Accessibility / Report Error

Comportamento ingestivo de vacas alimentadas com torta de macaúba

Ingestive behavior of dairy cows fed with macauba meal

Resumos

Avaliaram-se os efeitos de diferentes níveis de inclusão (0, 100, 200 e 300g kg-1 de MS) de torta de macaúba (TM) na produção leiteira e no comportamento ingestivo de oito vacas Holandesas, em dois quadrados latinos 4x4, sendo quatro tratamentos e quatro períodos experimentais. O comportamento ingestivo foi determinado mediante observações visuais, ocorridas durante 24 horas, a intervalos de 5 minutos, para determinação do tempo despendido em alimentação, ruminação e ócio. Embora tenha ocorrido redução quadrática no consumo de matéria seca e na produção de leite com a inclusão de TM nas dietas, a eficiência alimentar (gMS h-1 e gFDN h-1) e a eficiência de ruminação (gMS h-1 e gFDN h-1) foram semelhantes em todos os tratamentos. O tempo total de mastigações (min dia-1), o número de bolos ruminados (n° dia-1), o número de mastigações merícicas (n° dia-1 e n° bolo-1) e o tempo de mastigações merícicas por bolo (seg bolo-1) não apresentaram diferenças. Os resultados permitem concluir que a inclusão da torta de TM na dieta de vacas leiteiras não influencia no comportamento ingestivo dos animais, entretanto, compromete o seu desempenho.

coprodutos; mastigação; tempo de alimentação; tempo de ruminação


The effects of the macauba meal (MM) inclusion (0, 100, 200 and 300g kg-1 of DM) upon daily milk production and ingestive behavior parameters were evaluated in eight Holstein cows. Animals were randomly allocated to treatments according to a replicated latin square design, with four treatments and four experimental periods. The ingestive behavior was determined by observation, during 24 hours with 5 minutes intervals to determine the time spent in feeding, rumination and idleness. There was a quadratic decrease in dry matter intake and daily milk production with MM inclusion. However, no effects were detected in MM inclusion on the feeding efficiency (gDM h-1 and gNDF h-1) and rumination efficiency (gDM h-1 and gNDF h-1). The total chewing time (min day-1), the number of ruminated (boli day-1), the ruminating chews (n. day-1 and n. boli-1) and the time of ruminating chews boli (sec boli-1) did not show any difference. The MM inclusion in the diet did not influence the ingestive behavior, but reduces the performance of animals.

coproducts; chewing; feeding time; rumination time


NOTA

PRODUÇÃO ANIMAL

Comportamento ingestivo de vacas alimentadas com torta de macaúba

Ingestive behavior of dairy cows fed with macauba meal

Rafael Alves de AzevedoI; Antonio Carlos Ramos dos SantosI; Carlos Stefenson Ribeiro JúniorI; Filipe Lage BicalhoI; Raphael Nogueira BahienseI; Leonardo AraújoI; Luciana Castro GeraseevI, 1 1 Autor para correspondência.

IInstituto de Ciências Agrárias (ICA), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Montes Claros, MG, Brasil. E-mail: lgeraseev@gmail.com

RESUMO

Avaliaram-se os efeitos de diferentes níveis de inclusão (0, 100, 200 e 300g kg-1 de MS) de torta de macaúba (TM) na produção leiteira e no comportamento ingestivo de oito vacas Holandesas, em dois quadrados latinos 4x4, sendo quatro tratamentos e quatro períodos experimentais. O comportamento ingestivo foi determinado mediante observações visuais, ocorridas durante 24 horas, a intervalos de 5 minutos, para determinação do tempo despendido em alimentação, ruminação e ócio. Embora tenha ocorrido redução quadrática no consumo de matéria seca e na produção de leite com a inclusão de TM nas dietas, a eficiência alimentar (gMS h-1 e gFDN h-1) e a eficiência de ruminação (gMS h-1 e gFDN h-1) foram semelhantes em todos os tratamentos. O tempo total de mastigações (min dia-1), o número de bolos ruminados (n° dia-1), o número de mastigações merícicas (n° dia-1 e n° bolo-1) e o tempo de mastigações merícicas por bolo (seg bolo-1) não apresentaram diferenças. Os resultados permitem concluir que a inclusão da torta de TM na dieta de vacas leiteiras não influencia no comportamento ingestivo dos animais, entretanto, compromete o seu desempenho.

