é de três meses.

A taxa de recusa de manuscritos, com base no ano de 2020, foi de 79%.

Direitos autorais

Exceto nos casos em que estiver indicado o contrário, em consonância com a Política de Acesso Aberto ao Conhecimento da Fundação Oswaldo Cruz, ficam cedidos e transferidos, total e gratuitamente, à Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio e à Fundação Oswaldo Cruz, em caráter permanente, irrevogável e não exclusivo, todos os direitos autorais patrimoniais não comerciais referentes aos artigos científicos publicados na revista Trabalho, Educação e Saúde, inclusive os direitos de voz e imagens vinculados à obra. A cessão abrange reedições e traduções. Os textos assinados são de responsabilidade dos autores, não representando, necessariamente, a opinião dos editores e dos membros do Conselho Editorial da revista.

Aplica-se, no que couber, o disposto na Política de Acesso Aberto ao Conhecimento da Fundação Oswaldo Cruz, instituição mantenedora da TES, de acordo com a respectiva Portaria.

 

 

Submissão de manuscritos

 

Os manuscritos devem ser submetidos pelo sistema de avaliação de manuscritos da Revista. Primeiramente, o autor principal deve cadastrar-se no sistema e depois cadastrar o manuscrito. Solicitamos aos autores que observem e sigam as instruções para apresentação do manuscrito.

Para informações adicionais, consultar os editores:

<revtes.epsjv@fiocruz.br>

 

 


Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Avenida Brasil, 4.365, 21040-360 Rio de Janeiro, RJ Brasil, Tel.: (55 21) 3865-9850/9853, Fax: (55 21) 2560-8279 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revtes@fiocruz.br