Palavras-chave: coprodutos, mastigação, tempo de alimentação, tempo de ruminação.

ABSTRACT

The effects of the macauba meal (MM) inclusion (0, 100, 200 and 300g kg-1 of DM) upon daily milk production and ingestive behavior parameters were evaluated in eight Holstein cows. Animals were randomly allocated to treatments according to a replicated latin square design, with four treatments and four experimental periods. The ingestive behavior was determined by observation, during 24 hours with 5 minutes intervals to determine the time spent in feeding, rumination and idleness. There was a quadratic decrease in dry matter intake and daily milk production with MM inclusion. However, no effects were detected in MM inclusion on the feeding efficiency (gDM h-1 and gNDF h-1) and rumination efficiency (gDM h-1 and gNDF h-1). The total chewing time (min day-1), the number of ruminated (boli day-1), the ruminating chews (n. day-1 and n. boli-1) and the time of ruminating chews boli (sec boli-1) did not show any difference. The MM inclusion in the diet did not influence the ingestive behavior, but reduces the performance of animals.

Key words: coproducts, chewing, feeding time, rumination time.

A torta de macaúba (TM), resíduo proveniente da extração do óleo do fruto da palmeira macaúba [Acrocomia aculeata (jacq.) Lodd. Ex mart. - arecaceae], é um coproduto comumente encontrado em regiões do semiárido brasileiro. Análises químicas realizadas nas tortas residuais do fruto da macaúba demonstram que essa poderia ser aproveitada na alimentação de ruminantes, dado o seu alto teor de energia (RUFINO et al, 2011; AZEVEDO et al, 2012).

Segundo PEREIRA et al. (2011), a inclusão de coprodutos na formulação de rações para animais em produção, substituindo, parcialmente ou totalmente, os alimentos convencionais, consiste em boa alternativa, cujo potencial é ainda pouco explorado.

Objetivou-se avaliar o comportamento ingestivo e a produção leiteira de vacas da raça Holandesa em confinamento, alimentadas com dietas contendo diferentes níveis de inclusão de TM.

O experimento foi conduzido no Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Foram utilizadas oito vacas Holandesas, com 480kg (±26kg) de peso corporal, média de produção de 21,4kg (±3,8kg) de leite por dia e com 45 dias de lactação. Os animais foram confinados em baias individuais, distribuídos em dois quadrados latinos 4x4, quatro tratamentos e quatro níveis de inclusão da TM (0, 100, 200 e 300g kg-1 de MS) na dieta total e quatro períodos experimentais de 21 dias cada, sendo 14 dias iniciais de adaptação dos animais à dieta e os sete últimos dias de coleta de dados.

As dietas experimentais foram isonitrogenadas e com relação CO:VO de 50:50, fornecida duas vezes ao dia e ajustadas para manter sobras de no mínimo 200g kg-1. Na tabela 1 encontra-se a composição percentual dos ingredientes e a composição bromatológica das dietas experimentais e da TM.

A ingestão de alimentos foi calculada pela diferença diária dos pesos do alimento oferecido e das sobras. Amostras dos alimentos fornecidos e das respectivas sobras foram analisadas seguindo a metodologia de SILVA & QUEIROZ (2002) para MS e FDN. Os animais foram ordenhados, mecanicamente, duas vezes ao dia (6h e 16h), sendo a produção de leite mensurada em balança digital.

Na avaliação do comportamento ingestivo, os animais foram submetidos a observações visuais de 24h, a intervalos de cinco minutos, por quatro observadores treinados e posicionados estrategicamente, para determinação do tempo despendido com alimentação (TA), ruminação (TR) e ócio (TO), conforme metodologia citada por JOHNSON & COMBS (1991).

Após cada período de observações, foi realizada a contagem do número de mastigações merícicas por bolo (nº bolo-1) e do tempo despendido para ruminação de cada bolo (seg bolo-1), com a utilização de cronômetro digital. Para obtenção das médias das mastigações e do tempo, foram feitas observações de três bolos ruminais em três períodos diferentes do dia (10-12h; 14-16h e 19-21h). As baias foram mantidas com iluminação artificial durante todo o período noturno.

As variáveis referentes ao comportamento ingestivo foram obtidas pelas equações: TMT=TA+TR, EAMS=CMS/TA; EAFDN=CFDN/TA; ERMS=CMS/TR; ERFDN=CFDN/TR; NBR=TR/MMtb; MMnd=NBR/MMnb, em que: EA (gMS h-1, gFDN h-1) = eficiência de alimentação; CMS (gMS dia-1) = consumo de MS; TA (h dia-1) = tempo de alimentação; CFDN (gFDN dia-1) = consumo de FDN; ER (gMS h-1, gFDN h-1) = eficiência de ruminação; TR (h dia-1) = tempo de ruminação; TMT (h dia-1) = tempo de mastigação total; NBR (N. dia-1) = número de bolos ruminados; MMtb (seg bolo-1) = tempo de mastigação merícica por bolo ruminal; e MMnb (N. bolo-1) = número de mastigações merícicas por bolo ruminal (POLLI et al., 1996).

Os resultados foram submetidos à análise de variância e de regressão. Para todas as variáveis adotou-se o nível de significância de 5% de probabilidade, utilizando-se o Statistical Analysis System (SAS, 2002, versão 9.0).

Houve redução quadrática no consumo de matéria seca (CMS) e na produção de leite (PL) com a inclusão da TM (P≤0,05) nas dietas (Tabela 2). A redução na PL (kg dia-1) pode ser explicada pelo menor CMS. Já a redução no CMS (kg dia-1) pode ser atribuída, em parte, ao aumento dos teores de EE nas dietas, com a inclusão do coproduto (Tabela 1), causando redução da digestibilidade da fibra (GRUMMER et al., 1990).

O aumento no teor de extrato etéreo (EE) com inclusão do coproduto é resultado da forma de extração do óleo, a qual é feita por meio de prensagem da macaúba. AZEVEDO et al. (2013), avaliando a inclusão da torta de macaúba na dieta de vacas em lactação, também encontraram valores elevados de extrato etéreo para o coproduto. Durante o experimento observou-se que os animais apresentaram aceitabilidade reduzida nas dietas com altos níveis de TM, o que também pode ter contribuído para a redução no CMS e, consequentemente, na PL.

Os consumos diários de FDN foram influenciados (P?0,05) pelos níveis de inclusão do coproduto (Tabela 2), o que pode ser explicado pelo aumento dos teores dessa fração nas dietas com a inclusão da TM (Tabela 1).

Com redução no CMS e aumento da participação da TM nas dietas, esperava-se diminuição nos TA e de TR e aumento no TO. Porém, isso não foi observado (P>0,05) (Tabela 2). A ausência do efeito da dieta sobre as variáveis TR e TO pode ser explicada, em parte, pela granulometria das partículas da TM, semelhante aos outros componentes dietéticos do concentrado (farelo de milho e farelo de soja). O processamento do coproduto, provavelmente, reduziu a efetividade da FDN, o que explica a semelhança nas variáveis comportamentais analisadas.

Com relação à EA e ER, não foram observados efeitos dos níveis de inclusão da TM sobre essas variáveis (P>0,05) (Tabela 2). Entretanto, com o resultado de aumento quadrático no consumo de FDN (kg dia-1), era esperado que eles apresentassem diferenças entre os tratamentos.

O NBR por dia não variou entre as dietas (P>0,05). Esses dados corroboram os encontrados por CASTRO et al. (2009), ao avaliarem o comportamento ingestivo de novilhas leiteiras alimentadas com dietas a base de coprodutos agroindustriais, o que pode ser explicado, no presente trabalho, pelas semelhanças do TMT, além do tamanho de partícula da TM.

O MMnb e MMtb não variaram entre as dietas (P>0,05), podendo ser justificado pela similaridade entre os NBR. Não foram verificadas alterações nas GMSB e GMSFDN com a inclusão da TM nas dietas (Tabela 2), sendo os dados correlacionados com as observações similares entre as ER da MS e do FDN, devido ao pequeno tamanho das partículas da TM e à baixa efetividade de fibra.

Conclui-se que a inclusão da TM não altera o comportamento ingestivo de vacas da raça Holandesa em lactação, entretanto, a adição do coproduto compromete o consumo de matéria seca e a produção de leite

COMITÊ DE ÉTICA E BIOSSEGURANÇA

Protocolo 87/2008.

Recebido 12.09.12

Aprovado 19.01.13

Devolvido pelo autor 03.06.13

CR-2012-0840.R1

  • AZEVEDO, R.A.et al. Desempenho de cordeiros alimentados com inclusão de torta de macaúba na dieta. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.47, p.1663-1668, 2012.
  • AZEVEDO, R.A.et al. Desempenho de cordeiros alimentados com inclusão de torta de macaúba na dieta. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.65, p.490-496, 2013.
  • CASTRO, K.J. et al. Respostas comportamentais de novilhas leiteiras alimentadas com dietas à base de subprodutos agroindustriais. Revista Ciência Agronômica, v.40, n.2, p.306-314, 2009.
  • GRUMMER, R.R.et al. Acceptability of fat supplements in four dairy herds. Journal of Dairy Science, v.73, n.3, p.852-857, 1990.
  • JOHNSON, T.R.; COMBS, D.K. Effects of prepartum diet, inert rumen bulk, and dietary polythylene glicol on dry matter intake of lactating dairy cows. Journal of Dairy Science, v.74, p.933-944, 1991.
  • PEREIRA, E.S. et al. Comportamento ingestivo de vacas em lactação alimentadas com rações a base de torta de girassol. Semina: Ciências Agrárias, v.32, n.3, p.1201-1210, 2011.
  • POLLI, V.A. et al. Aspectos relativos à ruminacão de bovinos e bubalinos em regime de confinamento. Revista Brasileira de Zootecnia, v.25, n.5, p.987-993, 1996.
  • RUFINO, L.M.A. et al. Efeitos da inclusão de torta de macaúba sobre a população de protozoários ruminais de caprinos. Revista Brasileira de Zootecnia, v.40, n.4, p.899-903, 2011.
  • SAS Institute. SAS user's guide Version 9.0. Cary, 2002. 513p.
  • SILVA, D.J.; QUEIROZ, A.C. Análise de alimentos: métodos químicos e biológicos. 3.ed. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa, 2002. 235p.
  • WEISS, W.P. Energy prediction equations for ruminant feeds. In: CORNELL NUTRITION CONFERENCE FEED MANUFACTURERS, 61., 1999, Ithaca. Proceedings... Ithaca: Cornell University, 1999. p.176-185.
  • 1
    Autor para correspondência.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      30 Jul 2013
    • Data do Fascículo
      Ago 2013
    Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Ciências Rurais , 97105-900 Santa Maria RS Brazil , Tel.: +55 55 3220-8698 , Fax: +55 55 3220-8695 - Santa Maria - RS - Brazil
    E-mail: cienciarural@mail.ufsm.br